Bruno Chateaubriand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Bruno Chateaubriand Diniz Weissmann (Rio de Janeiro, 22 de maio de 1975) é um empresário, socialite e ex-esportista brasileiro. Formado em jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e defensor dos direitos LGBT.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Membro da tradicional família do magnata brasileiro Assis Chateaubriand (primo de sua avó materna), quando criança procurou esconder suas tendências homossexuais, que veio mais tarde a assumir.[1]

Apesar da origem em classe média-alta, sofreu muito preconceito na infância e juventude, negando suas preferências e mantendo relacionamentos heterossexuais; na faculdade, contudo, veio finalmente a encarar sua condição e enfrentar a forte rejeição familiar, revelando que o fato de seu parceiro ser rico facilitou a aceitação. Ele critica eventos como as paradas gay, que apresentam homossexuais como seres "exibicionistas, caricatos e que parecem viver sempre em clima de boate".[1]

Formado em jornalismo, apresentou um quadro de entrevistas na rede de televisão SBT. Praticou a ginástica olímpica de trampolim até 1998,[2] modalidade na qual foi seis vezes campeão nacional, além de empresariar os atletas Daniele e Diego Hypólito[1] e ser juiz habilitado da modalidade junto ao COI.[3]

É julgador do quesito Alegorias & Adereços, no carnaval do Rio de Janeiro, tendo atuado nos anos de em 2008, 2010 e 2012; julgando ainda esse mesmo quesito em 2013.[3]

Referências

  1. a b c Juliana Linhares (30 de janeiro de 2008). "Ser gay não é opção". Revista Veja, Edição 2045. Página visitada em 2 de junho de 2011.
  2. Sofia Cerqueira (23/09/2009). De pernas para o ar. Revista Veja Rio. Página visitada em 2 de junho de 2011.
  3. a b Ramiro Costa (02/02/2010). Bruno Chateaubriand revela que não guarda mágoa de Paulo Vianna. SRZD. Página visitada em 2 de junho de 2011.


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.