Campanhã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Campanhã  
—  Freguesia  —
Igreja de Campanhã
Igreja de Campanhã
Localização no concelho de Porto
Localização no concelho de Porto
Campanhã está localizado em: Portugal Continental
Campanhã
Localização de Campanhã em Portugal
41° 9' 36" N 8° 34' 44" O
País  Portugal
Concelho PRT.png Porto
Fundação 1120
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Ernesto Santos (PS)
Área
 - Total 8,13 km²
População (2011)
 - Total 32 659
    • Densidade 4 017,1/km2 
Código postal 4300
Orago Nossa Senhora de Campanhã
Correio electrónico geral@campanha.net
Sítio http://www.campanha.net/

Campanhã é uma freguesia portuguesa do concelho do Porto, com 8,13 km² de área e 32 659 habitantes (2011)[1] . Densidade: 4 016,2 hab/km².

Foi vila e sede de concelho até 1836. Era constituído por uma freguesia e tinha, em 1801, 3 967 habitantes.

Localização geográfica e condições naturais[editar | editar código-fonte]

O Vale de Campanhã está situado parte mais oriental da cidade do Porto, ocupando uma área total de 374 ha. É limitado a sul pelo rio Douro e a nascente pelo concelho de Gondomar. A norte e a ocidente os seus limites acompanham, grosso modo, a linha de caminho de ferro (Minho e Douro). Apresenta altitudes médias que oscilam entre os 60 e os 80 metros e a sua formação resultou da acção de diversos agentes erosivos, em especial dos seus cursos de água mais importantes: os actuais rios Tinto e Torto. Estes dois rios correm ainda a descoberto através do vale, indo desaguar no rio Douro no local denominado Esteiro de Campanhã.

Trata-se de uma zona muito influenciada pela proximidade do mar, marcada por uma intensa pluviosidade e sujeita à ocorrência de cheias periódicas. Estes factores naturais concorreram para a formação de uma paisagem muito favorável à actividade agrícola. Actualmente, o vale possui ainda a maior mancha verde contínua da cidade, com algumas áreas florestadas onde predominam as espécies associadas às regiões pluviosas, como o pinheiro-bravo (Pinus pinaster) ou o carvalho-roble (Quercus robur).

História de Campanhã[editar | editar código-fonte]

Rico em recursos hídricos, com um solo extremamente fértil e uma posição geográfica privilegiada, o vale de Campanhã ofereceu desde sempre condições muito favoráveis à fixação de populações. Não admira, por isso, que a presença humana nesta área esteja documentada desde os períodos mais recuados da Pré-História. Certos traços da toponímia demonstram que a zona de Campanhã terá sido habitada ainda durante o período dos grandes monumentos megalíticos (III e II milénios a.C.). Mas alguns vestígios encontrados junto ao Esteiro de Campanhã e atribuídos ao Paleolítico, indicam que a ocupação do vale poderá ser anterior.

Na idade do Ferro terá existido um castro na zona de Noeda - o castro de Noeda – próximo da confluência do rio Tinto e do rio Torto. A presença romana, por sua vez, fez-se sentir de forma intensa em toda a área circundante ao vale, sendo, por isso, quase certo que aqui também venham a surgir testemunhos materiais dessa presença. Em todo o caso, a influência romana é um dado evidente e traduz-se, desde logo, no próprio topónimo "Campanhã", de origem latina.

A referência mais antiga que se conhece relacionada com Campanhã surge num documento datado de 994. Onde se lê, pela primeira vez a expressão "ribulum campaniana " - rio de campanhã (o actual rio Torto). Mas no século XI Campanhã já ocorre na documentação coeva como sendo a sede de uma "villa" relativamente importante, a "villa campaniana", uma propriedade rural de tradição romana, cujas origens se perdem no século IV. Esta "villa campaniana", domínio de uma velha família nobre, incluía grande parte das actuais freguesias de Campanhã, Rio Tinto e Valbom, e acolhia ainda o Mosteiro Santa Maria de Campanhã, a mais antiga instituição religiosa local.

O ano de 1120 marca, entretanto, o início de um novo ciclo histórico que se revelou decisivo, não apenas para todo o burgo portuense. Nesse ano, D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, doa o território do ao bispo D. Hugo, passando o burgo a ser administrado directamente pela Sé Portocalense. Ora uma parte importante do vale é incluída na doação, formando a partir daí o limite oriental do couto, mais tarde denominado "termo velho" da cidade, pelo que gozava de todos os privilégios e honras concedidos aos habitantes do burgo. Campanhã surge assim dividida, grosso modo, em duas partes distintas: a área ocidental, mais próxima do centro do burgo e situada dentro dos limites do couto, e a parte oriental, pertencente ao "senhor rei"e formando, por isso, um reguengo. Esta divisão institucional definida em 1120 e confirmada pelas inquirições de D. Afonso III, em 1528, não conhecerá alterações significativas até ao século XIX. A Igreja de Campanhã assegurava a ligação, não apenas simbólica, mas também social e cultural entre as duas partes.

Com o seu estatuto administrativo perfeitamente definido. Campanhã assiste nos séculos finais da Idade Média a uma expansão muito significativa da sua área cultivada, acompanhada de um crescimento bastante expressivo da população. Beneficiando das suas imensas riquezas naturais, o vale converte-se lentamente numa importante reserva agrícola do burgo, cuja principal função é abastecer a cidade de géneros alimentares básicos. Esta especialização económica desenvolve-se e aprofunda-se ao longo da Idade Moderna, prosseguindo praticamente inalterada até ao limiar do nosso século. O tráfico de bens agrícolas com as zonas mais urbanizadas da cidade intensifica-se a partir dos séculos XV e XVI, multiplicando os rendimentos dos proprietários das terras e dando origem a numerosos conflitos jurídicos entre si, a propósito dos limites e direitos associados a cada domínio.

Em todo o caso, ainda que a agricultura representasse a actividade mais importante, a população de Campanhã, que tinha crescido de 1381 habitantes em 1687 para 2169 em meados do século XVIII, não era composto apenas por camponeses. Nas "Memórias Paroquiais de 1758" destacam-se ainda mais dois grupos profissionais: os pescadores, concentrados sobretudo junto das margens do rio Douro e gozando de isenções fiscais desde 1593, e os moleiros, que no seu conjunto detinham 76 rodas de moinhos, distribuídas ao longo dos numerosos cursos de água que percorriam o vale.

Quinta da Lameira.

Durante o século XVIII esta marca agrícola do vale assume novas expressões. Surgem as quintas e os solares de "ir a ares", isto é, de veraneio das grandes famílias burguesas e nobres da cidade do Porto. As quintas do Freixo, de Bonjóia, da Revolta, de Furamontes e de Vila Meã são alguns casos bem representativos do luxo e do requinte arquitectónico que caracterizavam estes solares. A sua presença imprimiu um carácter muito próprio à paisagem e identidade do vale.

Com o século XIX chega o tempo das destruições provocadas pela guerra. Primeiro com as invasões napoleónicas, logo no dealbar da centúria, que deixaram um rasto de devastação bem patente no saque da Igreja de Campanhã, perpetrado em 1809. E, depois, com a guerra civil(1832-34) e o célebre Cerco do Porto, que durou de Julho de 1832 a Agosto do ano seguinte. Durante o período que durou o cerco, o vale foi palco de numerosos confrontos entre liberais e absolutistas. O balanço trágico das perdas incluiu, segundo relatos da época, árvores derrubadas, campos incendiados, casas e muros demolidos danos irreparáveis em equipamentos industriais.

Mas o século XIX, apesar das dificuldades das primeiras décadas, representa também um período de crescimento e prosperidade. O vale conhece então um aumento muito significativo da população e uma rápida ampliação da sua estrutura industrial. Assim, a par das indústrias tradicionais, como a moagem e a tecelagem, que registam um forte desenvolvimento, surgem novos investimentos e diversificam-se, cada vez mais, os ramos de actividade. Um pouco por todo o vale aparecem fábricas e oficinas que se dedicam à marcenaria, à produção de cal ao fabrico de fósforos de cera, palitos trabalhos em filigrana, à destilaria, à saboaria e ainda aos curtumes.

Este desenvolvimento industrial deve-se em grande parte, à expansão dos meios de transporte, em especial do caminho-de-ferro. Em 1875 já era possível viajar de comboio desde Campanhã (Estação sucursal de São Roque da Lameira) até Braga, através da Linha do Minho, ou até Penafiel, através da Linha do Douro. Em 1877 são inauguradas a ponte Maria Pia e a Estação de Campanhã, construída na zona da Quinta do Pinheiro. O alargamento da oferta de meios de transporte e a construção da estação promoveram a deslocação de grandes quantidades de mão-de-obra do interior do pais para o Porto e, sobretudo, para Campanhã e para o seu vale. A grande disponibilidade de mão–de-obra favoreceu, por sua vez, a implantação de novas fábricas, sobretudo nas proximidades da estação, num movimento contínuo ao longo de todo o século XIX e das primeiras décadas do século XX. Por outro lado, a crescente afluência de pessoas a Campanhã conduziu a um redesenhar das estruturas de alojamento. Face ao seu reduzido poder de compra, os operários concentram-se em "ilhas " e "pátios," dois tipos de construção que se transformaram numa das marcas mais importantes da paisagem física e social do vale.

Este quadro poucas mudanças sofreu até às décadas de 50 e 60 deste século. Por essa época, intensifica-se a tendência de expansão da cidade para oriente. O vale converte-se numa das zonas preferenciais para a construção de bairros de iniciativa camarária. A sua população regista então um acréscimo extraordinário. Ao mesmo tempo assiste-se à diminuição do papel da indústria como principal actividade económica, substituída progressivamente pelas áreas ligadas aos serviços. Hoje, Campanhã continua repartida entre o seu passado de tradição rural, que ainda permanece vivo na paisagem e em muitos aspectos do quotidiano, e os traços cada vez mais visíveis da modernidade. [2]

Património[editar | editar código-fonte]

Nesta zona existe a Devoção Mariana à Senhora de Bonjoia,na sua capelinha,nessa mesma rua

Espaços Verdes[editar | editar código-fonte]

Vias estruturantes[editar | editar código-fonte]

Arruamentos[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Campanhã contém 331 arruamentos. São eles:

1Partilhada com a freguesia do Bonfim.

²Partilhada com a freguesia de Paranhos.

³Partilhada com a freguesia de Aldoar.

4Partilhada com a freguesia de Nevogilde.

5Partilhada com a freguesia de Ramalde.

6Partilhada com a freguesia da .

Referências

  1. População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano) (em português) Instituto Nacional de Estatística. Página visitada em 22 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013. "Informação no separador "Q601_Norte""
  2. in Roteiro de Campanhã - editado pela Fundação para o Desenvolvimento do Vale de Campanhã, 1999; Textos de: Susana Ribeiro e Rui Manuel Amaral

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Campanhã