Daniel Day-Lewis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Daniel Day-Lewis
Day-Lewis em 2013.
Nome completo Daniel Michael Blake Day-Lewis
Nascimento 29 de abril de 1957 (57 anos)
Londres, Inglaterra
Nacionalidade Reino Unido britânico
Irlanda irlandês
Ocupação Ator
Cônjuge Rebecca Miller (1996 - presente)
Oscares da Academia
Melhor Ator
1990 - My Left Foot
2008 - There Will Be Blood
2013 - Lincoln
Prêmios Globo de Ouro
Melhor Ator em Filme Dramático
2008 - There Will Be Blood
2013 - Lincoln
Prémios Screen Actors Guild
Melhor Ator (principal) em Cinema
2003 - Gangs of New York
2008 - There Will Be Blood
2013 - Lincoln
BAFTA
Melhor Ator
1990 - My Left Foot
2003 - Gangs of New York
2008 - There Will Be Blood
2013 - Lincoln
Prêmio Stanley Kubrick Britannia
2012 - Pelo Conjunto Da Obra
IMDb: (inglês)

Sir Daniel Michael Blake Day-Lewis, Kt (Londres, 29 de abril de 1957) é um ator britânico com dupla nacionalidade, britânica e irlandesa. Filho de um poeta e de uma atriz, é um dos mais premiados atores do mundo e o único a conquistar por três vezes o Oscar de Melhor Ator (principal) da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Day-Lewis nasceu em Londres, filho da atriz Jill Balcon e do poeta britânico laureado Cecil Day-Lewis. A mãe, de ascendência judia, é a filha de Sir Michael Balcon, que era o antigo chefe de Ealing Studios. Dois anos após o seu nascimento, em Londres, a família mudou-se para Croom's Hill, Greenwich, onde Daniel cresceu junto com a sua irmã mais velha, Tamasin Day-Lewis, que mais tarde se tornou numa cineasta de renome, documentalista e chefe de televisão. Cecil Day-Lewis tinha 53 anos no momento do nascimento do seu filho, e parecia ter pouco interesse nos seus filhos. Na sequência de frequentes problemas de saúde, morreu quando Daniel tinha 15 anos. Daniel não sentiu e lamentou a sua falta de emoção, e lamentou não ter sido mais íntimo de seu pai.

Day-Lewis cursou escolas públicas, mas deixou as salas de aulas aos 13 anos. Logo conseguiu papel no drama Sunday Bloody Sunday (Domingo Sangrento), de John Schlesinger. Se apaixonou pelas artes dramáticas e, dedicado, empenhou-se em apreender o máximo possível acerca do ofício. Tanto que só voltaria às telas (de TV, diga-se de passagem) dez anos depois, quando já se considerava maduro o suficiente para expor seu talento e sua técnica.

Até lá, procurou embasamento no teatro. Estudou com as melhores companhias britânicas, como a do Old Vic e a Royal Shakespeare Academy, onde foi bastante elogiado. Se não me permitissem atuar como válvula de escape, não haveria lugar para mim na sociedade, conta.

Em 1981, ele estava de volta, com dois pequenos papéis nos filmes para TV Frost in May e Artemis 81. Seu primeiro filme relevante viria no ano seguinte, com o drama Gandhi, a respeito do líder pacifista indiano. Sua participação, porém, também é pequena: fazia um garoto de rua chamado Colin.

Seguiram-se papéis pequenos em filmes de pouca relevância, como How Many Miles to Babylon?, no qual interpretava um ricaço que acompanhava seu amigo de infância, um operário, num exército da Primeira Guerra Mundial; e The Bounty (Rebelião em Alto Mar), no qual contracenou com Mel Gibson, Anthony Hopkins e Liam Neeson; e My Brother Jonathan, obscuro drama feito para TV.

Para chamar a atenção, Day-Lewis precisava de um papel ao mesmo tempo difícil e chocante, que desafiasse a ele mesmo e ao público. Sua grande chance viria com My Beautiful Laundrette (Minha Adorável Lavanderia), que tornaria seu nome e o do diretor Stephen Frears famosos. O filme retrata a paixão entre um inglês e um árabe que, juntos, gerenciam uma lavanderia e enfrentam o preconceito da sociedade londrina.

A profunda atuação de Day-Lewis causou rebuliço ainda maior na indústria cinematográfica americana porque Minha Adorável Lavanderia estreou em Nova York simultaneamente com outro filme seu, A Room With a View (Uma Janela para o Amor), no qual interpreta um personagem completamente distinto. Ele encarna Cecil Vyse, o aristocrático noivo da protagonista vivida por Helena Bonham Carter. Sua versatilidade simplesmente deixou Hollywood estarrecida. Por ambos os papéis, a Associação de Críticos de Nova York lhe deu o prêmio de melhor ator coadjuvante/secundário do ano.

Dois anos depois, as expectativas que rodeavam Day-Lewis se confirmaram em outro filme de época: The Unbearable Lightness of Being (A Insustentável Leveza do Ser), de Philip Kaufman. Passado na Tchecoslováquia da década de 1960, o filme abordava a estranha relação a três de Day-Lewis, Juliette Binoche e Lena Olin, pouco antes da invasão russa na chamada Primavera de Praga. Também em 1988, Day-Lewis tentaria variar seu estilo na comédia Stars and Bars.

Em 1989 o ator conseguiu o primeiro Oscar por seu tocante retrato de um homem com paralisia cerebral em My Left Foot (Meu Pé Esquerdo). Esta era a única parte de seu corpo que ele conseguia controlar, e a utilizava habilmente para pintar e escrever. Ficou famosa a decisão de Day-Lewis de não sair da cadeira de rodas mesmo quando não estava sendo filmado, para compreender ao máximo o sofrimento de seu personagem inválido.

Além do Oscar, seu sucesso no ano lhe rendeu um dividendo inesperado: o relacionamento com a atriz francesa Isabelle Adjani. A revista inglesa Empire o elegeu, em 1990, uma das 50 pessoas mais bonitas do planeta; cinco anos depois, ele entraria na lista das 100 estrelas mais sexys do cinema, na lisonjeira 11ª colocação.

O namoro de cinco anos com a atriz gerou seu primeiro herdeiro, Gabriel Kane, nascido em abril de 1995, Mais tarde, Day-Lewis se envolveu com Rebecca Miller, filha do dramaturgo Arthur Miller, com quem está casado desde 1996. Este relacionamento lhe rendeu mais dois filhos: Ronan Day-Lewis (nascido em 1998) e Cashel Blake Day-Lewis (nascido em 2002).

Depois de Meu Pé Esquerdo, Day-Lewis tornou-se requisitado para todo e qualquer papel dramático nos Estados Unidos e na Inglaterra. Seguindo no sentido contrário, ele fez questão de tornar-se ainda mais criterioso com a escolha de papéis. A pressão foi tão grande que seu esperado retorno ao teatro, encenando Hamlet com o National Theatre inglês, foi abreviado quando, uma noite, ele foi embora no meio da peça devido a uma exaustão nervosa.

Sumiu até 1992, quando num filme de ação: The Last of the Mohicans (O Último dos Moicanos), de Michael Mann. Para viver um índio que protege a filha de um coronel britânico em meio à guerra franco-indígena, Day-Lewis malhou por mais de um ano e ganhou um corpo invejável. Aos que duvidavam que um inglês pudesse encarnar um nativo americano, Day-Lewis respondeu com seu típico processo de imersão: ao longo dos meses de gravação, recusou cigarro industrializado, por exemplo. Fazia questão de enrolar seu próprio fumo, como os índios moicanos no século XVIII.

Depois, Day-Lewis aceitou o convite do seu amigo Jim Sheridan, que lhe havia garantido o Oscar com Meu Pé Esquerdo, para estrelar seu novo filme, In the Name of the Father (Em Nome do Pai). Tratava-se de um drama a respeito de um irlandês injustamente acusado de participar de um atentado terrorista do IRA. Repetindo a história, mais uma chuva de indicações a grandes prêmios se seguiu: Oscar, Globo de Ouro, BAFTA[desambiguação necessária]... O filme também alterou profundamente a percepção de Day-Lewis a respeito da Irlanda, a ponto de pedir cidadania irlandesa.

No mesmo ano, o ator tentou mais um filme de época, com em The Age of Innocence (A Época da Inocência), de Martin Scorsese. O resultado foi controverso, o que talvez explique porque, a partir de então, ele tenha se tornado cada vez mais recluso. Seu próximo filme ocorreria apenas três anos depois, e provavelmente apenas porque o longa-metragem era baseado na mais famosa peça de seu sogro, Arthur Miller. Trata-se do drama As Bruxas de Salem, no qual sua ex-amante, vivida por Winona Ryder, lança um vilarejo americano do século XVII em uma histeria inquisitiva ao afirmar que suas colegas são bruxas com pactos com o demônio.

O filme ficou aquém das expectativas da crítica, rendendo apenas uma indicação ao Oscar para Miller, pelo roteiro, e para Joan Allen, que interpretava a resignada esposa de Day-Lewis. O ator, porém, não se intimidou e retornou em 1997 com mais um drama irlandês dirigido por Sheridan: The Boxer (O Lutador), lhe rendendo mais uma indicação ao Globo de Ouro. A parceria deu sinais de cansaço e nem mesmo a poderosa presença de Emily Watson poupou o longa do tiroteio da crítica. Day-Lewis deu um basta. Passou nada menos que cinco anos na Itália, vivendo humildemente como sapateiro. Retornou aos cinemas convencido por Scorsese, Leonardo DiCaprio e Harvey Weinstein, o chefão da Miramax. Os três admitiram publicamente que atraíram Day-Lewis para Nova York sob falsos motivos apenas para convencê-lo, conjuntamente, de que deveria interpretar o Açougueiro no épico Gangs of New York (Gangues de Nova York).

Mal sabia o ator que o compromisso lhe exigiria quase um ano de trabalho ininterrupto, devido aos inúmeros problemas que a produção teve. E, por todo este tempo, Day-Lewis permaneceu utilizando, dentro e fora dos sets, o carregado sotaque do seu personagem ('Bill', O Açougueiro). Além disso, também teve aulas com um açougueiro de verdade para poder entender o ofício do seu personagem - o violento líder da gangue dos nativos, que disputa com a gangue dos irlandeses o controle de uma parte de Nova York.

O filme dividiu a opinião da crítica, mas houve um consenso geral que indicava o trabalho de Day-Lewis como a melhor coisa de Gangues de Nova York.

Daniel Day-Lewis em 2008.

Em Sangue Negro, no qual ele tem uma das melhores atuações, ele levou quatro anos para preparação do personagem. Com este filme, Day-Lewis levou os mais importantes premios do cinema mundial: SAG Awards, BAFTA[desambiguação necessária], Globo de Ouro, Oscar e muitos outros. Após receber o prémio de melhor ator no SAG Awards, ele dedicou seu prêmio a Heath Ledger[1] .

Em fevereiro de 2013, ele tornou-se o primeiro a conquistar pela terceira vez o Oscar de melhor ator por seu trabalho no filme Lincoln, de Steven Spielberg.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ano Nome original Nome no Brasil Nome em Portugal Papel
1971 Sunday Bloody Sunday Domingo Sangrento Domingo Sangrento Criança vândala
1981 Artemis 81 Estudante na biblioteca
1982 How Many Miles to Babylon? Quantas milhas até Babilônia? Quantas milhas até Babilónia? Alex
Frost in May (TV) Frost em Maio (TV) Archie Hughes-Forret
Gandhi Gandhi Gandhi Colin, valentão de rua sul-africano
1984 The Bounty Rebelião em Alto-Mar Revolta no Pacífico John Fryer
1985 My Brother Jonathon (TV) O Meu Irmão Jonathan (TV) Jonathan Dakers
My Beautiful Laundrette A Minha Adorável Lavanderia A Minha Linda Lavandaria Johnny
A Room with a View Uma Janela para o Amor Uma Janela para o Amor Cecil Vyse
1986 Nanou Max
1988 The Unbearable Lightness of Being A Insustentável Leveza do Ser A Insustentável Leveza do Ser Tomas
Stars and Bars Stars and Bars Bares e Estrelas Henderson Dores
1989 Eversmile, New Jersey O Sorriso de uma Vida O Sorriso de uma Vida Dr. Fergus O'Connell
My Left Foot Meu Pé Esquerdo O Meu Pé Esquerdo Christy Brown
1992 The Last of the Mohicans O Último dos Moicanos O Último dos Moicanos Hawkeye (Nathaniel Poe)
1993 The Age of Innocence A Época da Inocência A Idade da Inocência Newland Archer
In the Name of the Father Em Nome do Pai Em Nome do Pai Gerry Conlon
1996 The Crucible As Bruxas de Salem Bruxas de Salem John Proctor
1997 The Boxer O Lutador O Lutador Danny Flynn
2002 Gangs of New York Gangues de Nova York Gangs de Nova Iorque Bill "The Butcher" Cutting
2005 The Ballad of Jack and Rose O Mundo de Jack & Rose O Mundo de Jack & Rose Jack Slavin
2007 There Will Be Blood Sangue Negro Haverá Sangue Daniel Plainview
2009 Nine Nine Nine Guido Contini
2012 Lincoln Lincoln Lincoln Abraham Lincoln

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Oscar[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Filme Resultado
1990 Melhor ator My Left Foot Venceu
1994 In the Name of the Father Indicado
2003 Gangs of New York Indicado
2008 There Will Be Blood Venceu
2013 Lincoln Venceu

BAFTA[desambiguação necessária][editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Filme Resultado
1990 Melhor ator[desambiguação necessária] My Left Foot Venceu
1993 The Last of the Mohicans Indicado
1994 In the Name of the Father Indicado
2003 Gangs of New York Venceu
2008 There Will Be Blood Venceu
2013 Lincoln Venceu

Globo de Ouro[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Filme Resultado
1990 Melhor ator em filme dramático My Left Foot Indicado
1994 In the Name of the Father Indicado
1998 The Boxer Indicado
2003 Gangs of New York Indicado
2008 There Will Be Blood Venceu
2010 Melhor ator em filme de comédia ou musical Nine Indicado
2013 Melhor ator em filme dramático Lincoln Venceu

SAG Awards[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Filme Resultado
2003 Melhor ator principal no cinema Gangs of New York Venceu
2008 There Will Be Blood Venceu
2013 Lincoln Venceu

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Daniel Day-Lewis
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Daniel Day-Lewis