Ascanio in Alba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ascanio in Alba, K. 111, é uma ópera de dois atos (Festa teatrale in due atti) composta por Wolfgang Amadeus Mozart com o libreto italiano de Giuseppe Parini.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Óperas de Wolfgang Amadeus Mozart
Wolfgang-amadeus-mozart 1.jpg

Die Schuldigkeit des Ersten Gebots (1767)
Apollo et Hyacinthus (1767)
Bastien und Bastienne (1768)
La finta semplice (1769)
Mitridate, ré di Ponto (1770)
La Betulia liberata (1770)
Ascanio in Alba (1771)
Il sogno di Scipione (1772)
Lucio Silla (1772)
La finta giardiniera (1775)
Il re pastore (1775)
Zaide (1780)
Idomeneo, ré di Creta (1781)
O Rapto do Serralho (1782)
L'oca del Cairo (1783)
Lo sposo deluso (1784)
O Empresário Teatral (1786)
As Bodas de Fígaro (1786)
Don Giovanni (1787)
Così fan tutte (1790)
A Flauta Mágica (1791)
A Clemência de Tito (1791)

Venere soprano
Ascanio mezzo-soprano
Silvia (ninfa do sangue de Hércules) soprano
Aceste (sacerdote) tenor
Fauno (um dos príncipais pastores) soprano

Sinopse[editar | editar código-fonte]

  • Lugar: o local da cidade futura de Alba Longa, perto de Roma
  • Tempo: tempos míticos.

Ato I[editar | editar código-fonte]

A cena de abertura começa com Venere e Ascanio, o filho que ela teve por Eneas. A deusa vangloria-se dos charmes de Alba e convida o filho dela a ir e reger lá. Ela lhe urge que não revele a identidade dele a Silvia, uma ninfa para quem ele é noivo, mas se apresentar a ela debaixo de uma falsa identidade testar a virtude dela. Enquanto pastores chamarem a regra prometida deles, Fauno revela que a face sorridente de Aceste, um padre, é um sinal que o dia será um dia de felicidade suprema. Obedecendo a deusa, Ascanio finge ser um estrangeiro atraído pelas belezas do lugar. Aceste fala aos pastores que o vale deles será um local de uma cidade boa e que eles terão um soberano: Ascanio, antes de o dia fosse embora. Ele também informa a Silvia que ela será a noiva de Ascanio, mas ela responde que ela está apaixonada por um homem jovem que ela viu em um sonho. O padre a ressegura, enquanto dizendo o homem jovem na lata dela é nenhum diferente de Ascanio. Venere aparece a Ascanio e lhe pede que teste a menina um pequeno mais longo antes de revelar a verdadeira identidade dele.

Ato II[editar | editar código-fonte]

Ascanio quer falar com Silvia que está entre os pastores e tenta falar com ela. A menina reconhece o homem jovem imediatamente dos sonhos dela. Fauno intervém e sugere "ao estrangeiro" que (Ascanio) ele deveria ir embora e deveria anunciar o edifício de Alba em partes estrangeiras. Convencido que o estrangeiro não é Ascanio, Silvia escapa declarando ela nunca se casará outro qualquer um. Aceste consola a Silvia, enquanto dizendo que as tribulações dela estão a ponto de se acabar. Venere é invocada por um coro magnífico. A Silvia e Ascanio acrescentam as vozes deles ao coro e a deusa desce na carruagem dela cercada por nuvens. Venere une os dois amantes e explica como ela tinha pretendido o filho dela para descobrir a virtude da noiva dele. Aceste pronuncia um juramento de fidelidade e lealdade para Vênus que então se aposenta. Só permanece para Ascanio perpetuar a raça de Eneas e guiar a cidade de Alba a prosperidade.

Orquestração[editar | editar código-fonte]