George C. Scott

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George C. Scott
George C. Scott em The Hustler (1961)
Nome completo George Campbell Scott
Nascimento 18 de outubro de 1927
Wise, Virgínia
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Morte 22 de setembro de 1999 (71 anos)
Westlake Village, Califórnia
Ocupação Ator, Produtor e Cineasta
Cônjuge Carolyn Hughes (1951–55)
Patricia Reed (1955–60)
Colleen Dewhurst (1960–65; 1967–72)
Trish Van Devere (1972–99)
Atividade 1958 - 1999
Oscares da Academia
Melhor Ator Principal
1970 - Patton
Emmy Awards
Melhor Ator em Minissérie ou Filme
1971 - The Price
Prêmios Globo de Ouro
Melhor Ator - Drama
1970 - Patton
BAFTA
Melhor Ator Principal
1970 - Patton
IMDb: (inglês)


George Campbell Scott (Wise, Virginia, 18 de outubro de 1927Westlake Village, Califórnia, 22 de setembro de 1999) foi um ator de cinema, teatro e televisão americano, além de cineasta e produtor.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Aos oito anos perdeu a mãe e o pai. Em 1945 entrou na Marinha, onde permaneceu durante quatro anos. Quando deixou a Marinha, matriculou-se na classe de jornalismo na Universidade de Missouri.

George se casou cinco vezes e teve seis filhos: Victoria (1952) com sua primeira esposa Carolyn Hughes; Michelle (1954), com Karen Truesdell; Matthew (1957) e uma filha, Devon Scott (1958), com Patricia Reed; Alexander (1960) e o ator Campbell Scott (1961), com a atriz canadense Colleen Dewhurst. Sua última esposa, a atriz Trish Van Devere, foi casada com ele até sua morte, em 1999.

Morreu aos 71 anos de idade vitimado por um problema vascular abdominal.

Ele foi sempre desbocado, arrogante e considerado em Hollywood um autêntico rebelde. Mesmo assim era muito respeitado como ator até começar a se envolver em violentas brigas de bar na década de 1980, e passar a fazer apenas filmes de segunda linha.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nos anos 50 começou no teatro, com um papel na peça Richard III, em Nova Iorque. O jovem ator chamou a atenção dos críticos. Logo ele começou a trabalhar na televisão, principalmente em transmissões ao vivo, e em 1959 fez parte do filme Anatomia de um Crime, seu primeiro papel a valer uma indicação ao Oscar, na categroia de ator coadjuvante.

Porém, George e o Oscar não se tornariam amigos. Ele dizia que o processo inteiro da Academia era forçar os atores para se tornarem verdadeiras estrelas e que a cerimônia era um "mercado de carne". Em 1962 ele foi indicado novamente como ator coadjuvante.

Apesar da sua opinião sobre o prêmio, seria indicado várias outras vezes. Foi assim em The List of Adrian Messenger, (1963). Em 1964, ao filmar A Bíblia, se apaixonou por Ava Gardner, mas não foi correspondido devido principalmente a seu hábito de beber demais tornando-se violento e então passou então a beber cada vez mais.

Fez vários filmes menores para a televisão antes de obter o papel pelo qual sempre será identificado: o General Patton em Patton, de 1970. Era um filme de guerra que veio ao término de uma década onde protestos de anti-guerra tinham balançado os estados Unidos da América, e tinham se tornado símbolo de uma juventude descontente. O filme ganhou o Oscar do ano, e Scott também venceu como o melhor ator. No dia da premiação, ficou em casa assistindo a um jogo de hóquei, se recusando a ir recebê-lo.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar

Filmografia[1] [editar | editar código-fonte]

Scott atuando no teatro como Richard III, 1958
com Geraldine Page (1959)
Em Dr. Strangelove (1964)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.