Aquele Querido Mês de Agosto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aquele Querido Mês de Agosto
 Portugal
2008 • cor • 147 min 
Realização Miguel Gomes
Produção Sandro Aguilar, Thomas Ordonneau, Luís Urbano
Argumento Miguel Gomes, Mariana Ricardo, Telmo Churro
Idioma português
Direção de fotografia Rui Poças
Distribuição O Som e a Fúria
Lançamento 21 de Agosto de 2008
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Aquele querido mês de agosto (2008) é um filme português de longa-metragem de Miguel Gomes. Híbrido de documentário e ficção[1] , é uma docuficção. Pelo seu conteúdo antropológico, caracteriza-se também como etnoficção.

Co-produção portuguesa e francesa, estreia em Portugal no circuito comercial a 21 de Agosto de 2008.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Uma equipa de filmagem filma-se num meio rural do centro de Portugal (Coja, Arganil, Oliveira do Hospital, Góis e Tábua), onde se encontram emigrantes portugueses de férias, visitando a terra natal na época de verão. O ambiente é de festa, de encontros e desencontros ocasionais entre amigos e familiares.

A narrativa é constituída por acções parcelares, em locais diferentes, em sequência não linear, num contexto em que se intromete uma história inventada de amores e «relações sentimentais entre pai, filha e o primo desta, músicos numa banda de baile» do Portugal profundo. Por entre essa animada barafunda, bem típica da ruralidade portuguesa, à mistura com a tal banda, foleira, intromete-se a equipa filmando-se em busca de actores para as filmagens

Enquadramento histórico[editar | editar código-fonte]

Em suma: o filme que se faz é a consequência de um que não se fez.

Uma equipa de filmagem encontra-se na região de Arganil para fazer um filme de ficção, dispondo de fundos atribuídos pelo ICA. Imponderáveis surgem e, às tantas, o dinheiro esperado não chega. O que resta é insuficiente para cobrir os custos de um projecto exigente, que obriga à remuneração de técnicos, actores e a importantes despesas de estadia. Pára-se com tudo e voltam todos para casa?

Decidem que não, o melhor é dar-lhe a volta por cima. Com o pouco que têm, aguentam e põe-se a filmar aquilo que vêem à sua volta, deixando a ficção na gaveta. Para colmatar a frustração e afogar a tristeza, divertem-se, fazendo puro documentário. Terminada a paródia, regressam a Lisboa.

E agora? Não torcem: retiram o defunto guião da gaveta e escrevinham, enfiando a fantasia que dele resta nas pitorescas realidades trazidas das terras de Arganil, onde voltam para terminar a fita, com mais algum dinheirinho na mão. De novo em Lisboa, esmeram-se na montagem e candidatam-se ao Festival de Cannes cujo júri lhes reconhece a ousadia e selecciona o filme para a adequada secção. Não contentes com isso, chutam a obra para vários continentes, colocando-a em dezenas de festivais e em outros locais onde se estima os atrevimentos do cinema independente.[3]

Moral da história: valeu a pena. Vale sempre a pena quando se trata de erguer a ponta do véu que esconde certos encantos da arte do cinema [4] . Coisa ignorada por quem se serve do mais venal que ela tem, prostituindo-a como mercadoria. A “pureza” que dela irradia quando o seu rosto se mostra desafectado, em realidade e fantasia, em género ou estilo, há muito que é algo reconhecido. Demonstram isso Robert Flaherty ou Jean Rouch, tal como o demonstram os filmes de certos cineastas pioneiros nas volvidas décadas de sessenta e setenta, como António Reis, António Campos ou Ricardo Costa, que em 1976, não no Portugal profundo mas à beira-mar, fez convergir documentário e ficção, em expressão poética que se conjuga com a paródia, no rosto seco do poeta popular algarvio Manuel Pardal (Mau Tempo, Marés e Mudança, sua primeira docuficção).

Ficha artística[editar | editar código-fonte]

  • Sónia Bandeira
  • Fábio Oliveira
  • Joaquim Carvalho
  • Andreia Santos
  • Armando Nunes
  • Manuel Soares
  • Emmanuelle Fèvre
  • Diogo Encarnação
  • Bruno Lourenço
  • Maria Albarran
  • Nuno Mata
  • Paulo “Moleiro”
  • Acácio Garcia
  • Luís Marante

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Argumento: Miguel Gomes, Mariana Ricardo, Telmo Churro
  • Realização: Miguel Gomes
  • 1º assistente de realização: Bruno Lourenço
  • 2º assistente de realização: Catarina Ramalho
  • Director de fotografia: Rui Poças
  • Assistente de imagem: Lisa Persson
  • Director de som: Vasco Pimentel
  • Anotador: Telmo Churro
  • Decoração & guarda-roupa: Bruno Duarte
  • Assistente de decoração & guarda-roupa: Susana Moura •
  • Arranjos musicais: Mariana Ricardo
  • Montagem: Telmo Churro, Miguel Gomes
  • Montagem de som Miguel Martins, António Lopes
  • Mistura: Miguel Martins
  • Género: docuficção, etnoficção
  • Duração: 150 min.
  • Formato: 35 mm (ampliado de 16 mm), 1.66, cor, Dolby SR
  • Produtores: Luís Urbano, Sandro Aguilar
  • Chefe de produção: Patrícia Almeida
  • Coordenadora de produção: Cristina Almeida
  • Assistente de produção: Joana Vaz da Silva
  • Produção e distribuição: O Som e a Fúria
  • Ano de produção: 2008
  • Estreia em Portugal: 21 de Agosto de 2008 nos cinemas UCI - El Corte Inglés e King (Lisboa), UCI - Arrábida 20 (Gaia), Lusomundo Dolce Vita (Coimbra), Lusomundo Palácio do Gelo Shopping (Viseu) e Castello Lopes - Serra Shopping (Covilhã).[5]
  • Estreia em França: 17 de junho de 2009 [6]

Festivais[editar | editar código-fonte]

  • 40ª Quinzena dos Realizadores, Festival de Cinema de Cannes, França, 2008
  • 15º Festival Internacional de Cinema de Valdivia, Chile, 2008: (Melhor Filme Internacional e Prémio da Crítica).[7]
  • XVI Festival Caminhos do Cinema Português, Grande Prémio do Festival Cidade de Coimbra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tese de mestrado De Daniel Boto (Universidade de Coimbra Estudogeral.sib.uc.pt.
  2. Ver estreias na página do produtor Osomeafuria.com.
  3. Entrevista de Carlos Pereira e Vanessa Sousa Dias (Instituto Politécnico de Lisboa) sobre os métodos de trabalho de Miguel Gomes (PDF) Repositorio.ipl.pt.
  4. Notícia Com entrevista de Luísa Sequeira para o Fotograma da RTP Videos.sapo.pt.
  5. Ficha do produtor Osomeafuria.com.
  6. Cineclube dos Cahiers du Cinéma Cahiersducinema.com.
  7. Ver lista de participações em festivais Página do produtor Osomeafuria.com.

Outras referências[editar | editar código-fonte]