História de Nagorno-Karabakh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O domínio territorial de Nagorno-Karabakh é ainda hoje disputado entre a Arménia e o Azerbaijão. Chamado Artsach pelos arménios, a sua história cobre vários séculos, durante os quais esteve sob controlo de diversos impérios, contudo, o debate foca-se sobretudo no período posterior ao fim da Primeira Guerra Mundial. Pouco após a capitulação do Império Otomano, o Império Russo colapsou em Novembro de 1917 passando para o controlo dos bolcheviques. As três nações do Cáucaso, Arménia, Azerbaijão e Geórgia, anteriormente sob controlo russo, declararam a sua independência formando a Federação Transcaucasiana que se dissolveu após três curtos meses de existência.[1]

Guerra Armeno-Azeri[editar | editar código-fonte]

Os confrontos entre a República Democrática da Arménia e a República Democrática do Azerbaijão estalaram de imediato, em três regiões específicas: Nakhichevan, Zangezur (hoje a província arménia de Siunique) e Karabakh. A Arménia e o Azerbaijão defendiam diferentes limitações fronteiriças nestas três províncias. Os arménios de Karabakh tentaram declarar a independência mas não conseguiram estabelecer contacto com a República da Arménia.[1] Após a derrota do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial, tropas britânicas ocuparam a Transcaucásia em 1919, tendo o comando britânico nomeado provisoriamente Khosrov bey Sultanov (apontado pelo governo azeri) como governador-geral de Karabakh e Zangezur, enquanto se aguardava que a decisão final emanasse da Conferência de Paz de Paris.[2]

Integração na União Soviética[editar | editar código-fonte]

Red kurdistan 1930.png

Dois meses depois, o 11º Exército da União Soviética invadiu o Cáucaso e três anos depois as repúblicas caucasianas formaram a RSFS Transcaucasiana da União Soviética. Os bolcheviques criaram depois um comité de sete membros, o Gabinete do Cáucaso (muitas vezes abreviado para Kavburo), que sob a supervisão do futuro líder da URSS Josef Stalin, o Commissário do Povo para as Nacionalidades (Narkomnats), teve como função tratar dos assuntos no Cáucaso.[3] Apesar de o comité ter votado favoravelmente 4-3 pela integração de Karabakh na recém-criada RSS da Arménia, os protestos levados a cabo pelos líderes azeris, incluindo o líder do Partido Comunista no Azerbaijão Nariman Narimanov, e uma rebelião anti-soviética ocorrida na capital arménia Erevan em 1921 azedaram as relações entre a Arménia e a Rússia. Estes factores levaram o comité a rever a sua posição, atribuindo Karabakh ao Azerbaijão em 1921, tendo depois incorporado o Oblast Autónomo de Nagorno-Karabakh (NKAO) na RSS do Azerbaijão em 1923,[1] sendo 94% da população composta por arménios.[4] [5] A capital foi movida de Shusha para Khankendi, que foi depois renomeada para Stepanakert.

Os académicos arménios e azeris especulam que esta decisão resultou de a Rússia aplicar o princípio de "dividir para conquistar".[1] O que se pode observar, por exemplo, se se atender à estranha colocação do exclave de Nakhichevan, que é parte do Azerbaijão embora esteja deste separado pela Arménia. Outros têm argumentado que esta decisão foi um gesto de boa-vontade do governo soviético para manter "boas relações com a Turquia de Atatürk."[6] A Arménia sempre se recusou a reconhecer esta decisão e continuou a protestar a sua legalidade nas décadas seguintes enquanto esteve sob domínio soviético.[7]

Referências

  1. a b c d de Waal, Thomas. Black Garden: Armenia and Azerbaijan Through Peace and War. Nova Iorque: New York University Press, 2003. ISBN 0-8147-1945-7
  2. Ministério dos Negócios Estrangeiros da República da Arménia. Circular pelo coronel D. I. Shuttleworth do Comando Britânico. Arquivos da República da Arménia, File No. 9. Acedido a 2 de Março de 2007.
  3. Karagiannis, Emmanuel.. Energy and Security in the Caucasus. Londres: RoutledgeCurzon, 2002. 36, 40 pp. ISBN 0-7007-1481-2
  4. Bradshaw, Michael J; George W. White. Contemporary World Regional Geography: Global Connections, Local Voices. Nova Iorque: Mcgraw-Hill, 2004. 164 pp. ISBN 0-0725-4975-0
  5. Yamskov, A. N. "Ethnic Conflict in the Transcausasus: The Case of Nagorno-Karabakh". Theory and Society, Vol. 20, No. 5, Special Issue on Ethnic Conflict in the Soviet Union October 1991, 659. Acedido a 13 de Fevereiro de 2007.
  6. Weisbrode, Kenneth. Central Eurasia - Prize or Quicksand?: Contending Views of Instability in Karabakh, Ferghana, and Afghanistan. Oxford: Oxford University Press, 2001. 27 pp. ISBN 0-1985-1070-5
  7. Croissant, Michael P.. The Armenia-Azerbaijan Conflict: Causes and Implications. London: Praeger, 1998. ISBN 0-275-96241-5
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Azerbaijão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.