Abandono de animais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O abandono de animais, além de ser uma grave violação dos direitos animais, gera inúmeros problemas de segurança e saúde pública nos grandes centros urbanos.

O abandono de animais, em especial os animais domésticos como cães e gatos, é um problema que afeta de maneira cada vez mais os grandes centros urbanos ao redor do mundo, principalmente no ocidente, por exemplo, que no caso da cidade de São Paulo são por vezes recolhidos pela Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, uma associação civil atuando há 15 anos e formalmente constituída no ano de 2000. Somente no ano de 2002 foram recebidos 2.500 animais encaminhados pela Polícia Ambiental e Ibama, o que representa 12% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo, e no ano de 2003 cerca de 2.400 animais, o que representa 13% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo.[1] No caso dos cães e gatos, eles são frequentemente recolhidos para os centros de zoonoses, onde ficam alojados por um breve número de dias antes de serem sacrificados. A respeito dessa prática que fere os direitos animais, o Instituto Nina Rosa produziu um vídeo educativo intitulado Fulaninho, que relata a vivência de um cãozinho abandonado. O vídeo é dirigido a crianças e adolescentes e aborda o tema da posse responsável dos animais de estimação.

Causas de Abandono[editar | editar código-fonte]

Cães[editar | editar código-fonte]

18,5% Suja a casa
12,6% Destrutivo fora de casa
12,1% Agressivo com pessoas
11,6% Tem o vício de fugir de casa
11,4% Activo demais
10,9% Requer muita atenção
10,7% Late ou uiva muito
9,7% Morde
20,0% Destrutivo dentro de casa
9,0% Desobediente
  • Pesquisa feita nos EUA em 12 abrigos, envolvendo 1.984 cães e 1.286 gatos. As somas passam de 100% porque um dono pode ter alegado mais de um motivo para abandonar seu animal. Apud: Revista da FOLHA de 7 de janeiro de 2007

Gatos[editar | editar código-fonte]

37,7% Suja a casa
11,4% Destrutivo fora de casa
16,9% Agressivo com pessoas
8,0% Não se adapta com outros animais
9,0% Morde
6,9% Requer muita atenção
14,6% Destrutivo dentro de casa
4,6% Eutanásia por motivos de comportamento
6,9% Não amistoso
4,6% Activo demais
  • Fonte: Revista veterinária "Journal of Applied Animal Welfare Science". Apud: Revista da FOLHA de 7 de janeiro de 2007

Referências

  1. Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos. Página visitada em 22 de outubro de 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]