Banco Espírito Santo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco Espírito Santo, SA.
Banco Espirito Santo (logo).jpg
Slogan A pensar no futuro desde 1869
Tipo Privado
Indústria Banca
Fundação 1920
Sede Coração de Jesus, Lisboa, Flag of Portugal.svg Portugal
Pessoas-chave Vítor Bento, João Moreira Rato[1]
Empregados 10.216 (2013)
Produtos Créditos
Lucro Green up.png US$ 124,1 milhões (2012)[2]
Faturamento Aumento US$ 3,93 mil milhões (2012)[3]
Página oficial www.bes.pt

O Banco Espírito Santo (BES) é um banco privado português, cujas origens remontam ao ano de 1869.[4] Com sede na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Até Julho de 2014 o banco foi presidido por Ricardo Salgado[5] , sendo substituído por Vítor Bento.[6]

O Grupo BES é atualmente o maior banco nacional cotado em Portugal por capitalização bolsista (5,7 mil milhões de euros em 28 de fevereiro de 2014) e a segunda maior instituição financeira privada em Portugal em termos de ativos líquidos (80,6 mil milhões de euros em 31 de dezembro de 2013), com uma quota média de 19,7% no mercado nacional.[7]

História[editar | editar código-fonte]

As origens do Banco Espírito Santo remontam ao comércio de lotarias, câmbios e títulos que José Maria do Espírito Santo Silva (Lisboa, 1850-1915)[8] exerceu entre 1869 e 1884. Datam de 1869 as primeiras referências ao comércio que este “patriarca da única dinastia de banqueiros portugueses” exercia, por conta própria, de compra e venda de lotarias, a par da transacção de títulos de crédito nacionais e internacionais, na sua “Caza de Cambio”, situada na Calçada do Combro, em Lisboa. Desde esta data até 1920, sucedeu-se a fundação de várias casas bancárias, tais como, a Beirão, Silva Pinto & Cª., (1884-1897), Silva, Beirão, Pinto & Cª. (1897-1911), J. M. Espírito Santo Silva (1911) e J. M. Espírito Santo Silva & Cª. (1911-1915).[9]

Em 1916, após a morte de José Maria do Espírito Santo Silva a 23 de dezembro de 1916, estas casas foram dissolvidas e os seus herdeiros fundaram a Casa Bancária Espírito Santo Silva & Cª, gerida pelo filho José Ribeiro do Espírito Santo Silva que, a 9 de Abril de 1920, transforma a Casa Bancária em Banco. No mesmo dia é inaugurada a agência de Torres Vedras, primeiro passo com o objectivo de “levar cada vez mais perto dos clientes os serviços bancários”.

Na década de 20, período de convulsões políticas, económicas e sociais, que conduzem alguns bancos à falência, o BES reforça a sua posição no contexto da banca nacional, e em 1926 integra o grupo das cinco maiores instituições bancárias privadas. Em 1932, com o novo modelo de gestão implementado por Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva, eleito nesse mesmo ano para a Presidência do Conselho de Administração, inicia-se uma fase de consolidação e expansão da empresa que, em 1936, se assume na liderança da banca privada nacional. Em 1937 o BES funde-se com o Banco Comercial de Lisboa (instituição criada em 1875), dando origem ao Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa (BESCL).[10]

Em 1955 Manuel Ribeiro do Espírito Santo Silva, por falecimento do irmão, Ricardo do Espírito Santo, ocorrido a 2 de fevereiro desse ano, assume o lugar de Presidente do Conselho de Administração. O BESCL tem na década de 50 um empenho ativo na internacionalização da economia portuguesa, e acompanha esta expansão com uma política de continuidade na abertura de agências: 47 em 1960 para 82 em 1966.[11]

Internacionalização[editar | editar código-fonte]

Até meados de 1970 o BESCL reforçou as participações na área internacional com aquisições, parcerias e criação de bancos em países como os EUA, Angola, Reino Unido, entre outros. Em 1972 é cofundador do Libra Bank e no ano seguinte, associado ao First National City Bank of New York funda, em Luanda, o Banco Inter Unido.[12] Em 1973 Manuel Ricardo Espírito Santo Silva ascende ao cargo de Presidente do Conselho de Administração. Contudo a 14 de Março de 1975, em virtude do Decreto-Lei Nº 132-A, são nacionalizadas todas as instituições de crédito com sede no território português. Impedido de desenvolver a sua atividade em Portugal, o Grupo Espírito Santo (GES) tratou de refazer os seus interesses no exterior em países como o Brasil, Suíça, França e EUA. Ponto alto de desenvolvimento foi em 1975 a criação de uma holding sediada no Luxemburgo, sociedade que em 1984 deu origem ao Espírito Santo Financial Group (ESFG).[13]

O regresso a Portugal iniciou-se em 1986, após a retoma das atividades bancárias à iniciativa privada. Com o apoio do Crédit Agricole e de um núcleo duro de accionistas portugueses, entre eles o atual presidente do banco, Ricardo Salgado, que entre 1976-1982 participa a partir do estrangeiro na reconstrução do grupo, o GES cria o Banco Internacional de Crédito (BIC), tendo nesse mesmo ano formado a Espírito Santo Sociedade de Investimentos (ESSI) com a participação do UBS da Suíça e do Kredietbank S.A. Luxembourgeoise (KBL) do Luxemburgo.

Em 1990 o GES recupera a Companhia de Seguros Tranquilidade (onde a família tinha uma participação desde 1935) e em 1991 recupera o controlo do Banco Espírito Santo (perdido aquando da nacionalização da banca, em 1975). A 9 de Julho de 1991 realiza-se a operação de venda do BESCL, que na segunda fase da reprivatização passa a ser liderado pelo GES, ao qual se associa uma vez mais o Crédit Agricole, assegurando o crescimento sustentado do banco no futuro.[14] Em 1991, após a reprivatização, Ricardo Salgado assume a presidência executiva do Banco Espírito Santo e dá início a um percurso que conduziu a um aumento de quota de mercado de 8% para 20% e à internacionalização do BES.[15]

Neste processo de reprivatização uma holding foi criada entre o ESFG e o Crédit Agricole, a BESPAR, detida a 67% e a 32% respectivamente, a qual passou a deter 42% do BES constituindo-se como o seu principal accionista, sendo que outros accionistas de referência são o próprio Crédit Agricole (8,8%), a Companhia de Seguros Tranquilidade Vida (6,14%) e o Banco Bradesco (6,05%), entre outros, encontrando-se o restante capital cotado na Euronext.

Em 1992 o BES passa a operar no mercado espanhol após a aquisição do Banco Industrial del Mediterrâneo, que muda a designação para BES (Espanha), e é criada a ESAF – Espírito Santo Ativos Financeiros. Os investimentos em Espanha foram consolidados através da integração das actividades da corretora Benito y Monjardin e da GES Capital.[16] Em 1995 abriu em Macau o Banco Espírito Santo do Oriente (BESOR) que promove produtos para empresa e recentemente começou a oferecer produtos para clientes private. Em França, em 1998, o BES desenvolve a sua actividade através do BES Vénetie, onde tem uma participação de 42,69%. Um ano depois, nos EUA, adquire o capital do Espírito Santo Bank cuja actividade de Private Bank é direcionada a clientes da América Latina, com foco no Brasil. Em 2001 foi constituído o Banco Espírito Santo Angola, um banco de direito angolano.[17]

O Grupo BES está presente em 25 países e 4 continentes, através de sucursais, escritórios de representação ou empresas participadas, fazendo do Grupo o mais internacional dos grupos financeiros portugueses.[18] A internacionalização do BES foi impulsionada por Ricardo Salgado, com a aposta no triângulo estratégico África, Brasil e Espanha. Hoje esta área internacional pesa metade dos lucros da instituição.[19]

Operações[editar | editar código-fonte]

Em 2012 o banco liderado por Ricardo Salgado foi o único dos três maiores bancos privados portugueses a aumentar capital recorrendo apenas aos acionistas e ao mercado de capitais, sem recorrer ao dinheiro dos contribuintes.[20] Em Janeiro de 2013 o BES foi o único banco português a gerir a operação que marca o regresso de Portugal aos mercados desde que o país foi alvo de intervenção da troika.[21] Em 2013 o Banco Espírito Santo passou a liderar a banca portuguesa na satisfação de clientes, de acordo com o Índice Nacional de Satisfação de Clientes – ECSI Portugal.[22] Este estudo é um sistema de medida da qualidade de bens e serviços disponíveis no mercado português, que avalia a banca ao nível da qualidade dos produtos e serviços, da relação qualidade/preço, do atendimento, da preocupação e capacidade de aconselhamento, da rapidez na resposta a pedidos, da qualidade das agências, da Inovação, e da Comunicação.[23] Em Junho de 2014, o BES levou a cabo uma operação de aumento de capital, considerada por Ricardo Salgado como a de “maior sucesso desde a sua privatização em 1992”, contando com a participação de cerca de 150 investidores institucionais, e resultando numa procura 178% superior à oferta disponível.[24]

Sustentabilidade[editar | editar código-fonte]

O BES é o único banco português a integrar o mais reputado e mais exigente índice de sustentabilidade no mundo, o Dow Jones Sustainability Indexes (DJSI),[25] tornando-se no primeiro banco português a ser qualificado para a categoria bronze no Sustainability Yearbook 2014.[26] É também o único a integrar a lista das 100 empresas mais sustentáveis do mundo (está no Top Ten do setor bancário no índice Global 100, que identifica e reconhece empresas com gestão pró-ativa de questões ambientais, sociais e de governance).[27]

Risco de exposição à dívida de outras empresas do grupo Espírito Santo[editar | editar código-fonte]

Em Maio de 2014, através de um prospecto de aumento de capital o banco revelou que uma auditoria externa às contas de 2013 do grupo Espírito Santo apurou irregularidades nas suas contas e concluíu que a sociedade apresentava uma situação financeira grave. Estas irregularidades, no grupo ESI, adverte o prospecto, poderiam influenciar negativamente a reputação e cotação das acções do banco.[28]

Já no final de Março, o crédito em risco representava 11,1 % da carteira do banco, tendo este reconhecido que a sua exposição seria superior à média do sector. Esta situação resultava da carteira de crédito às empresas representar 73,4 % do total de financiamento concedido, em 2013. Esta área de negócio possuía um registo de incumprimento superior ao que se verificava para o crédito a particulares.[28] [29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://expresso.sapo.pt/vitor-bento-e-moreira-rato-confirmados-no-bes=f879527
  2. Banco Espirito Santo Net Income, Ycharts (Stocks, Indexes and Economic Data)
  3. Banco Espirito Santo Revenue, Ycharts (Stocks, Indexes and Economic Data)
  4. Da 'Caza de Cambio' à J. M. Banco Espírito Santo Silva & Cª, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado 10 de abril 2014
  5. Observador (2/7/2014). Salgado sai do BESI e pode abdicar do novo Conselho Estratégico. Observador. Página visitada em 2/7/2014.
  6. Jornal Observador (04-07-2014). Vítor Bento será o novo presidente do BES. Jornal Observador. Página visitada em 04-07-2014.
  7. Fact Sheet Grupo BES, Março 2014, Site Oficial, recuperado 17 de junho 2014
  8. Geneall.net: José Maria do Espírito Santo Silva recuperado 10 de agosto 2011
  9. Historia do BES recuperado 10 de agosto 2011
  10. História do BES Site BES, recuperado a 14 abril 2014
  11. “Internacionalização, fomento industrial e inovação dos produtos bancários”, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial do BES, recuperado a 14 abril 2014
  12. História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado a 15 abril 2014
  13. ESFG - Nossa historia recuperado 13 de julho 2011 (inglês)
  14. “Grupo Banco Espírito Santo”, História do Banco Espírito Santo, Site Oficial BES, recuperado a 16 abril 2014
  15. Nota Biográfica de Ricardo Salgado Site Oficial BES, recuperado a 16 abril 2014
  16. BES Açores: História do BES recuperado 02 de dezembro 2013
  17. História do BES Angola, Site BESA, recuperado a 16 abril 2014
  18. Presença Internacional, Site Oficial BES, recuperado a 22 abril 2014
  19. O banqueiro do costume Diário Económico, publicado a 24 de julho de 2011
  20. Como o BES evitou o dinheiro dos contribuintes. Revista Exame (01 de outubro de 2012, págs.24 a 34). Página visitada em 29 de abril 2014.
  21. Barcalys, Deutsche Bank, BES e Morgan Stanley montam regresso ao mercado. Diário Económico (21 de janeiro de 2013). Página visitada em 29 de abril 2014.
  22. BES lidera na satisfação dos clientes, Diário Económico, publicado a 14 março 2014
  23. Apresentação Índice Nacional de Satisfação do Cliente Site Oficial ECSI Portugal, recuperado a 02 maio 2014
  24. Jornal de Negócios, Ricardo Salgado: "Foi o aumento de capital com mais sucesso desde 1992"
  25. BES é o único banco no índice de sustentabilidade Dow Jones, Dinheiro Vivo, publicado a 14 setembro 2012
  26. Quatro empresas portuguesas entre as mais sustentáveis do mundo, Jornal de Negócios, publicado a 12 setembro 2013
  27. Galp e BES entre as 100 empresas mais sustentáveis do mundo, Diário Económico, publicado a 24 janeiro 2013
  28. a b Jornal Público (21/05/201). “Irregularidades” na Espírito Santo Internacional podem afectar reputação e cotação do BES. Jornal Público. Página visitada em 06/06/2014.
  29. Jornal Observador (27 Junho 2014). O que se passa no Grupo Espírito Santo?. Jornal Observador. Página visitada em 02/07/2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]