Alterosa Esporte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Alterosa Esporte
Informação geral
Formato Telejornal
Duração 45 minutos aprox.
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Apresentador(es) Leopoldo Siqueira
Elenco Vibrantinho
Otávio di Toledo
Dadá Maravilha
Jair Bala
Neuber Soares
Bolivar
Dudu
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil TV Alterosa
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 1997 - presente

Alterosa Esporte é um programa esportivo de Minas Gerais, apresentado por Leopoldo Siqueira na TV Alterosa de segunda à sexta-feira no horário do almoço.

O programa começou a ser exibido em 1997, com a apresentação de Rogério Corrêa (Hoje na TV Globo) com a bancada democrática, formada na época por Carlos Cruz (Atlético), Otávio di Toledo (América) e Neuber Soares (Cruzeiro). Leopoldo Siqueira era o repórter.

Atualmente a bancada é formada pelo Vibrantinho (cruzeirense), Otávio di Toledo (americano) e o Dadá Maravilha (atleticano) e tendo ainda Jair Bala (americano) e Fred Bolivar (atleticano).

A História[editar | editar código-fonte]

Em 1996, com o fim do jornalístico Aqui Agora, a equipe do extinto programa (Péricles de Souza, Leopoldo Siqueira, Rogério Corrêa, Andréa Zagury, Regina Campos, Vânia Turce, com a participação de Robson Leite, entre outros) se reuniu e criou dois novos produtos para a TV Alterosa. O primeiro: "Alterosa Comunidade", aprovado pela diretoria, mas vetado em seguida por causa das pesadas exigências de produção. O segundo: "Alterosa Esporte". A proposta inicial foi a de reunir chefes de torcidas como representantes dos clubes. O piloto foi um sucesso mas o então diretor, Ricardo Massara, achou temerosa a proposta. Num primeiro momento o Alterosa Esporte foi para a geladeira, para ser repensado. Neste intervalo a equipe do AA acabou remanejada para outras funções.

Coube ao jornalista Rogério Corrêa apresentar um apêndice esportivo dentro do Jornal da Alterosa. Os resultados foram tão bons que ele acabou convidado a apresentar, enfim, o novo conceito de esportivo da emissora. Saiu do forno, em 1997, o Alterosa Esporte. Ainda sem a presença dos representantes das maiores torcidas de Minas. A ideia seria ressuscitar uma antiga atração dos tempos da TV Itacolomi, onde torcedores comentavam a rodada esportiva. O programa, aos poucos, adotaria um espírito despojado, levando para a televisão mineira a irreverência das ruas, muito forte na cultura esportiva local. Esse conceito, diferenciado, fae o programa ganhar evidência junto aos telespectadores e diversos testes com com profissionais de imprensa, quase todos dos Diários Associados, foram realizados para encontrar aqueles que mais se adequassem ao estilo proposto. O jornalista Antônio Melane e o narrador Jorge Luis foram pioneiros nessas primeiras formações, mas não permanecem. A emissora seguiu em busca de uma equipe ideal, um grupo de jornalistas/torcedores, bem articulados, que pudesse representar os anseios de seus pares na TV, democraticamente. Encontrá-los deuinício à era da "Bancada Democrática".

O jornalista Otávio di Toledo é o jornalista/torcedor mais antigo da equipe, fazendo o papel de representante do América Mineiro desde a estreia da bancada em meados de 1997. O jeito interiorano, matreiro, perspicaz, associado a uma vivência no esporte pelos tempos em que foi atleta, encaixou-se muito bem no contexto da atração. O colega de Diário da Tarde Neuber Soares firmou-se como representante do Cruzeiro, com um jeito muito peculiar de expor seus pensamentos. Neuber, repórter policial de origem, consegue conciliar visão crítica com a alma de torcedor que recomenda o posto, sempre com uma dose a mais de sarcasmo que lhe garante tanto a antipatia dos atleticanos como a simpatia dos cruzeirenses. Postura semelhante a do jornalista Carlos Cruz, que ocupa o posto de atleticano da bancada nos primeiros anos, embora sem o mesmo traquejo para a irreverência. Foi substituído pelo ex-jogador Dadá Maravilha, em 1998. Dario estava morando de favor nos dormitórios do Mineirinho e sua entrada no programa foi preciosa, tanto para o Ibope do Alterosa Esporte quanto para sua vida particular. O carisma e alegria dele foram responsáveis diretos pela ascensão da audiência. Ele "inventou" um dos alicerces da atração: infoemação com bom humor

O Sucesso[editar | editar código-fonte]

Os anos seguintes são extremamente positivos para a programação esportiva em Minas. Em 1998, o Cruzeiro chega às finais do campeonato brasileiro. Em 1999, é a vez do Atlético. A rivalidade de atleticanos e cruzeirenses ganha cada vez mais ressonância na TV. O Alterosa Esporte rapidamente chega à liderança da audiência, obrigando a Rede Globo Minas a mudar. Ela, que antes seguia os passos da matriz carioca, passa a dar mais evidência ao futebol regional. Os protagonistas do programa ganham prestígio. Toledo emplaca o projeto de um programa regional itinerante, mostrando as belezas do interior de Minas - nasce o Viação Cipó, num momento em que a TV Alterosa amplia sua marca institucional para todo o estado. O Jornal da Alterosa com Benny Cohen e Laura Lima também é líder de audiência. Os bons resultados da emissora chamam a atenção da mídia em todo país e a Alterosa é case de comunicação para acadêmicos e o mercado. Seus profissionais começam a sofrer assédio de outros canais. Em 2000, diante de uma proposta de salário superior, o apresentador Rogério Corrêa deixa o programa, para fazer parte do ambicioso projeto de esportes da rede PSN, com sede nos EUA.

Leopoldo Siqueira, antes repórter, assume o comando e o Alterosa Esporte prossegue em sua trajetória de êxito junto ao público mineiro. As participações de Adriana Spinelli na reportagem dão a medida de uma cobertura esportiva bem-humorada e inteligente - é a fase áurea do programa, que chega a dar mais de 20 pontos no Ibope. Gota dágua para a Globo. Em 2001, surge a primeira investida para barrar esse crescimento: Dadá Maravilha deixa a bancada democrática, por conta de uma proposta salarial superior da concorrente, aliada a uma falsa promessa de ser levado para a Copa do Mundo da Alemanha como comentarista. Para o lugar dele é convocado o radialista paranaense, radicado em BH, Dudu Schechtel, que sai da quase desconhecida Rede Super, emissora de televisão por assinatura da capital mineira, para se tornar ídolo atleticano na TV aberta. Conhecido do público por criar, em 1995, e comandar o programa Graffite - hoje na rádio 98 FM, o carismático Dudu, sempre muito sincero sobre seus sentimentos em relação ao Galo, cria uma empatia poderosa com o público. Sua epontaneidade não só conquista as "viúvas" de Dadá, como também consegue agradar os adversários. Por essas e outras, a ofensiva global não dá certo: o Alterosa Esporte permanece líder, forçando a emissora a modificar novamente suas estratégias para cobertura esportiva em Minas. O Globo Esporte regional chega a contar com uma bancada de torcedores durante alguns meses, adaptando para suas características o conceito vencedor da TV Alterosa.

Movimento nos bastidores[editar | editar código-fonte]

No início de 2004, Neuber Soares, com aspirações políticas, entra em conflito com a direção dos Associados e deixa a bancada. Em seu lugar surge o empresário Marcelo Solmucci, que não é bem recebido pela audiência. O programa investe em Ivan Pinto, neto do radialista e cruzeirense histórico Aldair Pinto, que também não dá certo. No posto azul, estabelece-se o representante comercial e empresário Artur Rodrigues, o Vibrantinho, filho do locutor esportivo Alberto Rodrigues, substituto ocasional desde o tempo de Neuber. Vibrantinho, por não se revelar uma unanimidade entre os torcedores que representa, permanece na bancada por apenas um ano e meio, dando lugar ao ex-jogador de futsal Serginho. No início de 2007, Dudu, que já tem seu programa próprio na TV Alterosa, o 'Grafitte', e alegando desgaste interno, deixa a bancada. Dá lugar ao ex-jogador e ídolo do Atlético Mineiro, Reinaldo, que não se adapta ao formato do programa, abrindo vaga para o atleticano e falanteadvogado Frederico Bolivar.

Quando os titulares têm que cumprir outros compromissos, o programa conta com substitutos eventuais. O relações públicas Bruno Tostes vestiu a camisa do Atlético em várias ocasiões. Jair Bala, ídolo máximo da torcida do América Mineiro, é o nem semprebem humorado americano de plantão. A posição fora ocupada várias vezes por outro torcedor do clube, Evandro Mastrogiovanni, que faleceu em 2006. Com a ascensão do Ipatinga no futebol regional após duas finais estaduais, uma bancada eventual tem Rodrigo Lima como representante do time do Vale do Aço. Outros torcedores do interior de Minas também já marcam presença, mas Rodrigo é o mais frequente.

Os desgastes[editar | editar código-fonte]

Após anos de sucesso, a TV Alterosa passa a sofrer diversos desgastes. O crescimento da Rede Record em todo o país interfere diretamente nos resultados do SBT, atingindo em cheio sua afiliada em Minas. Atuando no mesmo seguimento popular e contando com o caixa da Igreja Universal do Reino de Deus, a Record Minas assedia profissionais da Alterosa a partir de 2006. Os repórteres Patrícia Costa e Carlos Viana, além do apresentador André Vasconcellos, acabam mudando de emissora. A má-fase do canal de Silvio Santos reflete nos índices de audiência regionais. As duas empresas chegam a cogitar uma mudança de bandeira, com a Alterosa recebendo uma proposta alta para retransmitir o sinal da Record em Minas. A negociação não vai adiante, mas os gestores da rede evangélica permanecem causando grande estrago no mercado. Inflacionam os direitos de transmissão dos principais campeonatos regionais de futebol, numa tentativa de se estabelecer como referência esportiva. Em Minas, são contratados Dadá e Neuber para o projeto, que fracassa.

Enquanto isso, no Alterosa Esporte,fragilizado pelo fraco desempenho do SBT, uma crise extra se dá nos bastidores: em 2008, os representantes do Atlético e Cruzeiro, Bolivar e Serginho, se envolvem em uma discussão em pleno estádio do Mineirão durante a transmissão de um clássico pela internet - algo que destoa do espírito bem-humorado e pacífico sempre associado ao programa. Os dois acabam afastados pela direção.[1] . Durante pouco mais de um mês, o programa abandona o formato da "Bancada Democrática", contando com a participação de ex-jogadores como Evaldo, Paulo Roberto Prestes e também de jornalistas dos Diários Associados.

Época atual[editar | editar código-fonte]

No final de maio de 2008, atendendo a pedidos do público, volta a "Bancada Democrática", permanecendo Otávio di Toledo como representante do América, Dudu como representante do Atlético e o músico Ronald Bauxita, da banda Código B, como torcedor do Cruzeiro. A direção aposta que Bauxita e Dudu, amigos de longa data, trarão de volta um espírito de paz. Os problemas, no entanto, não cessam. Menos de um ano depois, Bauxita, após um novo incidente na internet (que pesou ainda mais sobre uma avaliação negativa dos dirigentes da emissora sobre ele), deixa o programa. Dudu, após o fim de seu programa próprio de TV, alegando nov desgaste, pede demissão.

Desde maio de 2009, a TV Alterosa tenta reparar a imagem do programa após tantos problemas de bastidores, buscando resgatar o espírito irreverente do Alterosa Esporte, grande responsável pelo seu sucesso junto aos telespectadores em MG. Para isso, traz de volta Dadá Maravilha (com Frederico Bolivar fazendo suas folgas) e Vibrantinho (com Neuber Soares cobrindo suas ausências), mantendo Otavio di Toledo (com seu substituto Jair Bala) e o apresentador/editor-responsável Leopoldo Siqueira como equipe fixa.

Em 2011, com Ricardo Carlini na gerência de jornalismo e Rodrigo Scoralick na gerência de programação, o programa ganha ainda reforços na produção com o coordenador Robson Leite, além de Fernanda Pádua, Hélcio Mendes e Pascoal Monteiro (2013). Na externa, conta com a experiência de Péricles de Souza , veterano na cobertura esportiva; Samuel Venâncio, que atua como videorrepórter, Isabel Guimarães, Sonia Mineiro, os repórteres cinematográficos Vanderci Orozimbo, Amir Martins e José Geraldo da Silva, além de eventuais colaboradores. O programa volta a atendera vocação do bom-humor associado à informação esportiva de qualidade. Retoma o caminho de campeão de audiência da emissora em Minas.

Em 2013, após um desacordo trabalhista com a direção, Neuber Soares deixa de fazer parte da Bancada. Dudu chegou a voltar ao programa, mas preferiu ser convidado eventual. Alguns humoristas mineiros marcaram presença na temporad:. Thiago Comédia (no papel de Dona Segundona desde 2012), Cristiano Junqueira (o CJ da 98FM) e Totonho (da dupla com Caju, colaboradores do AE desde a Copa de 2008 e que depois tiveram programa próprio na emissora), dentre outros.

Fechando o ano, o programa montou uma força-tarefa para a cobertura em tempo-real da Mundia de Clubes da Fifa, enviando Dadá, Bolivar, Samuel, Leopoldo e quadro técnico para Marraquesh, no Marrocos. Apesar do insucesso atleticano na competição, os números do Ibope foram extremamente positivos. Com o Atlético campeão da Libertadores e o Cruzeiro campeão Brasileiro, atração encerra o ano de 2013 ainda como a mais popular da TV Alterosa.

Quadros do programa[editar | editar código-fonte]

  • Troféu Telê Santana; Gol da rodada; Gol de ouro; Marcação Cerrada; Bolsa de craques; Gol Contra; Boca do Povo; Invadindo a Área; Abre o Jogo; Desafio da Bancada (não fixo); Caça Talentos (2009/2010); Casca Grossa (que ganharia formato próprio em 2009); Torcedor do Futuro (extinto)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.