Cinema Anêmico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Cinema Anêmico é um filme experimental do artista Marcel Duchamp, sob o pseudônimo de Rrose Sélavy, feito em 1926, em colaboração com Man Ray. É o único filme dadaísta do diretor.

"As imagens mostram discos rotativos em cortes rápidos e abstratos, espirais hipnóticas que evoluem para formas tridimensionais e placas com mensagens escritas."

Trama[editar | editar código-fonte]

Devido ao caráter dadaísta do filme, não há trama; somente uma série de imagens hipnóticas, em geral concentricas ou em espiral, alternadas com trocadilhos em francês seguindo o mesmo formato.

As frases que aparecem no filme são:

  1. Bains de gros thé pour grains de beauté sans trop de Bengué.
    Banho de chá forte, para grãos de beleza, sem muita Bengué (Bengué ou BenGay era um analgésico inventado pelo médico francês Jules Bengué).
  2. L'enfant qui téte est un souffleur de chair chaude et n'aime pas le chou-fleur de serre chaude.
    A criança cuja cabeça é um soprador de cadeiras quente e não ama couve-flor de estufa quente.
  3. Si je te donne un sou me donneras tu une paire de ciseaux?
    Se eu te der um centavo, tu me darás um par de tesouras?"
  4. On demande des moustiques domestiques (demi-stock) pour la cure d'azote sur la Côte d'Azur.
    Exigimos mosquitos domésticos (meia estoque) para cura de azoto, na Côte d'Azur.
  5. Inceste ou passion de famille, à coups trop tirés.
    Incesto ou paixão de família, a golpes fortes.
  6. Esquivons les ecchymoses des esquimaux aux mots exquis.
    Esquivamo-nos de contusões dos esquimós com requintadas palavras.
  7. Avez vous deja mis la moëlle de l'épée dans le poële de l'aimée?
    Você já foi a medula da espada na panela do amado?
  8. Parmi nos articles de quincaillerie paresseuse, nous recommandons le robinet qui s'arrête de couler quand on ne l'écoute pas.
    Entre nossas ferramentas preguiçosas, recomendamos a torneira que para de fluir quando não se ouve
  9. L'aspirant habite Javel et moi j'avais l'habite en spirale.
    O aspirante vive na água sanitária e eu tive que habitar a espiral.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]