Carnaval de Belo Horizonte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Carnaval de Belo Horizonte teve seu início em 1897, alguns meses antes da oficialização da cidade.[1] [2] .

Características próprias[editar | editar código-fonte]

Escolas de samba e blocos caricatos[editar | editar código-fonte]

O evento é realizado tradicionalmente, desde 1959. Entre 1992 e 2003 não houve desfile. Retornou em 2004, se fortalecendo a cada ano. Em 2011 o desfile passou a ser realizado no Boulevard Arrudas, entre os Viadutos de Santa Tereza e Floresta, na Região Centro-Sul da capital[3] . Até então, o desfile era realizado na Via 240, na Região Norte da cidade. as ligas que controlam o carnaval Belohorizontino são: LIAC (Liga Independente das Agremiações Carnavalescas), Samba Dez e ACBC (Associação Cultural dos Blocos Caricatos). sendo que em 2005, houve um racha de dirigentes descontentes com os rumos do carnaval da capital mineira e decidiram fundar a Samba Dez, que junto com a LIAC. organiza os desfiles das escolas de samba e a ACBC, organiza os blocos caricatos, tradição do carnaval Belohorizontino. em 2007, não teve uma campeã do carnaval e sim uma campeã por quesito julgado, como:harmonia, bateria, mestre sala e porta bandeira, alegorias, samba e enredo, fazendo a premiação de uma forma diferente. no ano de 2013, o desfile dos blocos carnavalescos teve um crescimento, levando uma multidão as ruas de BH.[4]

Bailes[editar | editar código-fonte]

No começo da década de 1980, o Clube Atlético Mineiro realizava no Ginásio do Mineirinho o Baile do Galo, que já teve participação da apresentadora Xuxa Meneghel.[5]

Bandas e serestas carnavalescas[editar | editar código-fonte]

A tradição das bandas carnavalescas em Belo Horizonte vem desde o primeiro carnaval, em 1897, quando homens vestidos de mulher desfilaram atrás de carroças fantasiadas, da Praça da Liberdade até a Avenida Afonso Pena.[1]

Em 2012, a marchinha "Na coxinha da madrasta", criada pelo compositor Flávio Henrique Alves, inspirado em polêmica envolvendo o vereador Léo Burguês, foi a vencedora do Concurso de Marchinhas Mestre Jonas e virou o hit da Banda Mole.[6] A marchinha teve um grande sucesso e ganhou repercussão nacional.[7] [8] e realizada pelo SESC de Minas Gerais, a seresta e uma parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte e Belotur, na Praça Duque de Caxias, em Santa Teresa.

Eleição da Corte Real Momesca[editar | editar código-fonte]

Em uma das maiores festas do samba mineiro, onde a comissão julgadora escolhe o Rei Momo, a Rainha e a Princesa do Carnaval de Belo Horizonte.

Em 2011, Júlio Millan foi eleito pela quarta vez o Rei Momo do carnaval de Belo Horizonte. A rainha foi a personal trainer Graziele Lizania do Carmo. Érika Januza da Trindade recebeu o título de princesa.[9] [10]

Em 2012, Rafael Eduardo, 22 anos e 67 quilos, foi o primeiro Rei Momo magro de Belo Horizonte. Ele se destacou pela simpatia e por sambar muito bem. A rainha foi a Dançarina Renata Black. Yaralis Teles recebeu o título de princesa.[11]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]