Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Youthanasia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Youthanasia
Álbum de estúdio de Megadeth
Lançamento 1 de Novembro de 1994
Gravação 1994 em Phoenix, Arizona
Gênero(s) Heavy metal, thrash metal
Duração 49:57
Gravadora(s) Capitol Records
Produção Dave Mustaine, Max Norman
Cronologia de Megadeth
Countdown to Extinction
(1992)
Cryptic Writings
(1997)
Singles de Youthanasia
  1. "Train of Consequences"
    Lançamento: 1994
  2. "A Tout le Monde"
    Lançamento: 1995
  3. "Reckoning Day"
    Lançamento: 1995

Youthanasia é o sexto álbum de estúdio da banda norte americana de thrash metal Megadeth, editado a 1 de novembro de 1994 pela Capitol Records.

O título é um "portmanteau" (amálgama) das palavras youth (juventude) e euthanasia (eutanásia), implicando que a sociedade está promovendo uma eutanásia nos jovens, o que é consistente com a visão do líder e principal compositor da banda, Dave Mustaine. A capa mostra uma idosa a pendurar bebés pelos pés, naquele que parece ser um estendal sem fim; a capa foi inspirada directamente de um verso retirado da canção "Youthanasia". O álbum não tem um estilo muito diferente que o grupo tinha desenvolvido nas gravações antecedentes, no entanto, e de acordo com a página oficial da banda, "marcou a evolução contínua de Megadeth, seguindo os passos do álbum anterior" (Countdown to Extinction de 1992).

Youthanasia recebeu boas críticas na altura do seu lançamento. Um sucesso comercial, estreou-se com o pico máximo na quarta posição na tabela Billboard 200. Em 1995 foi certificado como platina por ter vendido mais de um milhão de cópias no Estados Unidos. Uma reedição remisturada que inclui faixas bónus e várias notas, foi lançada a 27 de julho de 2004. Em 2014, a revista Guitar World colocou Youthanasia na sua lista dos "50 Álbuns Icónicos que Definiram 1994".

Inicio e gravações[editar | editar código-fonte]

O álbum anterior de Megadeth, Countdown to Extinction, tornou-se o lançamento de maior sucesso da banda, estreando-se na segunda posição no Billboard 200 e eventualmente conseguiu mesmo a dupla platina. Como resultado, continuaram a esgotar salas de espectáculo por toda a América do Norte, e a criar uma forte base de fãs fora desse território. Com Youthanasia, a banda moveu-se para um som mais mainstream, popular para com as massas.[1]

Foi uma época de problemas e conflitos dentro de Megadeth, em que em cada duas semanas, segundo Mustaine, havia "intervenções emocionais ultrajantes" para que o grupo se tornasse mais democrático. Havia muitas reuniões da banda durante este período, que punham em causa o controlo criativo de Mustaine sobre uma "fórmula de sucesso", para que o resto da banda pudesse exercer melhor a sua criatividade.[2] Outro problema prendia-se com o facto de não haver ainda decisão sobre onde iriam gravar o álbum. Mustaine não o queria fazer em Los Angeles, acabando eventualmente por irem gravar em Phoenix, visto que a maior parte da banda vivia no estado do Arizona.[3] As sessões do álbum começaram no estúdio Phase Four em março de 1994, mas apareceram alguns problemas fazendo com que a banda procurasse outro estúdio.[2] O produtor Max Norman sugeriu que fosse construído um estúdio para a banda. Em conversa sobre o processo de gravação, Dave Mustaine disse: "Youthanasia foi escrito em exclusivo e a 100 por cento no estúdio. Não estávamos a tocar nenhum material antigo. Nada do passado influenciou a nova gravação."[4] Mustaine refere também que deu "mais liberdade" aos outros membros da banda e chamou ao álbum "um esforço total do grupo".[5]

Capa e título[editar | editar código-fonte]

A capa mostra uma idosa a pendurar bebés pelos pés, naquele que parece ser um estendal sem fim. De acordo com David Ellefson, o desenho para a capa foi directamente inspirado de um verso da canção "Youthanasia": "a canção, foi provavelmente a nossa maior representação daquilo que pensamos sobre os jovens que ouvem a nossa música, e o que o futuro lhes reserva. É como uma escolha que podes fazer: ou tornas-te pro-activo ou escolhes 'Youthanasia'."[6] O título é um "portmanteau" (amálgama) das palavras youth (juventude) e euthanasia (eutanásia). Mustaine afirmou que a ideia para o título deriva de ouvir falar de Jack Kevorkian, assim como o declínio do estado para com o bem-estar dos jovens, especificamente na sua relação com as drogas, o crime, a violência e a falta de parentalidade.[3]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

Amostra de “Train of Consequences”, o primeiro single do álbum.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Youthanasia não marca um estilo diferente que a banda tinha nas primeiras gravações. De acordo com a revista Billboard, "desde a abertura furiosa da bateria em "Addicted to Chaos", até ao thrash preciso de "Train of Consequences", Mustaine e companhia entregam-nos uma marca agressiva de raiva'n'roll com um efeito poderoso". Notaram também que mesmo as canções mais lentas, como "A Tout le Monde", têm tendência a encaminhar-se para uma "explosão vigorosa".[7] Os autores Pete Prown e Harvey P. Newquist opinaram que, liricamente, Youthanasia contém "mais variações temáticas" de Megadeth. Escreveram também que o álbum é musicalmente diversificado, desde os "versos acústicos e lentos" de "A Tout le Monde" até aos riffs "perigosos" de "Train of Consequences" e "Family Tree".[8] A revista Q diz que as imagens de marca de Megadeth, como os "riffs crocantes, tambores trovejantes e vozes amargas", estão presentes no álbum, com as letras a serem mais "introspectivas".[9] Sandy Masuo da Los Angeles Times diz que "Youthanasia ferve com a guitarra pungente do costume, metralhando riffs e ritmos implacáveis ​​infundidos com uma melodia secreta. A voz de Mustaine parece mais profunda, o que aumenta os seus comentários sobre as falhas fatais da sociedade (e as suas próprias)."[10]

Já lhe chamaram álbum de thrash, álbum de rock, e até mesmo álbum de música alternativa. Para mim apenas pode ser chamado de álbum de Megadeth. É o suficiente.

Dave Mustaine, sobre o género do álbum.[5]

Mike Stagno disse que Youthanasia contém "um tipo de metal mais tradicional". Stagno explica também que apesar da música de algumas faixas permanecerem "muito pesadas", era óbvio que neste álbum, o thrash metal era "muito escasso".[11] Stephen Thomas Erlewine concorda que Megadeth "inseriu alguns elementos mais experimentais e progressivos na sua música".[12] Similarmente, Chris Ayers da revista canadiana Exclaim!, sentiu que com Youthanasia, a banda "eliminou o seu thrash brilhante para um som de meio-tempo".[13] De acordo com a página oficial da banda, "Youthanasia marcou a evolução contínua de Megadeth, seguindo os passos do álbum anterior."[14] Em conversa sobre a direcção estilística do álbum, o guitarrista Marty Friedman afirmou: "Usamos essencialmente as nossas armas. Não é como se fossemos mudar o próximo álbum para tentar seguir a tendência. Nós não mudamos com os tempos."[15]

Lançamento e digressão[editar | editar código-fonte]

Dave Mustaine atribuiu mais tarde a toda a banda os créditos de Youthanasia, como um tributo ao sucesso do grupo durante aquele período.

Youthanasia foi editado a 1 de Novembro de 1994 pela Capitol Records.[12] Foi um sucesso comercial, estreando-se com o pico máximo na quarta posição na tabela Billboard 200, com mais de 143,000 unidades vendidas na primeira semana.[16] Um pouco abaixo da posição máxima do seu antecessor, Countdown to Extinction, que conseguiu a segunda posição em 1992.[17] Várias semanas após o lançamento, foi certificado com platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) por ter editado mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos.[18] O álbum também conseguiu entrar nos dez primeiros lugares no Reino Unido,[19] bem como noutros países.[20] Acabou por receber eventualmente a certificação de platina pela Music Canada e o prémio de prata da British Phonographic Industry (BPI), por ter editado 100 000 e 60 000 cópias respectivamente.[21][22] Uma reedição remisturada e melhorada que inclui faixas bónus e várias notas, foi lançada a 27 de julho de 2004.[23]

Foram retirados três singles de Youthanasia: "Reckoning Day",[24] "Train of Consequences" e "A Tout le Monde".[14] "A Tout le Monde" foi mais tarde regravado com Cristina Scabbia, vocalista de Lacuna Coil, com o título "À Tout le Monde (Set Me Free)". Esta versão foi mais tarde editada como single, e incluída no álbum United Abominations em 2007.[25] Tanto "Train of Consequences" como "A Tout le Monde" entraram na tabela Mainstream Rock Tracks.[17]

Megadeth fizeram uma digressão extensa para suportar Youthanasia. Começaram em Novembro de 1994, com espectáculos na América do Sul.[26] Continuaram em 1995, com várias bandas de suporte como Korn, Flotsam and Jetsam e Fear Factory.[27] Durante este período a banda também visitou a Europa, onde ficaram oito semanas. David Ellefson partilhou as suas impressões ao interpretar em frente aos fãs europeus: "Até agora, o público tem sido muito bom e parece que o heavy metal, e especialmente Megadeth, está na linha da frente da música na Europa. Parece que o público é agora melhor do que nunca".[4] A digressão mundial terminou em Setembro de 1995, com a banda a tocar no festival Monsters Of Rock na América do Sul, juntamente com Ozzy Osbourne e Alice Cooper como atracções principais.[26]

Numa entrevista ao Hard Rock Examiner, Dave Mustaine revelou a possibilidade "muito grande" de Megadeth vir a tocar o álbum na integra em 2014, em homenagem aos 20 anos de aniversário do lançamento de Youthanasia.[28] Durante o ano de 2014, vários promotores de concertos falsamente publicitaram a possibilidade de um espectáculo de "20 Anos de Youthanasia". Mustaine no entanto dirigiu-se aos fãs através do Facebook prometendo que a banda iria tentar tocar o mais possível do álbum, mas sem prometer tocá-lo na integra. "Dependendo do tempo que temos para o concerto em Santiago, iremos depois decidir a lista de canções a tocar. Se for cerca de 75 minutos (o que penso que seja), podem ter a certeza que iremos tocar o maior numero possível de canções de Youthanasia. Descansem que estamos conscientes do rumor, mas fizemos alguma coisa, e sejam quais forem as canções que tocarmos, iremos sempre dar o nosso melhor para vocês."[29][30]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3 de 5 estrelas.[12]
Entertainment Weekly B−[31]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.[10]
Metal Forces 7.5/10[32]
Q 4 de 5 estrelas.[9]
The Rolling Stone Album Guide 3 de 5 estrelas.[33]
Sputnikmusic 4/5[11]

O álbum recebeu críticas positivas na altura do lançamento. Stephen Thomas Erlewine, analisou-o para o site Allmusic, comentando que, falta-lhe foco se comparado com Countdown to Extinction. No entanto, Erlewine sugere que a produção do álbum compensa esse facto, visto ser mais acessível e "amiga da rádio". Também fala em favor de "Train of Consequences", chamando à música "riffs martelados".[12] Mike Stagno do Sputnikmusic analisou Youthanasia positivamente, fazendo notar que tal como o antecessor, foi um afastamento distinto do som ouvido em Rust in Peace (1990). Stagno sugere que a falta de um ritmo rápido é compensado pelas faixas que facilmente são lembradas.[11]

Numa crítica contemporânea, a revista Q deu ao álbum quatro em cinco estrelas refere que Youthanasia tem "maior profundidade e amplitude do que os seus antecessores".[9] Tom Sinclair da Entertainment Weekly, deu a classificação B-, e com uma análise curta diz que Youthanasia pode "impressionar, mas sem impacto."[31] Neil Arnold da Metal Forces chamou ao álbum "o verdadeiro e último opus de Megadeth, antes da crise até final da década de '90". Também refere que é "pálido em comparação com os registos clássicos de Megadeth" mas ainda mantém a banda "no seu elemento".[32] Paul Corio, numa análise retrospectiva da Rolling Stone, escreveu que o álbum tem música "metal-máquina" e que está "calibrada para matar". Deu especial ênfase às faixas "Elysian Fields" e "Victory", como exemplos de Mustaine no seu melhor.[34] Apesar da rejeição por parte de alguns fãs, Pete Prown chamou a Youthanasia "mais do que um digno sucessor" de Countdown to Extinction.[8]

Em 2014, a revista Guitar World colocou Youthanasia na sua lista dos "50 Álbuns Icónicos que Definiram 1994".[35]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por Dave Mustaine, excepto onde anotado.[36] [†]

N.º Título Letra Música Duração
1. "Reckoning Day"   Dave Mustaine, David Ellefson Mustaine, Marty Friedman 4:34
2. "Train of Consequences"       3:26
3. "Addicted to Chaos"       5:26
4. "A Tout le Monde"       4:28
5. "Elysian Fields"   Mustaine, Ellefson   4:03
6. "The Killing Road"       3:57
7. "Blood of Heroes"       3:57
8. "Family Tree"     Mustaine, Ellefson, Nick Menza 4:07
9. "Youthanasia"       4:09
10. "I Thought I Knew It All"     Mustaine, Friedman, Ellefson, Menza 3:44
11. "Black Curtains"     Mustaine, Friedman 3:39
12. "Victory"       4:27
Duração total:
49:57

† Na reedição de 2004, Dave Mustaine refere que todas as canções foram compostas por Ellefson/Friedman/Menza/Mustaine.[2]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Créditos foram retirados das notas do álbum.[2][36]

Megadeth
Músicos adicionais
  • Jimmie Wood – harmónica em "Train of Consequences" e "Elysian Fields"
Produção
  • Produzido e misturado por Max Norman e Dave Mustaine
  • Engenheiro de áudio e assistente – Mike Tacci
  • Segundo assistente e técnico de bateria – Bruce Jacoby
  • Técnico de guitarra – Michael Kaye
  • Master tape por Bob Ludwig
Reedição de 2004
  • Produzido por Dave Mustaine
  • Misturado por Ralph Patlan e Dave Mustaine
  • Engenharia por Ralph Patlan com Lance Dean
  • Edição por Lance Dean e Scott "Sarge" Harrison com Bo Caldwell
  • Master tape por Tom Baker

Tabelas e certificações[editar | editar código-fonte]

Honras[editar | editar código-fonte]

Publicação Honra Ano Posição
Guitar World Superunknown: 50 Iconic Albums That Defined 1994[35] 2014 *
Metal Hammer Albums of the Year[41] 1994 8
RAW Albums of the Year[42] 1994 17

Referências

  1. Stephen Thomas Erlewine. «Megadeth - Biography». AllMusic. Consultado em 18 de setembro de 2013 
  2. a b c d Youthanasia liner notes (2004 remaster). [S.l.]: Capitol Records. 2004. pp. 2, 24–25 
  3. a b Rene, Sheila. «"Sodom and Gomorra" - 1995 Dave Mustaine interview archived at The Realms of Deth». Rockmetal.pl. Consultado em 8 de março de 2013 
  4. a b «Megadeth Conquers Globe». Megadeth CyberArmy. Rockmetal.art.pl. 1995. Consultado em 16 de setembro de 2013 
  5. a b P.J. Merkle (Maio de 1995). «Megadeth: Bewitched, Bothered and Bewildered». Hit Parader. Rockmetal.art.pl. Consultado em 16 de setembro de 2013 
  6. «Megadeth Trash Pantera». MTV. 4 de novembro de 2002. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  7. Verna, Paul; Cronin, Peter (26 de novembro de 1994). «Album Reviews». Billboard. p. 100. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  8. a b Prown, Pete; Newquist, Harvey P. (26 de novembro de 1994). Legends of Rock Guitar: The Essential Reference of Rock's Greatest Guitarists. [S.l.]: Hal Leonard Corporation. 227 páginas. ISBN 0-7935-4042-9. Consultado em 4 de setembro de 2013  Verifique data em: |ano= / |data= mismatch (ajuda)
  9. a b c «Megadeth - Youthanasia CD Album». Q. CD Universe. Consultado em 11 de novembro de 2012 
  10. a b Masuo, Sandy (30 de outubro de 1994). «In Brief: *** Megadeth, "Youthanasia," Capitol.». Los Angeles Times. Consultado em 12 de novembro de 2013 
  11. a b c Mike Stagno (15-11- 2006). «Megadeth - Youthanasia (staff reviews)». Sputnikmusic. Consultado em 3 de março de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. a b c d Stephen Thomas Erlewine. «Youthanasia - Megadeth». AllMusic. Consultado em 3 de março de 2012 
  13. Chris Ayers (Março de 2005). «Megadeth: Remixed and Remastered Series». Exclaim!. Consultado em 1 de outubro de 2013 
  14. a b «Youthanasia (1994)». Megadeth.com. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  15. Gary James. «Marty Friedman - Megadeth». Famous Interview.com. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  16. Keith Caulfield (12 de junho de 2013). «Queens Of The Stone Age Get First No. 1 Album On Billboard 200». Billboard. Consultado em 28 de setembro de 2013 
  17. a b c d e «Megadeth - Awards». AllMusic. Consultado em 24 de fevereiro de 2013 
  18. a b «RIAA Gold and Platinum Database Search». Recording Industry Association of America. Consultado em 24 de setembro de 2009 
  19. a b c «Chart Stats - Megadeth». Chart Stats. Consultado em 24 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  20. a b c d e f g h «Megadeth - Youthanasia». swedishcharts.com. Consultado em 28 de agosto de 2013 
  21. a b «Canadian album certifications – Megadeth – Youthanasia». Music Canada. Consultado em 5 de setembro de 2013 
  22. a b «BPI Certifications and Awards». British Phonographic Industry. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  23. «Megadeth: Complete Reissue Details Revealed». Blabbermouth.net. 5 de julho de 2004. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  24. «Megadeth Discography: Singles & EPs». Discogs. Consultado em 4 de abril de 2014 
  25. «Megadeth: "A Tout Le Monde (Set Me Free)" Video Posted Online». Blabbermouth.net. Roadrunner Records. 19 de abril de 2007. Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  26. a b «History». Megadeth.com. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  27. «The Killing Road - A History Of Megadeth's Opening Acts». Roadrunner Records. 8 de fevereiro de 2012. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  28. Elliot Levin (3 de outubro de 2013). «Mustaine Says There Is A "Very Big Chance" Megadeth Will Perform Entire Youthanasia Album». Examiner. Blabbermouth.net. Consultado em 4 de outubro de 2013 
  29. «MEGADETH's DAVE MUSTAINE Addresses Rumors That Band Is Doing 'Youthanasia' 20th-Anniversary Tour». Blabbermouth.net. 26 de abril de 2014. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  30. Greg Kennelty (29 de abril de 2014). «Promoters Falsly Advertise MEGADETH Youthanasia Anniversary Tour, DAVE MUSTAINE Readjusts Set To Accomodate Fans». Metal Injection. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  31. a b Tom Sinclair (4 de novembro de 1994). «Music Review: "Youthanasia Review"». Entertainment Weekly. Consultado em 11 de novembro de 2012 
  32. a b Arnold, Neil. «Megadeth: Youthanasia». Metal Forces. Consultado em 8 de agosto de 2013 
  33. Brackett, Nathan; Christian Hoard (2004). The Rolling Stone Album Guide. Nova Iorque: Simon and Schuster. p. 534. ISBN 0-7432-0169-8 
  34. Corio, Paul (1 de outubro de 2007). «Megadeth - Youthanasia: Album Review». Rolling Stone. p. 173. Consultado em 11 de novembro de 2012 
  35. a b Jackson Maxwell (16 de julho de 2014). «Superunknown: 50 Iconic Albums That Defined 1994». Guitar World. Consultado em 30 de julho de 2014 
  36. a b Youthanasia liner notes (edição de 1994). [S.l.]: Capitol Records. 1994. pp. 2, 5, 7–8, 11–12, 14, 16, 18–20 
  37. «Top 100 Albums» (DjVu). RPM. 60 (17). Library and Archives Canada. 14 de novembro de 1994. Consultado em 7 de março de 2013 
  38. «Chartverfolgung / Megadeth / Longplay» (em alemão). PhonoNet. Consultado em 7 de março de 2013 
  39. «メガデス-ORICON STYLE ミュージック» (em japonês). Oricon. Consultado em 7 de março de 2013 
  40. a b «Certificações (Finlândia) (álbum) – Megadeth – Youthanasia». Musiikkituottajat. Consultado em 7 de abril de 2014 
  41. «Metal Hammer - Metal Hammer Albums of 1994». RocklistMusic. Consultado em 5 de setembro de 2014 
  42. «RAW Magazine Albums Of The Year 1992 - 1995». RocklistMusic. Consultado em 5 de setembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]