The Cassandra Crossing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Cassandra Crossing
A Travessia de Cassandra (BR)
 Reino Unido
 Itália

1976 •  cor •  129 min 
Direção George Pan Cosmatos
Produção Carlo Ponti
G. Pettini (executivo)
Sir Lew Grade (não creditado)
Roteiro Tom Mankiewicz
Robert Katz
George Pan Cosmatos
Elenco Sophia Loren
Richard Harris
Burt Lancaster
Gênero Catástrofe
Suspense
Música Jerry Goldsmith
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Cassandra Crossing (br.: A Travessia de Cassandra) é um filme catástrofe de 1976 de produção ítalo-britânica, dirigido por George Pan Cosmatos. Realizado em Technicolor e Panavision, reúne um grande elenco de astros internacionais, com produção do magnata europeu Sir Lew Grade e do produtor italiano Carlo Ponti.[1] Ponti também explorou a possibilidade do filme ser uma grande vitrine para sua esposa, Sophia Loren.[2]

Elenco[3][editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Terroristas suecos tentam explodir um prédio norte-americano da Organização Internacional da Saúde em Genebra e dois deles são mortos e um terceiro foge, contaminado com germes de uma epidemia mortal (vagamente mencionada como uma espécie de peste bubônica). O coronel da Inteligência Militar dos Estados Unidos Stephen Mackenzie, auxiliado pela especialista sueca em patologias Drª. Elena Stradner, é chamado para acompanhar o caso e descobre que o terrorista sobrevivente apanhou o trem que parte de Genebra até Estocolmo. No trem, está o renomado médico neurologista Dr. Jonathan Chamberlain e sua ex-esposa, a escritora Jennifer Rispoli Chamberlain. O coronel contata Chamberlain e explica a situação, dizendo que o trem deverá ser lacrado e que os passageiros ficarão de quarentena num campo de refugiados em Janov na Polônia. Para isso, a composição será desviada para uma antiga ferrovia usada pelos nazistas e abandonada em 1948, que inclui uma passagem por uma ponte perigosa conhecida como "Travessia de Cassandra".

A ponte em arco Garabit usada para representar a abandonada "Travessia de Cassandra"

Produção[editar | editar código-fonte]

Os estúdios Cinecittà em Roma foram usados para as filmagens dos interiores, com locações na França e Suíça para a maioria das cenas externas.[1] A ponte em arco de aço Garabit no sudeste da França, construída entre 1880 e 1884 por Gustave Eiffel, o mesmo da Torre Eiffel,[4] representa a "Travessia de Cassandra".

No começo do filme, os passageiros chegam à estação de Genebra para embarcarem no trem. As filmagens foram feitas na realidade na estação central de Basileia. Quando o Dr. Chamberlain entra na estação, podem ser avistados os bondes em cor verde (pertencentes a companhia de transporte público da Basileia - BVB), e a Praça da Estação Central pode ser avistada ao fundo.[5] Muitas cenas foram filmadas na ferrovia entre Basileia – DelémontPorrentruy; a ponte ferroviária de Saint-Ursanne pode ser reconhecida.

A maior parte dos efeitos especiais envolvem maquetes e modelos em escala que foram bem eficientes, apesar dos cenógrafos do estúdio incluírem uma típica locomotiva a diesel que não se assemelha as cenas da locação, com pantógrafos para a ligação com a rede elétrica.[1]

Foi oferecido o papel principal a Peter O'Toole que recusou. Richard Harris entrou no seu lugar.[6]

The Cassandra Crossing foi apenas o segundo filme de Lee Strasberg.[7] Ava Gardner afirmou (em tradução livre, como as demais): "a verdadeira razão para eu estar nesse filme é dinheiro, baby, pura e simples"[8] Tom Mankiewicz, que trabalhou no roteiro, o apelidou de "A torre de Germes" (referência ao filme catástrofe "Inferno na Torre" de 1974).

Recepção[editar | editar código-fonte]

The Cassandra Crossing não teve boas críticas nem causou boas reações no público norte-americano que já estava se cansando dos filmes catástrofes. Planejado como um veículo para a estrela Sophia Loren, a maior parte das escolhas do elenco foram decisões ilógicas conforme anotou Richard Eder do The New York Times,[9]

A maioria das resenhas contemporâneas também destacou em comum a trama implausível apesar de elogios à cinematografia e a música de Jerry Goldsmith, consideradas elementos notáveis. Variety criticou o filme como "... um cansativo, piegas e algumas vezes inadvertidamente engraçado filme catástrofe com um trem com passageiros contaminados abandonados à própria sorte.".[10]

O filme foi vaiado e apupado numa apresentação prévia para os críticos.[11]

O grafismo das cenas em que muitos passageiros são mortos na sequência final causou uma classificação "R" para exibição nos cinemas norte-americanos e levou a versões "censuradas" e "sem censura" para os lançamentos posteriores em vídeos[1]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

The Cassandra Crossing, apesar de tudo, deu lucros.[12][13]

Referências

  1. a b c d Thompson, Nathaniel. "The Cassandra Crossing (1976)." Turner Classic Movies. Recuperado em 3 de fevereiro de 2012
  2. Verlhac and Dherbier 2008, p. 12.
  3. "Credits: The Cassandra Crossing (1976)." Turner Classic Movies. Recuperado em 3 de fevereiro de 2012
  4. Billington 1983, pg. 92.
  5. "Travelling in Switzerland." myswissalps.com. Recuperado em 3 de fevereiro de 2012
  6. Mankiewicz and Crane 2012, p. 178.
  7. "The method man." The Guardian 29 de março de 1976, p. 8.
  8. Tuohy, William. "Ava Gardner: Still that certain something." Los Angeles Times, 9 de maio de 1976, p. s1.
  9. Eder, Richard. "The Cassandra Crossing (1976): A Travessia de Cassandra foi condenada por premissas tolas, mal encenado." The New York Times, 10 de fevereiro de 1977
  10. "The Cassandra Crossing." Variety, 31 de dezembro de 1976.
  11. Beck, Marilyn. "Director gets cross at 'Crossing' critics." Chicago Tribune, 19 de janeiro de 1977, pg. a6.
  12. Walker 1985, p. 197.
  13. Grade 1987, p. 246.
Bibliografia
  • Billington, David P. The Tower and the Bridge: The New Art of Structural Engineering. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1983. ISBN 978-0-691-02393-9.
  • Grade, Lew. Still Dancing: My Story. New York: William Collins & Sons, 1987. ISBN 0-0-0217-780-3.
  • Mankiewicz, Tom and Robert Crane. My Life as a Mankiewicz. Lexington, Kentucky: University Press of Kentucky, 2012. ISBN 978-0-8131-3616-5.
  • Verlhac, Pierre-Henri and Yann-Brice Dherbier. Sophia Loren: A Life in Pictures. Brighton, UK: Pavilion, 2008. ISBN 978-1-86205-831-6.
  • Walker, Alexander. National Heroes: British Cinema in the Seventies and Eighties. London: Harrap, 1985. ISBN 978-0-75285-707-7.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]