George MacDonald

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Perspectivegeorge.jpg

George MacDonald (Huntly, 10 de dezembro de 1824Ashtead, 18 de setembro de 1905) foi escritor, poeta e ministro cristão escocês.

Embora esquecido pelos leitores atuais, suas obras (especialmente seus contos-de-fadas e romances de fantasia) foram uma inspiração para muitos autores notáveis, como C. S. Lewis, W. H. Auden, J. R. R. Tolkien, Madeleine L'Engle, G. K. Chesterton e Mark Twain.

Vida[editar | editar código-fonte]

George MacDonald nasceu em 10 de dezembro de 1824 em Huntly, Aberdeenshire, na Escócia. Seu pai era um fazendeiro de Glen Coe e descendente direto de uma das famílias que sofreram com o massacre de 1692. O dialeto falado nessa região frequentemente aparece nos diálogos dos romances não-fantásticos de MacDonald. Ele cresceu na atmosfera religiosa do calvinismo (dentro da Igreja Congregacional), mas nunca sentiu-se bem com todos os aspectos dessa doutrina. Conta-se, por exemplo, que, quando lhe explicaram pela primeira vez a doutrina da predestinação, ele rompeu em prantos, embora lhe assegurassem que era um dos eleitos. Alguns de seus romances, como Robert Falconer e Lilith, expressam o desagrado de seu autor pela idéia de que o amor seletivo de Deus está reservado a alguns e é negado aos outros. Em seus Unspoken Sermons [Sermões não-pronunciados], ele desenvolve uma teologia altamente elaborada.

Ele graduou-se na Universidade de Aberdeen e foi para Londres estudar para o ministério congregacionalista no Highbury College.

Em 1850, foi nomeado pastor da Trinity Congregational Church (Igreja Congregacional da Trindade), em Arundel, Inglaterra, mas não foi bem-sucedido em seus sermões, nos quais pregava o amor universal e a possibilidade de todos se unirem a Deus. Esteve, depois disso, empregado no serviço religioso em Manchester, abandonado-o por causa de problemas de saúde. Após uma breve estada em Argel, capital da Argélia, estabeleceu-se em Londres, onde lecionou na Universidade de Londres. Foi, ainda, editor de Good Words for the Young [Boas palavras para os jovens], durante um tempo e deu palestras nos Estados Unidos no período de 1872-73.

Seus livros mais conhecidos são os romances de fantasia: Phantastes (publicado em 1858), The Princess and the Goblin (1872) [A princesa e o duende], At the Back of the North Wind [Por trás do vento norte] (1871) e Lilith (1895); bem como os contos-de-fadas: "The Light Princess" (1864) [A princesa da luz] e "The Golden Key" (1867) [A chave dourada]. MacDonald publicou também alguns volumes de sermões, embora não tivessem sido bem recebidos do púlpito.

MacDonald foi mentor de Lewis Carroll (pseudônimo do Rev. Charles Lutwidge Dodgson), criador de Alice no País das Maravilhas. Foi por conselho e incentivo de MacDonald que Carroll decidiu-se a publicar Alice. MacDonald foi amigo de John Ruskin, que serviu de intermediário ao cortejar Rose la Touche. Ele conheceu também vários dos grandes nomes literários de sua época: Alfred Tennyson, Dickens, Wilkie Collins, Trollope, Ruskin, Lewes e Thackeray. Nos Estados Unidos, fez amizade com Longfellow e Walt Whitman.

MacDonald morreu em Ashtead, Inglaterra, em 18 de setembro de 1905. Foi cremado e enterrado em Bordighera, na Itália.

Obras principais[editar | editar código-fonte]


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: George MacDonald
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.