Vida de Artista (valsa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

"Vida de Artista", originalmente "Künstlerleben" em alemão, valsa ópus 316 escrita por Johann Strauss II em 1867, sendo publicada logo após o sucesso de "Ao Belo Danúbio Azul", sua ópus 314. Nesse momento a Áustria estava fortemente abalada pela derrota na Batalha de Königgrätz (império Austríaco contra reinado Prusso) e, conseqüentemente, muitas das festividades e bailes daquele ano foram então cancelados devido à baixa estima que então deprimia o povo.

A quase impossível tarefa de Strauss de ressucitar a Joie de Vivre (alegria de viver) ao Carnaval de Viena de 1867 foi atingida com apreciável aprumo já que as músicas dos três irmãos Strauss não apresentaram sinais de decadência de inspiração e ajudaram os vienenses a perceber como seus fortes espíritos desafiavam o inquieto Espírito do Tempo (Zeitgeist).

A valsa começou a ser escrita no outono de 1866. O próprio público vienense a escolheu para ser música do Carnaval de Viena em 1867. Quando Strauss foi para Paris em maio, sua seposa, Jetty Strauss, que sempre o acompanhava, escreveu cartas para amigos vienenses contando do sucesso que o marido fazia com suas músicas também pela França.

Johann Strauss II e seu irmão Josef Strauss apresentaram na noite de 18/02/1867 no Baile Hesperus no Dianabad-Saal seus novos reluzentes trabalhos com a valsa "Vida de Artista", que foi apresentada no local apenas três dias depois da "Ao Belo Danúbio Azul". Tanto a associação dos "Hesperus" quanto a dos "Artistas de Viena", das quais os Strauss eram membros, tinham forte influência artística na sociedade.

A valsa "Vida de Artista" foi logo proclamada como nova irmã da "Danúbio Azul" e sua popularidade foi então cresccendo no repertório clássico. Johann Strauss II demonstrou sua inabalável inspiração já com o solo harmonioso de Trompas em Fá em Mi maior e Lá menor que inicia a introdução da valsa e é logo interceptado por uma introdução ao refrão da valsa tocada em oboés e respondida por clarinetas com uma tréplica melancólica no violão cello ainda em Lá menor e Mi maior. Logo após, madeiras avisam o términio da introdução fazendo um trecho em Lá maior e a orquestra com toda sua pompa e percussão dá início à principal melodia da valsa, em Dó maior. Como grande parte das valsas, aberturas e mesmo boa parte das marchas e polkas de Johann Strauss II, "Vida de Artista" também apresenta um encerramento triunfante, de ritmo rápido, com fortes acordes e uma vibrante percussão dando sustentação à música, embora seja um encerramento curto.

Fonte: Tradução da Wikipedia nas línguas inglesa (texto de Peter Kemp, da sociedade de Johann Strauss da Grã-Bretanha) e italiana, valsa "Vida de Artista", de Johann Strauss.