Declaração de Seneca Falls

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

A Declaração de Seneca Falls (em inglês: Seneca Falls Convention) ocorreu de 19 a 20 de julho de 1848 na localidade de Seneca Falls, no estado de Nova Iorque, sendo a primeira convenção sobre os Direitos da Mulher nos Estados Unidos.

Este evento histórico é considerado o nascimento do movimento feminista. As organizadoras da conferência foram Lucretia Mott e Elizabeth Cady Stanton. Resultou desse encontro, pois, a publicação da famosa Declaração de Seneca Falls ou a Declaração de sentimentos, como elas a chamaram, que foi um documento baseado na Declaração de Independência dos Estados Unidos e no qual foram denunciadas as restrições, sobretudo no campo da política, às quais estavam submetidas as mulheres: Não poder votar, não comparecer a eleições, não poder ocupar cargos públicos, não poder afiliar-se a quaisquer organizações políticas ou prestar quaisquer assistência em reuniões políticas.

A imprensa da época, em boa parte, não aprovou do movimento político das mulheres. Por exemplo, o jornal Oneida Whig reprovou a convenção politizada das mulheres afirmando que ela foi o incidente mais chocante e anormal na história da mulher até então... indagando a seus leitores: Se as nossas senhoras continuarem a insistir em votar e no direito de legislar, onde, gentleman, ficarão as nossas refeições e onde descansarão os nossos cotovelos? Onde estarão os nossos pés ao fogo domésticos junto à lareira, e quem ficará para remendar os buracos de nossa meias?"[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1840, os Estados Unidos passou por uma grande mudança cultural e econômica. Nos anos entre a Revolução e a Convenção Constitucional, as fronteiras geográficas da nação e o número total da população duplicaram, sendo que a população havia se concentrado notavelmente em direção ao oeste do país. Nem todos os estadunidenses deram boas-vindas a todas essas mudanças. Num esforço para recobrar um sentido de comunidade e controle sobre seu próprio futuro e o futuro da nação, os americanos, especialmente as mulheres, se uniram para reformar o país. A Convenção de Seneca Falls faz parte desse período de grandes movimentos sociais e de reformas.

As mulheres da era revolucionária, tais como Abigail Adams e Judith Sargent Murray, levantaram perguntas sobre o que a Declaração da Independência significaria para elas. Foi isso que levou cerca de trezentas pessoas, na maior parte mulheres, a se congregarem em conferência pela primeira vez em Seneca Falls (onde existe um monumento comemorativo).

Em 1834, a Sociedade Reformista Feminina de Nova Iorque foi estabelecida com Lydia Finney atuando como presidente. Procurou-se manter as mulheres fora da prostituição. Outras líderes feministas, tal como Dorothea Dix, concentraram suas energias na reforma das prisões durante a década de '30. Foi durante esse período que surgiu o papel de mulheres como educadoras. Catherine Beecher estabeleceu várias academias para mulheres. Finalmente, o movimento abolicionista deu às mulheres outra oportunidade de se envolver fora da esfera doméstica.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Carlacio, Jami. ""Ye Knew Your Duty, But Ye Did It Not": The Epistolary Rhetoric of Sarah Grimke." Rhetoric Review 3rd ser. 21.3 (2002): 247-263. Academic Search Premier. EBSCO. 23 October 2005.
  • Stansell, Christine. "The Road From Seneca Falls." The New Republic 219.6 (1998): 26-38. Proquest. ABI/INFORM. 20 October 2005.
  • Capron, E.W. "National Reformer." National Reform Nomination For President Gerrit Smith of New York 3 August 1848.
  • Ryerson, Lisa M. "Falls revisited: Reflection on the legacy of the 1848 Woman's Rights Convention." Vital Speeches of the day 65.11 (1999): 327-332. Proquest. ABI/INFORM. 20 October 2005.
  • Brody, David, et al. America's History. 4th ed. Boston, MA: Bedford/St. Martin's, 2000.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Jornal Oneida Whig, edição matinal de 1 de agôsto de 1848 / Tuesday Morning, August 1 (1848). Bolting Among The Ladies. Acessado em 23 de outubro de 2011.