Adolf Jellinek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adolf Jellinek
Nascimento 26 de junho de 1821
Drslavice, perto de Uherské Hradiště
Morte 29 de dezembro de 1893 (72 anos)
Viena
Nacionalidade Áustria austríaco
Ocupação Rabino

Adolf (Aaron) Jellinek (em hebraico: אהרן ילינק Aharon Jelinek, Drslavice, perto de Uherské Hradiště, Morávia (atual República Tcheca), 26 de junho de 1821 - Viena, 29 de dezembro de 1893) foi um rabino e erudito austríaco. Após ocupar postos clericais em Leipzig (1845 - 1856), tornou-se sacerdote na Leopoldstädter Tempel em Viena, em 1856.

Família[editar | editar código-fonte]

Adolf Jellinek foi casado com Rosalie Bettelheim (Budapeste, 1832 - Baden bei Wien, 1892). Seu filho mais velho, Georg Jellinek, foi nomeado professor de Direito internacional na Universidade de Heidelberg em 1891. Seu outro filho, Max Hermann Jellinek (1868-1938), foi professor assistente de Filologia alemã na Universidade de Viena, em 1892, tornou-se um professor associado em 1900 e professor pleno de 1900 até 1934, e a partir de 1919 também um membro da Academia Austríaca de Ciências (Österreichische Akademie der Wissenschaften)[1] Um terceiro filho Emil Jellinek (1853-1918), foi um rico empresário na Riviera Francesa, e mais tarde, como cônsul austríaco em Mônaco, costumava usar como pseudônimo o nome de sua filha Mercedes, quando praticava seu divertimento predileto, corrida de automóveis. Sua associação nos negócios com a Daimler-Motoren-Gesellschaft tornou-se tão intensa, que o novo modelo que encomendou foi chamado de Mercedes, e em 1903 Emil Jellinek mudou seu sobrenome para Jellinek-Mercedes, e comentou: - "provavelmente é a primeira vez que um pai leva o nome de sua filha".[2]

Um irmão de Adolf, Hermann Jellinek (nascido em 1823), foi executado aos 26 anos de idade por ter-se associado ao movimento nacional húngaro de 1848. Um dos trabalhos mais conhecidos de Hermann Jellinek foi Uriel Acosta. Um outro irmão, Moritz Jellinek (1823-1883), foi um bem-sucedido economista, e contribuiu para a Academia de Ciências com ensaios sobre o preço dos cereais e a organização estatística do país. Fundou a companhia de bondes de Budapeste (1864) e foi também presidente da bolsa do milho.

Vida[editar | editar código-fonte]

Adolf Jellinek por volta de 1860

Após frequentar a yeshivá em Prostějov, Adolf Jellinek estudou filosofia oriental e talmúdica na Universidade de Praga e a partir de 1842, na Universidade de Leipzig, e em 1845 tornou-se sacerdote na nova sinagoga de Leipzig. Em 1856, foi transferido para Viena, inicialmente para a Leopoldstädter Tempel e a partir de 1865, no Stadttempel (Templo ou Sinagoga da Cidade), a principal sinagoga de Viena, e também dirigiu a Beth midrash ("casa de estudos"), fundada por ele, uma academia para a ciência talmúdica, onde realizou palestras públicas, juntamente com Isaac Hirsch Weiss e Meir Friedmann.

Ainda no tempo em que morou em Leipzig, fundou juntamente com clérigos cristãos, a Kirchlichen Verein für alle Religionsbekenntnisse (Associação da igreja para todas as religiões), que era acessível a todas as denominações, a qual ele representaria, como delegado, no Parlamento de Frankfurt de 1848, não fosse o Ministro da Educação Saxã ter vetado. Apesar de ter rejeitado as ideias radicais revolucionárias de seu irmão Hermann, sempre acolheu com entusiasmo as liberdades que a revolução trouxe em 1848. Em 1867, escreveu um Elogio ao imperador sumariamente fuzilado, Maximiliano do México, onde fez uma clara alusão ao semelhante tratamento dado a seu irmão por um tribunal militar, e apelou para a abolição da pena de morte para ações políticas e por uma reforma do processo judicial. Como um meio para divulgar o seu ponto de vista político, lançou um jornal próprio chamado Neuzeit, publicado regularmente a partir de 1882.

Contra o crescente antissemitismo, empregou muita energia na apologética. Considerava-se um completo alemão e chegou até mesmo a presidir a "Associação para a proteção dos interesses alemães na fronteira oriental",[3] que teve o apoio para a tarefa dos alemães residentes nos países eslavos. Como muitos dos rabinos reformistas de sua época, considerava os judeus não como uma nação. Sua determinação era a de dedicar-se à sua pátria europeia, enquanto cumpria com os objetivos do judaísmo religioso. "Sião" era um símbolo da salvação final de todos os seres humanos. Jellinek, assim como a maioria dos integrados judeus alemães, considerava o surgimento do nacionalismo judeu e as ideias sionistas de Leo Pinsker, em resposta ao antissemitismo, algo muito negativo. Jellinek, pessoalmente, fez apenas declarações na direção moderadamente liberal, uma vez que tanto ele como o líder ortodoxo judeu, Salomão Benjamin Spitzer, tinham atitudes bastante conciliadoras, a fim de evitarem uma divisão da comunidade.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Adolf Jellinek foi provavelmente o maior pregador de seu tempo. Cerca de 200 dos seus brilhantes e originais sermões foram publicados, alguns traduzidos para o hebraico e outras línguas. Cientificamente, foi atuante em muitas áreas. Foi um dos poucos a ocupar-se com o estudo da Cabala, sendo os frutos de seus estudos:

  • Adolphe Franck, Le Cabbale tradução (Adolphe Francks Werk über die Kabbala, 1844)
  • Beiträge zur Geschichte der Kabbala (1851-52) [4] )
  • Moses ben Schem-Tob de Leon (1851)
  • Tomás de Aquino in der juedischen Literatur (1853) e
  • Philosophie und Kabbala (1854)
  • Auswahl kabbalistischer Mystik (1852)
  • Abraham Abulafias ‚Sefer ha-ot‘ (1887)

Escritos em Leipzig:

  • Sefat Chachamim, oder Erklärung der in den Talmuden etc. vorkommenden persischen und arabischen Wörter (Leipzig 1846, Adenda 1847) em L. Benjacob: Devarim Attikim; editado
  • Menahem de Lonsanos‚ Ma'arikh‘ (1853),um dicionário de palavras estrangeiras no Talmude, Midrash e Zohar (1853);
  • uma introdução à Bachjas;
  • Chovot ha-Levavot („Herzenspflichten“), Leipzig 1846;
  • Ausgaben der religiösen Gedichte de Salomão Ibn Gabirol

Em Viena, sua principal obra foi a publicação de 99 antigos e quase desconhecidos midrashim, como:

  • Beit ha-Midrash, 6 volumes, Leipzig 1853–1878, muitos deles como, por exemplo, Heikhalot Rabbati mostraram-se de grande importância para o estudo da Cabala.

Em uma série de publicações menores de 1877 a 1889, Jellinek trata de temas históricos, filosóficos, talmúdicos e bíblicos, tais como os massacres durante a Primeira Cruzada, a Disputa de Barcelona em 1263 ou comentaristas talmúdicos como Maimônides. Outras publicações deste período são:

  • Judah Messer Leons‚ Nofet Ẓufim‘ (1863);
  • Solomon Alamis‚ Iggeret Musar‘ (1872), Worms-Wien 1880; e
  • Der jüdische Stamm in nichtjüdischen Sprichwörern, 3 volumes, 1882-1886.

Referências

  1. IGL 1800-1950. p.844.
  2. Mercedes-Benz Austria.
  3. Gershom Sholem e Meir Lamed. Adolf Jellinek.
  4. 2 manuais, reimpresso na Arno Press, Nova Iorque 1980, ISBN 0-405-12264-0

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Leon Botstein: Judentum und Modernität : Essays zur Rolle der Juden in der deutschen und österreichischen Kultur, 1848 bis 1938, Böhlau, Viena 1991
  • Adolf Brüll: Jellinek, Adolf. Em: Allgemeine Deutsche Biographie (ADB). Volume 50. Duncker & Humblot, Leipzig 1905, S. 647–649.
  • Joseph Fraenkel (Hrsg.):Jews of Vienna. Londres 1967
  • Hugo Gold: Geschichte der Juden in Wien. Olamenu Publ., Tel-Aviv, 1966
  • Wolfgang Häusler: Das Judentum im Revolutionsjahr 1848. (= Studia Judaica Austriaca; 1). Herold-Verlag, Viena e Munique 1974
  • Joseph Alexander Frh. von Helfert: Von den sogenannten religiösen Schwärmern in Böhmen und Mähren zur Zeit Josephs II. Em: Zeitung des Museums des böhmischen Königreiches, Jg. 51 (1871) S 201-227, 533-557
  • Isaak Markus Jost: Adolf Jellinek und die Kabbala . Colditz, Leipzig 1852
  • Israel Philipp: Jellinek, Adolf (Aaron). Em: Neue Deutsche Biographie (NDB). Volume 10. Duncker & Humblot, Berlim 1974, S. 391.
  • Marsha L. Rozenblit: Die Juden Wiens. Assimilation und Identität. Em: Leo Baeck Institute Year Book 35, Londres 1990, S. 103–131.
  • Adam Weyer: Jellinek, Adolf. Em: Biographisch-Bibliographisches Kirchenlexikon (BBKL). Volume 3, Herzberg 1992, ISBN 3-88309-035-2, Sp. 22–23.
  • Adolf Jellinek, em: Cyrus Adler, Isidore Singer u. a. (Hrsg.): Jewish encyclopedia. Funk and Wagnalls, Nova Iorque 1901-1906. Volume 7
  • Jellinek, Adolf (Aaron). Em: Österreichisches Biographisches Lexikon 1815–1950 (ÖBL). Volume 3, Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschaften, Viena 1965, S. 100 f. (Direktlinks auf S. 100, S. 101)
  • Encyclopaedia Judaica. 22 Volumes 2. Aufl. Macmillan, Nova Iorque 2006, ISBN 978-0-02-865928-2, E-Book ISBN 978-0-02-866097-4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]