W. H. Auden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
W. H. Auden
Nacionalidade  Reino Unido
Data de nascimento 21 de fevereiro de 1907
Data de falecimento 29 de setembro de 1973 (66 anos)
Local de falecimento Viena, Áustria
Christopher Isherwood e W.H. Auden em 1939. Foto de Carl van Vechten.

Wystan Hugh Auden (York, 21 de fevereiro de 1907Viena, 29 de setembro de 1973) que escrevia como W. H. Auden,[1] foi um poeta anglo-americano, tido como um dos grandes autores do século XX.[2]

Auden cresceu em e perto de Birmingham, em uma família de classe média de profissionais que liam literatura inglesa na Christ Church, em Oxford. Seus primeiros poemas, escritos no final de 1920 e início da década de 1930, alternados entre estilos modernos de telegráficos e fluentes tradicionais, foram escritas em um tom intenso e dramático, e estabeleceu sua reputação como um poeta político de esquerda e profeta. Ele tornou-se desconfortável nesse papel posteriormente em 1930, e abandonou-a depois que ele se mudou para os Estados Unidos em 1939, onde se tornou um cidadão americano em 1946. Seus poemas em 1940 exploraram temas religiosos e éticos de uma forma menos dramática do que seus trabalhos anteriores, mas ainda combinando formas tradicionais e estilos com novas formas concebidas por Auden para si mesmo. Na década de 1950 e 1960, muitos de seus poemas foram voltados para as formas em que palavras reveladas escondiam as emoções, e ele tomou um interesse particular por escritos libretos de ópera, uma forma ideal para a expressão direta de sentimentos fortes.[3]

Para os jovens intelectuais de esquerda ele foi a grande voz da década de 1930, "denunciando os males da sociedade capitalista, mas também alertando para a ascensão do totalitarismo":[4] algumas vezes demasiadamente político, sempre implicitamente radical e incômodo, pela frequência com que lançava mão, em seus poemas, de espiões, bordéis e impulsos reprimidos - sua homossexualidade estava por trás de várias referências pessoais, aparecendo insistentemente em sua poesia. Assim que T. S. Eliot publicou a primeira coletânea de Auden, Poemas (1930), ele foi imediatamente reconhecido como porta-voz de sua geração. Filho de médico, Auden foi educado na Escola Gresham e na Christ Church, em Oxford, onde se tornou o líder de uma "gangue" formada por Stephen Spender, Louis MacNeice e Cecil Day-Lewis (pai do ator Daniel Day-Lewis). Logo começou a colaborar com um amigo da escola preparatória, Christopher Isherwood, em peças esquerdistas que misturavam farsa e poesia. Em 1939, mudou-se com Isherwood para a América, onde conheceu aquele que se tornaria seu companheiro, Chester Kallman, com quem anos mais tarde escreveu libretos de ópera, incluindo The Rake's Progress, para Stravinsky.

Seu poema Stop all the clocks, cut off the telephone (ou Funeral Blues) foi utilizado no filme Quatro casamentos e um funeral (Título original: Four Weddings and a Funeral), de Mike Newell (1994),

Referências

  1. Auden, W. H.; ed. by Edward Mendelson. Prose, Volume II: 1939–1948 (em inglês). Princeton: Princeton University Press, 2002. 478 p. ISBN 0-691-08935-3
  2. Smith, Stan, ed.. The Cambridge Companion to W. H. Auden. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. ISBN 0-521-82962-3
  3. Fuller, John. W. H. Auden: a commentary (em inglês). Londres: Faber and Faber, 1998. ISBN 0-571-19268-8
  4. Merriam Webster's Encyclopeia of Literature, verbete Auden

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: W. H. Auden
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.