Banco Espírito Santo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco Espírito Santo
Banco Espírito Santo, S.A.
Logo do Banco Espírito Santo
Slogan "A pensar no futuro desde 1869"[1]
Tipo Empresa de capital aberto
Indústria Serviços Financeiros
Fundação 1869
Encerramento 4 de Agosto de 2014
Sede Lisboa, Flag of Portugal.svg Portugal
Presidente Luís Máximo dos Santos[2]
Empregados 10.216 (em 2013)
Produtos Banca
Banca de investimento
Private Banking
Seguros
Sucessora(s) Novo Banco
Página oficial www.bes.pt

O Banco Espírito Santo conhecido pelo acrónimo BES, foi um dos maiores bancos privados de Portugal, cujas origens remontam ao ano de 1869.[3] Sedeado na Avenida da Liberdade, em Lisboa, o BES chegou a ser segunda maior instituição financeira privada em Portugal em termos de activos líquidos (€ 80.700 milhões em março de 2011), com uma participação média de mercado de 20,3% em Portugal e 2,1 milhões de clientes.[4]

História[editar | editar código-fonte]

As origens do Banco Espírito Santo remontam ao comércio de lotarias, câmbios e títulos que José Maria do Espírito Santo Silva (Lisboa, 1850-1915)[5] exerceu entre 1869 e 1884. Datam de 1869 as primeiras referências ao comércio que este “patriarca da única dinastia de banqueiros portugueses” exercia, por conta própria, de compra e venda de lotarias, a par da transacção de títulos de crédito nacionais e internacionais, na sua “Caza de Cambio”, situada na Calçada do Combro, em Lisboa. Desde esta data até 1920, sucedeu-se a fundação de várias casas bancárias, tais como, a Beirão, Silva Pinto & Cª., (1884-1897), Silva, Beirão, Pinto & Cª. (1897-1911), J. M. Espírito Santo Silva (1911) e J. M. Espírito Santo Silva & Cª. (1911-1915).[6]

Em 1916, após a morte de José Maria do Espírito Santo Silva a 23 de dezembro de 1916, estas casas foram dissolvidas e os seus herdeiros fundaram a Casa Bancária Espírito Santo Silva & Cª, gerida pelo filho José Ribeiro do Espírito Santo Silva que, a 9 de Abril de 1920, transforma a Casa Bancária em Banco. No mesmo dia é inaugurada a agência de Torres Vedras, primeiro passo com o objectivo de “levar cada vez mais perto dos clientes os serviços bancários”.

Na década de 20, período de convulsões políticas, económicas e sociais, que conduzem alguns bancos à falência, o BES reforça a sua posição no contexto da banca nacional, e em 1926 integra o grupo das cinco maiores instituições bancárias privadas. Em 1932, com o novo modelo de gestão implementado por Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva, eleito nesse mesmo ano para a Presidência do Conselho de Administração, inicia-se uma fase de consolidação e expansão da empresa que, em 1936, se assume na liderança da banca privada nacional. Em 1937 o BES funde-se com o Banco Comercial de Lisboa (instituição criada em 1875), dando origem ao Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa (BESCL).[7]

Em 1955 Manuel Ribeiro do Espírito Santo Silva, por falecimento do irmão, Ricardo do Espírito Santo, ocorrido a 2 de fevereiro desse ano, assume o lugar de Presidente do Conselho de Administração. O BESCL tem na década de 50 um empenho ativo na internacionalização da economia portuguesa, e acompanha esta expansão com uma política de continuidade na abertura de agências: 47 em 1960 para 82 em 1966.[8]

Internacionalização[editar | editar código-fonte]

Até meados de 1970 o BESCL reforçou as participações na área internacional com aquisições, parcerias e criação de bancos em países como os EUA, Angola, Reino Unido, entre outros. Em 1972 é cofundador do Libra Bank e no ano seguinte, associado ao First National City Bank of New York funda, em Luanda, o Banco Inter Unido.[9] Em 1973 Manuel Ricardo Espírito Santo Silva ascende ao cargo de Presidente do Conselho de Administração. Contudo a 14 de Março de 1975, em virtude do Decreto-Lei Nº 132-A, são nacionalizadas todas as instituições de crédito com sede no território português. Impedido de desenvolver a sua atividade em Portugal, o Grupo Espírito Santo (GES) tratou de refazer os seus interesses no exterior em países como o Brasil, Suíça, França e EUA. Ponto alto de desenvolvimento foi em 1975 a criação de uma holding sediada no Luxemburgo, sociedade que em 1984 deu origem ao Espírito Santo Financial Group (ESFG).[10]

O regresso a Portugal iniciou-se em 1986, após a retoma das atividades bancárias à iniciativa privada. Com o apoio do Crédit Agricole e de um núcleo duro de accionistas portugueses, entre eles Ricardo Salgado, que entre 1976-1982 participa a partir do estrangeiro na reconstrução do grupo, o GES cria o Banco Internacional de Crédito (BIC), tendo nesse mesmo ano formado a Espírito Santo Sociedade de Investimentos (ESSI) com a participação do UBS da Suíça e do Kredietbank S.A. Luxembourgeoise (KBL) do Luxemburgo.

Em 1990 o GES recupera a Companhia de Seguros Tranquilidade (onde a família tinha uma participação desde 1935) e em 1991 recupera o controlo do Banco Espírito Santo (perdido aquando da nacionalização da banca, em 1975). A 9 de Julho de 1991 realiza-se a operação de venda do BESCL, que na segunda fase da reprivatização passa a ser liderado pelo GES, ao qual se associa uma vez mais o Crédit Agricole, assegurando o crescimento sustentado do banco no futuro.[11] Em 1991, após a reprivatização, Ricardo Salgado assume a presidência executiva do Banco Espírito Santo e dá início a um percurso que conduziu a um aumento de quota de mercado de 8% para 20% e à internacionalização do BES.[12]

Neste processo de reprivatização uma holding foi criada entre o ESFG e o Crédit Agricole, a BESPAR, detida a 67% e a 32% respectivamente, a qual passou a deter 42% do BES constituindo-se como o seu principal accionista, sendo que outros accionistas de referência são o próprio Crédit Agricole (8,8%), a Companhia de Seguros Tranquilidade Vida (6,14%) e o Banco Bradesco (6,05%), entre outros, encontrando-se o restante capital cotado na Euronext. Juntamente com o Credit Agricole adquiriam o Banco Boavista no Brasil, que em 1999 causaram grandes prejuizos a clientes em fundos de investimentos administrados administrados pela BES DTVM, presidida pelo Ricardo Espirito Santo Salgado. Foram um serie desmandos que privilegiaram as posiçoes do banco em detrimento das poisições dos clientes, considerano em paises de primeiro mundo, crime financeiro. Logo depois desse fato o BACEN e CVM mudaram as regras de administração de carteiras de fundos de investimentos

Em 1992 o BES passa a operar no mercado espanhol após a aquisição do Banco Industrial del Mediterrâneo, que muda a designação para BES (Espanha), e é criada a ESAF – Espírito Santo Ativos Financeiros. Os investimentos em Espanha foram consolidados através da integração das actividades da corretora Benito y Monjardin e da GES Capital.[13] Em 1995 abriu em Macau o Banco Espírito Santo do Oriente (BESOR) que promove produtos para empresa e recentemente começou a oferecer produtos para clientes private. Em França, em 1998, o BES desenvolve a sua actividade através do BES Vénetie, onde tem uma participação de 42,69%. Um ano depois, nos EUA, adquire o capital do Espírito Santo Bank cuja actividade de Private Bank é direcionada a clientes da América Latina, com foco no Brasil. Em 2001 foi constituído o Banco Espírito Santo Angola, um banco de direito angolano.[14]

O Grupo BES está presente em 25 países e 4 continentes, através de sucursais, escritórios de representação ou empresas participadas, fazendo do Grupo o mais internacional dos grupos financeiros portugueses.[15] A internacionalização do BES foi impulsionada por Ricardo Salgado, com a aposta no triângulo estratégico África, Brasil e Espanha. Hoje esta área internacional pesa metade dos lucros da instituição.[16]

Operações[editar | editar código-fonte]

Em 2012 o banco liderado por Ricardo Salgado foi o único dos três maiores bancos privados portugueses a aumentar capital recorrendo apenas aos acionistas e ao mercado de capitais, sem recorrer ao dinheiro dos contribuintes.[17] Em Janeiro de 2013 o BES foi o único banco português a gerir a operação que marca o regresso de Portugal aos mercados desde que o país foi alvo de intervenção da troika.[18] Em 2013, o Banco Espírito Santo passou a liderar a banca portuguesa na satisfação de clientes, de acordo com o Índice Nacional de Satisfação de Clientes – ECSI Portugal.[19] Este estudo é um sistema de medida da qualidade de bens e serviços disponíveis no mercado português, que avalia a banca ao nível da qualidade dos produtos e serviços, da relação qualidade/preço, do atendimento, da preocupação e capacidade de aconselhamento, da rapidez na resposta a pedidos, da qualidade das agências, da Inovação, e da Comunicação.[20] Em Junho de 2014, o BES levou a cabo uma operação de aumento de capital, considerada por Ricardo Salgado como a de “maior sucesso desde a sua privatização em 1992”, contando com a participação de cerca de 150 investidores institucionais, e resultando numa procura 178% superior à oferta disponível.[21]

Crise 2014[editar | editar código-fonte]

Em 2013 era presidido pelo neto do fundador, Ricardo Salgado[22] , quando divulgou um balanço de prejuízo acima de 95 mil milhões de euros.[23] Em Maio de 2014, através de um prospecto de aumento de capital, o banco revelou que uma auditoria externa às contas de 2013 do grupo Espírito Santo apurou irregularidades nas suas contas e concluíu que a sociedade apresentava uma situação financeira grave.[24] Já no final de Março, o crédito em risco representava 11,1 % da carteira do banco, tendo este reconhecido que a sua exposição seria superior à média do sector. Esta situação resultava da carteira de crédito às empresas representar 73,4 % do total de financiamento concedido, em 2013. Esta área de negócio possuía um registo de incumprimento superior ao que se verificava para o crédito a particulares.[24] [25]

Em Julho de 2014 Ricardo Salgado[22] foi afastado da liderança e substituído pelo economista Vítor Bento por acordo entre os principais accionistas e o Banco de Portugal.[26] No dia 30 de Julho, já depois da substituição na presidência do banco por Vítor Bento, o BES anunciou que a existência no seu balanço de 4.253,5 milhões de euros de "imparidades e de contigências" obrigavam a considerar no primeiro semestre de 2014 um prejuízo de 3.577 milhões de euros [27] . Entre Janeiro e Agosto de 2014, as acções do BES perderam mais de 80% do seu valor, caindo de €1,05 por ação para o valor de €0,17[28] . No início de agosto o Banco Central Europeu terá suspendido o acesso do BES às operações de política monetária, obrigando a reembolsar integralmente o seu crédito junto do Eurosistema no prazo de três dias no valor de 10 mil milhões de euros. [29] . Apesar destes dados não serem públicos, em dois dias a cotação desceu cerca de 80% [30]

Fim do BES[editar | editar código-fonte]

A 3 de Agosto o Banco de Portugal anunciou um resgate no valores de 4.900 milhões de euros do BES, que anunciava o fim do BES como um banco privado. Antes, o Banco Central Europeu (BCE) retirou o estatuto de contraparte ao BES, suspendendo assim o acesso do banco às operações de política monetária.[31] Seria financiado pelo Fundo de Resolução. Os ativos bons do BES foram transferidos para uma nova instituição, o Novo Banco, enquanto os ativos tóxicos permaneceram no banco existente. A 4 de Agosto de 2014 foi-lhe retirada a licença bancária.[32]

Renomeação[editar | editar código-fonte]

A 3 de Agosto a noite, o supervisor do sistema bancário português, o Banco de Portugal explicou, por meio do seu presidente Carlos Costa, a aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, que resulta na entrada em funcionamento do Novo Banco, S.A e a transferência de todos os activos não-tóxicos do Banco Espírito Santo, SA para o Novo Banco[33] [34] , passando o banco a ser detido pelo Fundo de Resolução onde participam todos os bancos do sistema bancário português. O Novo Banco mantém a administração que entrou recentemente no ex-BES e será vendido o mais breve possível. O ex-BES foi separado em dois bancos, o banco bom (Novo Banco) e o banco mau (BES), e abandonou o PSI-20. Os accionistas do antigo BES assim como os detentores de obrigações subordinadas perdem todos os créditos, ficando donos do 'bad bank', que entrou em liquidação passando a ser gerido por Luís Máximo dos Santos.[35] [36] [37]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.bes.pt/
  2. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/luis_maximo_dos_santos_sera_o_presidente_o_banco_mau.html
  3. Da 'Caza de Cambio' à J. M. Banco Espírito Santo Silva & Cª, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado 10 de abril 2014
  4. Apresentação do Grupo BES, Junho 2011
  5. Geneall.net: José Maria do Espírito Santo Silva recuperado 10 de agosto 2011
  6. Historia do BES recuperado 10 de agosto 2011
  7. História do BES Site BES, recuperado a 14 abril 2014
  8. “Internacionalização, fomento industrial e inovação dos produtos bancários”, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial do BES, recuperado a 14 abril 2014
  9. História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado a 15 abril 2014
  10. ESFG - Nossa historia recuperado 13 de julho 2011 (inglês)
  11. “Grupo Banco Espírito Santo”, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado a 16 abril 2014
  12. Nota Biográfica de Ricardo Salgado Site Oficial BES, recuperado a 16 abril 2014
  13. BES Açores: História do BES recuperado 02 de dezembro 2013
  14. História do BES Angola, Site BESA, recuperado a 16 abril 2014
  15. Presença Internacional, Site Oficial BES, recuperado a 22 abril 2014
  16. O banqueiro do costume Diário Económico, publicado a 24 de julho de 2011
  17. Como o BES evitou o dinheiro dos contribuintes. Revista Exame (01 de outubro de 2012, págs.24 a 34). Página visitada em 29 de abril 2014.
  18. Barcalys, Deutsche Bank, BES e Morgan Stanley montam regresso ao mercado. Diário Económico (21 de janeiro de 2013). Página visitada em 29 de abril 2014.
  19. BES lidera na satisfação dos clientes, Diário Económico, publicado a 14 março 2014
  20. Apresentação Índice Nacional de Satisfação do Cliente Site Oficial ECSI Portugal, recuperado a 02 maio 2014
  21. Jornal de Negócios, Ricardo Salgado: "Foi o aumento de capital com mais sucesso desde 1992"
  22. a b Observador (2/7/2014). Salgado sai do BESI e pode abdicar do novo Conselho Estratégico. Observador. Página visitada em 2/7/2014.
  23. Banif reduz prejuízos para 97,7 milhões apesar de mais custos com rescisões Diário de Negócios (Portugal)
  24. a b Jornal Público (21/05/201). “Irregularidades” na Espírito Santo Internacional podem afectar reputação e cotação do BES. Jornal Público. Página visitada em 06/06/2014.
  25. Jornal Observador (27 Junho 2014). O que se passa no Grupo Espírito Santo?. Jornal Observador. Página visitada em 02/07/2014.
  26. Jornal Observador (04-07-2014). Vítor Bento será o novo presidente do BES. Jornal Observador. Página visitada em 04-07-2014.
  27. Prejuizo do 1.º Semestre 2014 do BES.
  28. Cotações BES.
  29. Acta revelada por sociedade de advogados diz que BCE obrigou BES a devolver 10 mil milhões, Jornal Público, recuperado 10 de Agosto 2014
  30. CMVM suspende negociação das acções do BES após queda superior a 40%, Jornal de Negócios, 1 de Agosto 2014
  31. http://expresso.sapo.pt/bce-obrigou-bes-a-devolver-10-mil-milhoes-em-tres-dias=f885510
  32. http://economico.sapo.pt/noticias/bes-muda-de-nome-apos-resgate-de-49-mil-milhoes-de-euros-pelo-fundo-de-resolucao_198978.html
  33. http://www.bes.pt/sitebes/Images/NovoBanco/PT/20140803_Comunicado_CEO_Novo_Banco.pdf
  34. Comunicado do Banco de Portugal.
  35. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/bes_muda_de_nome_para_novo_banco_e_fica_com_todos_os_depositos_e_os_creditos_bons.html
  36. Comunicado do Banco de Portugal sobre a medida de resolução aplicada ao Banco Espírito Santo, SA..
  37. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/luis_maximo_dos_santos_sera_o_presidente_o_banco_mau.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Banco Espírito Santo