Dziga Vertov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Dziga Vertov
Denis Arkadievitch Kaufman
Nascimento 2 de janeiro de 1896
 União Soviética
Morte 12 de fevereiro de 1954 (58 anos)
Rússia
Nacionalidade Russo
Ocupação Cineasta, documentarista e jornalista
Escola/tradição Cinema verdade

Dziga Vertov (nascido Denis Arkadievitch Kaufman; Białystok, 2 de janeiro de 189612 de fevereiro de 1954) foi um cineasta, documentarista e jornalista russo, o grande precursor do cinema directo, na sua versão de cinema verdade.

Teoria e prática[editar | editar código-fonte]

Fez parte do movimento construtivista, escrevendo inúmeros artigos sobre a teoria do filme.

Seu filme Um Homem com uma Câmera é um marco na história do cinema, como documentário reflexivo (Bill Nichols). Filma o quotidiano de cidades russas, principalmente Moscovo (Moscou), com criatividade e lucidez. Planos pensados e repensados, a passagem de um simples fotograma a complexa estrutura narrativa mantendo a intenção poética são, por si sós, uma aula de cinema. Para associar o olho humano ao da câmera, usa por exemplo planos de uma persiana, numa metáfora da retina, do diafragma da objectiva, do cinema-olho, capaz de apreender o real.

A sua teoria do Kino Pravda, a do cinema-verdade, é fundadora de futuras teorias e práticas numa área fundamental do cinema: o contato direto do olho da câmera com o evento filmado, a verdadeira realidade, ao contrário da ficção, que precisa do plateau. Aí se diferencia Vertov de Eisenstein: a idéia, a encenação e o plateau, tal como no teatro.

A idéia é aquilo que tudo determina. Não escapa ao movimento da História e é expressão de um ideal humanista que se dinamiza na construção de uma sociedade justa.

O cinema-verdade foi amplamente explorado por Jean Rouch, que, na teoria e na prática, fez a sua síntese de Vertov e de Robert Flaherty.

Dziga Vertov foi um dos primeiros cineastas russos a usar técnicas de animação e desenvolver certos princípios fundamentais da montagem no cinema. Estabeleceram o ABC das linguagem cinematográfica. Para Vertov a montagem é a alma do filme, o motor da sua estética e do seu sentido. O trabalho de Dizga Vertov foi fundamental para o desenvolvimento da construção dramática e melhoria do cinema e para o surgimento do cinema direto nos anos sessenta, com o desenvolvimento das técnicas de filmagem com câmaras leves com som síncrono.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • 1919 Kino Nedelia, A Semana no Cinema
  • 1919 Aniversário da Revolução
  • 1922 História da Guerra Civil
  • 1924 Brinquedos Soviéticos
  • 1924 Cine-Olho
  • 1925 Kino-Pravda
  • 1926 A Sexta Parte do Mundo
  • 1928 O Onézimo
  • 1929 Um Homem com uma Câmera (br)/O Homem da Câmara de Filmar (pt)
  • 1931 Entusiasmo (Sinfonia de Donbass)
  • 1934 Três Canções para Lênin
  • 1937 Memórias de Sergo Ordjonikidze
  • 1938 Três Heroínas
  • 1944 Nas Montanhas de Ala-Tau
  • 1954 Notícias

Livros sobre Dziga Vertov[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Dziga Vertov
Ícone de esboço Este artigo sobre cineastas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.