António José de Ávila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
António José de Ávila
Duque de Ávila
António José de Ávila
Presidente do Conselho de Ministros de Reino de Portugal Portugal
(1.ª vez)
Mandato 4 de janeiro de 1868 até 22 de julho de 1868
Antecessor(a) Joaquim António de Aguiar
Sucessor(a) Marquês de Sá da Bandeira
Presidente do Conselho de Ministros de Reino de Portugal Portugal
(2.ª vez)
Mandato 29 de outubro de 1870 até 13 de setembro de 1871
Antecessor(a) Marquês de Sá da Bandeira
Sucessor(a) António Maria de Fontes Pereira de Melo
Presidente do Conselho de Ministros de Reino de Portugal Portugal
(3.ª vez)
Mandato 5 de março de 1877 até 29 de janeiro de 1878
Antecessor(a) António Maria de Fontes Pereira de Melo
Sucessor(a) António Maria de Fontes Pereira de Melo
Vida
Nascimento 8 de março de 1806
Horta, Açores, PortugueseFlag1750.png Portugal
Morte 3 de maio de 1881 (75 anos)
Lisboa, Reino de Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Progenitores Mãe: Prudenciana Joaquina Cândida de Ávila
Pai: Manuel José de Ávila
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Coimbra
Esposa Emília Hegnauer
Partido Cartista
Partido Reformista
Profissão Professor, diplomata e político
Títulos nobiliárquicos
1.º conde de Ávila 13 de fevereiro de 1864
1.º marquês de Ávila 24 de maio de 1870
1.º duque de Ávila e Bolama 14 de maio de 1878
}

António José de Ávila, conde de Ávila, depois primeiro marquês e primeiro duque de Ávila e Bolama ComNSCGCNSC (Horta, na Ilha do Faial, Açores, 8 de março de 1806Lisboa, 3 de maio de 1881), foi um político conservador do tempo da Monarquia Constitucional em Portugal. Entre outras funções, foi ministro das Finanças e, por três vezes, Presidente do Conselho de Ministros (1868, 18701871 e 18771878).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jazigo de família do Duque D'Ávila e Bolama

António José de Ávila nasceu a 8 de março de 1806, numa modestíssima habitação da Rua de Santo Elias, da freguesia da Matriz da então vila da Horta, Ilha do Faial, Açores, filho de Manuel José de Ávila, sapateiro de ascendência picoense, e de Prudenciana Joaquina Cândida, lavadeira, oriunda de famílias pobres da Matriz da Horta.

Dos dez filhos do casal, apenas quatro sobreviveram até atingir a idade adulta, o que diz das condições de vida da família. Entre os filhos que atingiram a idade adulta, António José, o futuro duque, era o rapaz mais velho, apenas precedido por sua irmã Joaquina Emerenciana (nascida em 1804). Os outros sobreviventes foram Maria do Carmo (nascida em 1815) e Manuel José, o último filho do casal (nascido em 1817).

Durante a infância de António José as condições económicas da família melhoraram substancialmente, tendo o pai enveredado pelo comércio e conseguido amealhar alguns recursos. Tanto assim é que, quando António José termina com excepcional brilho os poucos estudos então disponíveis no Faial, já o pai dispunha de meios suficientes para lhe permitir estudos fora da ilha, o que então era privilégio de poucos.

Assim, com apenas 15 anos, Ávila matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde estudou filosofia natural e os preparatórios de Matemática. Frequentou também naquela Universidade o primeiro ano de Medicina. Dos tempos de estudante não se lhe conhece qualquer militância política.

Com o início da Guerra Civil de 1832-34, regressou aos seus Açores, onde se achava o governo liberal no exílio, tornando-se um político local de grande sucesso.

Após o fim da guerra (1834), foi eleito pela primeira vez para as Cortes, pelo círculo dos Açores; durante 26 anos consecutivos, foi deputado da Nação ao Parlamento.

Em termos ideológicos, Ávila aproximou-se da facção mais conservadora dentro do liberalismo portguês, o cartismo, tornado-se oposição ao governo progressista que tomou o poder em Setembro de 1836, na sequência da Revolução de Setembro.

Com o fim dos ciclo de governos setembristas (com a subida ao poder, pela primeira vez, do cartista Joaquim António de Aguiar, em 1841), Ávila tornou-se ministro das Finanças, cargo que manteve durante os governos de Costa Cabral e do Duque da Terceira. Só com a subida ao poder de Saldanha, abandonou o governo. Em 1857, no primeiro governo do Duque de Loulé, voultou a assumir a pasta da Fazenda.

Por Alvará de Mercê Nova de 9 de Outubro de 1860, concederam-se a António José de Ávila as seguintes Armas de Ávila: esquartelado, o 1.º e o 4.º de ouro, com uma águia estendida de negro, o 2.º e o 3.º de prata, com três faixas de vermelho, acompanhadas de quatro olhos sombreados de azul, alinhados em banda; timbre: a águia do escudo.1

Quando, em 4 de janeiro de 1868, se deu a Janeirinha, que pôs termo ao governo de coligação a que presida Joaquim António de Aguiar, Ávila foi chamado a exercer as funções de presidente do Conselho.

Enquanto chefe de governo, Ávila revogou o imposto que causara a impopularidade e queda do governo anterior, mas tal agravou as dificuldades financeiras do Estado, pelo que acabaria por cair em 22 de julho do mesmo ano.

Voltaria ainda a ser ministro das Finanças, e de novo presidente do Conselho entre 29 de outubro de 1870 e 13 de setembro de 1871, altura em que foi substituído por Fontes Pereira de Melo. Foi então designado para presidir à Câmara dos Pares, em substituição do Duque de Loulé.

Em 1877, devido ao descontentamento popular, o governo Fontes caiu, e Ávila foi de novo chamado a formar governo, o qual durou dez meses, até Fontes voltar ao Poder.

No ano seguinte, foi nobilitado com o título de 1.º Duque de Ávila e Bolama, em recompensa pelos serviços prestados ao País, e como gratificação pelas negociações por si encetadas, tendo em vista a posse da ilha de Bolama, na Guiné Portuguesa, por Portugal.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Uma informação detalhada sobre a vida e a obra do Duque de Ávila e Bolama está disponível em:

  • Duque de Ávila e Bolama - Biografia, por José Miguel Sardica; Colecção Parlamento (17), Publicações Assembleia da República/Dom Quixote; Lisboa, 2005; 685 pp.

Referências

  1. "Armorial Lusitano", Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 3.ª Edição, Lisboa, 1987, p. 69
Precedido por
Joaquim António de Aguiar
Presidente do Conselho de Ministros de Portugal
(1.ª vez)
1868
(XXVIII Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
Marquês de Sá da Bandeira
Precedido por
Marquês de Sá da Bandeira
Presidente do Conselho de Ministros de Portugal
(2.ª vez)
1870 – 1871
(XXXIII Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
António Maria de Fontes Pereira de Melo
Precedido por
António Maria de Fontes Pereira de Melo
Presidente do Conselho de Ministros de Portugal
(3.ª vez)
1877 – 1878
(XXXV Governo da Monarquia Constitucional)
Sucedido por
António Maria de Fontes Pereira de Melo