Dwight Yorke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dwight Yorke
Dwight Yorke
Yorke durante visita à cidade de Chennai, na Índia, em 2012.
Informações pessoais
Nome completo Dwight Eversley Yorke
Data de nasc. 3 de novembro de 1971 (43 anos)
Local de nasc. Canaan, Trinidad e Tobago
Nacionalidade Trinidad e Tobago trinitário-tobagense
Altura 1,80 m
Amdidestro
Apelido The King, All Night Dwight, The Smilling Assassin
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante/Volante
Clubes de juventude
1988–1989 Trinidad e Tobago Signal Hill
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1989–1998
1998–2002
2002–2004
2004–2005
2005–2006
2006–2009
2009-2010
Inglaterra Aston Villa
Inglaterra Mancherster United
Inglaterra Blackburn Rovers
Inglaterra Birmingham City
Austrália Sydney FC
Inglaterra Sunderland
Trinidad e Tobago Tobago United
232 (73)
152 (64)
60 (12)
13 (2)
21 (7)
59 (6)
0 (0)
Seleção nacional
1989-2009 Trinidad e Tobago Trinidad e Tobago 74 (19)

Dwight Eversley Yorke (Canaan, Trinidad e Tobago, 3 de novembro de 1971) é um ex-futebolista de Trinidad e Tobago. Jogava como atacante (ou volante) pela seleção de seu país e em sete clubes, com destaque para Aston Villa e Manchester United. Aposentou-se em 2010, após 21 anos de carreira.

É conhecido pela torcida como "The Smilling Assassin", uma vez que sorria frequentemente em cada comemoração de seus gols.

Início[editar | editar código-fonte]

Aston Villa[editar | editar código-fonte]

Após início de carreira em um pequeno clube nacional (Signal Hill), em 1988, o jogador foi descoberto por Graham Taylor, então técnico do Aston Villa, que o contratou no ano seguinte. Nos Villains, o atacante passou a ter belas atuações pela equipe (em dez temporadas, foram 232 jogos e 73 gols marcados), e por conta disto, em 1998 foi contratado, junto com o parceiro de clube, o goleiro John Taibi, pelo gigante inglês Manchester United.

Manchester United[editar | editar código-fonte]

Parceria com Cole e o auge[editar | editar código-fonte]

Após uma chegada discreta, "o rei", como era chamado pela fanática torcida do Manchester United, estourou dentro de campo, fazendo gols seguidamente em diversas partidas, formando, com Andy Cole, uma das duplas de ataque mais temidas da Europa.

Em 1999, Dwight Yorke teve o melhor ano de sua carreira, marcando diversos gols e liderando o United na conquista da UEFA Champions League e no Mundial de Clubes (na época denominado Copa Europeia/Sul-Americana).

Formava, junto com David Beckham, Ryan Giggs, Roy Keane, Eric Cantona, Andy Cole, Peter Schmeichel, Jaap Stam, Teddy Sheringham, Ole Gunnar Solskjaer e Paul Scholes, o melhor time de toda a história do clube.

Derrocada[editar | editar código-fonte]

Yorke no Sydney FC, um dos últimos clubes de sua carreira.

Com a chegada do holandês Ruud van Nistelrooy, Yorke perdeu espaço no United, e a sua vida extra-campo acabou chamando a atenção do treinador Alex Ferguson. O atacante era tão acostumado às baladas, que acabaram lhe rendendo a alcunha de "All Night Dwight" (em inglês, "Dwight a noite toda"). Quando o envolvimento amoroso de Yorke com a modelo Katie Price ganhou as manchetes dos tabloides, a paciência de Ferguson acabou. Ela afirmava esperar um filho do atacante, mas este negava ter conhecido a modelo. Ele acabou assumindo a paternidade depois que um teste de DNA provou que o atacante era realmente pai da criança.

Foi vendido ao Blackburn Rovers em 2002, mas problemas com o técnico Graeme Souness minaram seu espaço no clube - Souness acusava o jogador de fazer corpo mole nos treinos.

Depois de marcar apenas 12 gols em 56 jogos, negociou seu passe com o Birmingham City, em 2004. Com passagem modesta (dois gols em 13 partidas) pelo clube, disputou apenas uma temporada. Transferiu-se para o Sydney FC no final de 2005 e conquistou o título da primeira temporada da "A-League", o novo Campeonato Australiano. Pelo mesmo clube, disputou o Mundial Interclubes.

Participou da Copa do Mundo da Alemanha em 2006, pela Seleção de Trinidad e Tobago. Porém, não marcou nenhum gol na Copa, assim como os Soca Warriors, como é conhecida a seleção local. Nos três jogos de Trinidad, Yorke ajudava mais na marcação do que no ataque.

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Dwight Yorke em jogo do Sunderland, em 2007.

Atuou nos seus últimos anos de carreira pelo Sunderland da primeira divisão Inglesa. Em maio de 2009, foi dispensado pelo clube, e não encontrando um time para jogar antes do final da janela de transferências, resolveu interromper sua carreira em setembro, aos 37 anos. Ainda em 2009, Yorke lançou sua autobiografia, "Born To Score". Chegou a retornar aos gramados no mesmo ano, quando assinou com o Tobago United, mas não chegou a entrar em campo e pendurou novamente as chuteiras, agora em definitivo.

Atualmente executa o cargo de auxiliar-técnico da Seleção de Trinidad e Tobago, que defendeu por vinte anos (74 partidas, 19 gols marcados).

Vida pessoal e homenagens[editar | editar código-fonte]

O Dwight Yorke Stadium, localizado em Bacolet, foi inaugurado em 2001, para a disputa da Copa do Mundo sub-17, e homenageia o ex-jogador.

Yorke é amigo pessoal do ex-jogador de críquete Brian Lara, e chegou a acompanhá-lo em algumas partidas da Copa do Mundo da modalidade, em 1999. Seu irmão mais velho, Clint, também foi jogador de críquete.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Aston Villa
Manchester United
Sydney FC
Sunderland

* Atual Carling Cup ** Atual Mundial de Clubes da FIFA

Artilharias[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]