Lana Turner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lana Turner
Turner em 1941
Nome completo Julia Jean Mildred Frances Turner
Nascimento 8 de fevereiro de 1921
Wallace, Idaho, EUA
Nacionalidade norte-americana
Morte 29 de junho de 1995 (74 anos)
Century City, Los Angeles, Califórnia, EUA
Ocupação atriz
Atividade 1937–1991
Cônjuge Artie Shaw (1940–1940)
Lex Barker (1953–1957)
Outros prêmios
Estrela na Calçada da Fama, no 6233 Hollywood Blvd.
Melhor Atriz 1975 no Sitges - Catalonian International Film Festival, por Persecution (1974)

Lana Turner, nome artístico de Julia Jean Mildred Frances Turner (Wallace, 8 de fevereiro de 1921 - Century City, 29 de junho de 1995), foi uma atriz norte-americana.[1] Ao longo de sua carreira de quase 50 anos, ela alcançou fama como estrela de cinema e modelo pin-up, bem como por sua vida pessoal altamente divulgada. Na década de 1940, Turner foi uma das atrizes mais bem pagas dos Estados Unidos e uma das maiores estrelas da Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), com seus filmes ganhando mais de 50 milhões de dólares para o estúdio durante seu contrato de 18 anos com eles. É frequentemente citada como um ícone da cultura popular do glamour de Hollywood e uma lenda do cinema clássico de Hollywood.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Mildred Frances Cowan e John Virgil Turner, foi descoberta, aos quinze anos, em 1936, tomando uma coca-cola na lanchonete "Top Rat Café" na rua Highland, em Hollywood pelo produtor do jornal "Hollywood Report", W.R.Wilkerson. Foi contratada, a 50 dólares por semana, por Mervyn LeRoy, diretor da Warner tendo estreado em 1937, no filme "They won't forget". Ela era a "Garota do Suéter", considerada símbolo sexual entre as décadas de 1940 e 1950 e tornou-se uma das atrizes mais bem pagas da época.[3]

Percorreu várias etapas até alcançar o estrelado em "O Destino bate à sua porta" (The Postman Always Rings Twice) de 1946. A estrela era esbanjadora e maníaca por sapatos. Foi casada e separada sete vezes além de ter mantido casos amorosos com várias personalidades como Victor Mature, Howard Hughes, Gene Krupa, Robert Stack, Tony Martin[desambiguação necessária], Clark Gable, Fernando Lamas, Peter Lawford e Rex Harrison, entre outros. Teve uma única filha com Joseph Stephen Crane. Os outros maridos foram o músico Artie Shaw, o milionário Henry J. Topping, o ator(e ex-Tarzan) Lex Barker, Fred May, o produtor Bob Eaton e o hipnotizador Joe Robert Dante, que roubou-lhe dinheiro e jóias. Apesar disso o grande amor de sua vida foi o ator Tyrone Power com quem não se casou.

Um dos grandes escândalos de Hollywood envolveu a filha da atriz, Cheryl Christina Crane, que acusava a mãe de abandono e, em 1958 assassinou Johnny Stompanato, um dos amantes de Lana com uma faca de cozinha. Nessa época a estrela era constantemente agredida pelo gângster Stompanato e ameaçada de ter seu rosto desfigurado caso ela deixasse de lhe sustentar. Cheryl foi absolvida pelo crime.

Lana passou um longo tempo em depressão causada pelo álcool. Apesar de toda a tragédia e da vida sofrida de Lana, sua filha Cheryl demonstrou muito carinho pela mãe em sua autobiografia "Detour - a Hollywood tragedy" enfatizando ainda que tinha muito orgulho de haver matado para defender a mãe. Fez uma participação especial na série de televisão de horário nobre, Falcon Crest, entre 1982 e 1983. Em 1985 foi lançado o livro "Lana", uma autobiografia da estrela.[4]

Morreu em 29 de junho de 1995 em Century City, na Califórnia, em decorrência de um câncer na garganta.

Legado[editar | editar código-fonte]

Turner foi notada pelos historiadores como um símbolo sexual, um ícone da cultura popular[2][5] e "um símbolo do sonho americano realizado ... como tendo nascido em uma cabana de madeira." [2] O crítico Leonard Maltin observou em 2005 que Turner "veio para cristalizar as alturas opulentas às quais o show business poderia levar uma garota de cidade pequena, bem como suas profundezas mais sombrias, trágicas e narcisistas ".[6] Ela também foi citada por estudiosos como um ícone gay por causa de sua personalidade glamorosa e triunfo sobre lutas pessoais.[7] Embora as discussões em torno de Turner tenham sido amplamente baseadas em sua prevalência cultural, pouco estudo acadêmico foi realizado sobre sua carreira,[8] e a opinião de seu legado como atriz dividiu os críticos. Após a morte de Turner, John Updike escreveu no The New Yorker que ela "era uma peça de época desbotada, uma rainha do glamour à moda antiga cujos cinquenta e quatro filmes, ao longo de quatro décadas, não somaram, retrospectivamente, muito ... Ela era puramente um produto feito em estúdio."[9]

Defensores da habilidade de atuação de Turner, como Jessica Hope Jordan[10] e James Robert Parish,[11] citam sua atuação em The Postman Always Rings Twice como um argumento para o valor de seu trabalho. O papel de Turner no filme também fez com que ela fosse frequentemente associada ao filme noir e ao arquétipo da femme fatale nos círculos críticos.[12][13][14] Em uma retrospectiva da Films in Review de 1973 sobre sua carreira, Turner foi referida como "um mestre da técnica cinematográfica e um artesão trabalhador".[15] Jeanine Basinger também defendeu a atuação de Turner, escrevendo sobre sua atuação em The Bad and the Beautiful: "Nenhum dos símbolos sexuais que foram apresentados como atrizes - nem Hayworth, Gardner, Taylor ou Monroe - jamais tiveram uma performance tão boa".[16]

Por causa das interseções entre a personalidade glamourosa e de alto perfil de Turner e a vida pessoal célebre e muitas vezes conturbada, ela é incluída em discussões críticas sobre o sistema de estúdio de Hollywood, especificamente sua capitalização sobre os trabalhos privados de suas estrelas.[8] Basinger a considera o "epítome do estrelato feito à máquina de Hollywood".[17] Turner também foi citada em discussões acadêmicas sobre a sexualidade das mulheres.[18]

Turner foi retratada e referenciada em inúmeras obras na literatura, cinema, música e arte. Ela foi o tema do poema "Lana Turner has collapsed" por Frank O'Hara,[19] e foi retratada como um personagem menor em L.A. Confidential (1990), romance de James Ellroy .[20] O assassinato de Stompanato e suas consequências também foram a base do romance de Harold Robbins, chamado Where Love Has Gone (1962).[21] Na música popular, Turner foi referenciada em canções gravadas por Nina Simone[22] e Frank Sinatra,[23] e foi a fonte do nome artístico da cantora e compositora Lana Del Rey.[24][25] Em 2002, o artista Eloy Torrez incluiu Turner em um mural ao ar livre, Portrait of Hollywood, pintado no auditório da Hollywood High School, sua alma mater.[26] Turner tem uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 6241 Hollywood Boulevard.[27] Em 2012, Complex a nomeou a oitava atriz mais infame de todos os tempos.[28]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Lana Turner in Dramatic School trailer 2.JPG Turner and Tracy in Dr. Jekyll and Mr. Hyde trailer.jpg
Dramatic School (1938) Spencer Tracy e Lana Turner em Dr. Jekyll and Mr. Hyde (1941)
Lana Turner in A Life Of Her Own trailer 3.JPG Mr. Imperium 1951.JPG
A Life of Her Own (1950) Mr. Imperium (1951)
Latin Lovers 1953.JPG Imitation of Life-LanaTurner3.JPG
Latin Lovers (1953) Imitation of Life (1959)
  • 1958 - A Força do Amor (The Lady Takes a Flyer)
  • 1958 - Vítima de Uma Paixão (Another Time, Another Place)
  • 1959 - Imitação da Vida (Imitation of Life)
  • 1960 - Retrato Negro (Portrait in Black)
  • 1961 - Solteiro no Paraíso (Bachelor in Paradise)
  • 1961 - O Amor Tudo Vence (By Love Possessed)
  • 1962 - Ela Topou a Parada (Who's Got the Action?)
  • 1965 - O Amor tem Muitas Faces (Love has many faces)
  • 1966 - Madame X (Madame X)
  • 1974 - O Cemitério (The Graveyard)
  • 1976 - Amargo Amor (Bittersweet Love)
  • 1980 - A Poção Mágica (Witches Brew)

Referências

  1. LANA TURNER Arquivado em 14 de dezembro de 2011, no Wayback Machine. NostalgiaBR.
  2. a b c Fields 2007, p. 109.
  3. Lana Turner CinemaClassico.
  4. Lana Turner memorial da fama.
  5. Basinger 2008, p. 182.
  6. Maltin, Leonard (2005). «Lana Turner Biography». Leonard Maltin Classic Movie Guide. Turner Classic Movies. Consultado em 28 de julho de 2018 
  7. Guilbert 2018, pp. 176–177.
  8. a b Jordan 2009, p. 108.
  9. Updike, John (12 de fevereiro de 1996). «Legendary Lana». The New Yorker. p. 68. ISSN 0028-792X. Consultado em 20 de junho de 2018 
  10. Jordan 2009, pp. 108–109.
  11. Parish 1978, p. 401.
  12. Blaser, John (janeiro de 1996). «The Femme Fatale». No Place for a Woman: The Family in Film Noir. University of California, Berkeley. Consultado em 21 de junho de 2017 
  13. «GLS 592: The Hard Boiled Dames of Film Noir». Graduate Liberal Studies Program. University of North Carolina, Wilmington. Cópia arquivada em 23 de maio de 2018 
  14. Morella & Epstein 1971, p. 200.
  15. «Lana Turner». National Board of Review of Motion Pictures. Films in Review. 24: 246. 1973 
  16. Basinger 1976, p. 88.
  17. Basinger 2008, p. 181.
  18. Jordan 2009, pp. 109–113.
  19. Sutherland & Fender 2011, p. 54.
  20. Dargis 2003, p. 33.
  21. Erickson 2017, p. 119.
  22. Ihnat, Gwen (2 de setembro de 2015). «It only took 30 years for "My Baby Just Cares For Me" to be a hit». A.V. Music. Consultado em 27 de maio de 2018 
  23. Ingham 2005, p. 138.
  24. Petrusich, Amanda (29 de setembro de 2015). «Lana Del Rey Is Exhausted». The New Yorker. Cópia arquivada em 30 de abril de 2016 
  25. Varga, George (14 de fevereiro de 2018). «Lana Del Rey has legs, a stalker, four Grammy nominations and a possible Broadway musical». The San Diego Union Tribune. San Diego, California. Consultado em 24 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de maio de 2018 
  26. Garcia, Mark. «The HHS Auditorium Mural». Hollywood High School Alumni Association. Consultado em 24 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de maio de 2018 
  27. Los Angeles Times Staff (30 de junho de 1995). «Lana Turner». Los Angeles Times. Hollywood Star Walk. Consultado em 23 de maio de 2018 
  28. Aquino, Tara; Hoare, Peter (27 de agosto de 2012). «The 50 Most Infamous Actresses of All Time». Complex. Consultado em 27 de julho de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Lana Turner