Frei Luís de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel de Sousa Coutinho, conhecido pelo nome eclesiástico de Frei Luís de Sousa (Santarém no local onde hoje se situa o Palácio Landal, c. 1555São Domingos de Benfica, Lisboa, 1632) foi um sacerdote católico e escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era o quarto ou quinto filho de Lopo de Sousa Coutinho, um militar que combateu na Índia e foi governador da Mina no tempo de D. João III, e de D. Maria de Noronha, filha de D. Fernando de Noronha, Capitão de Azamor.

Com pouco mais de vinte anos, viajando junto às costas da Sardenha, é feito aí prisioneiro por corsários mouros que o encarceraram em Argel, vindo a conhecer na prisão Miguel de Cervantes. Libertado em 1577, viveu durante algum tempo em Valência, regressando depois a Portugal, onde foi, em 1580, nomeado Alcaide e capitão-mor de Marialva. Por volta de 1583 casou-se com Madalena de Vilhena, viúva de D. João de Portugal. Foi provedor da Santa Casa da Misericórdia de Almada por três vezes, entre 1590 e 1597. Em 17 de Março de 1594 foi feito fidalgo cavaleiro. Em 1600 é Capitão-Mor de Almada e seu Guarda-Mor da Saúde.

Grassava então a peste em Lisboa e os Governadores do Reino, fugindo a ela, transferiram-se para Almada. Tendo eles requisitado para seu alojamento a propriedade de Manuel de Sousa, este, indignado, deitou fogo à própria casa. Por forma a evitar represálias, refugiou-se de seguida em Espanha, onde continuou a prestar diversos serviços ao rei Filipe II de Espanha (I de Portugal).

Após um período do qual poucas notícias há, mas durante o qual se sabe que esteve na América do Sul, nomeadamente no Panamá e Peru, decidiu em 1613, juntamente com a sua esposa, abraçar a vida religiosa, ingressando no dominicano Convento de São Domingos de Benfica no dia 8 de Setembro de 1614 e a sua mulher, no Convento do Sacramento também em Lisboa.

Ao tornar-se frade, adoptou o nome de Frei Luís de Sousa, dedicando-se inteiramente à escrita, nomeadamente à hagiografia e à monografia. Foi cronista da sua Ordem em Portugal, tendo viajado por diversos conventos, recolhendo materiais para completar a monumental obra "História de São Domingos", cujo esboço tinha sido iniciado por Frei Luís de Cácegas anos antes.

É hoje considerado um dos mais brilhantes autores de língua portuguesa.

Obra[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Porbase, visitada em 19/03/2013

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.