Ilze Scamparini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Ilze Scamparini
Nascimento 26 de dezembro de 1960 (53 anos)
Araras, São Paulo[1]
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação jornalista

Ilze Scamparini (Araras, 26 de dezembro de 1960) é uma jornalista brasileira nascida no interior do estado de São Paulo, de ascendência italiana. É atualmente a correspondente da Rede Globo na Itália, Vaticano e região, tendo como base a capital Roma.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ilze Scamparini nasceu em Araras (SP), em 1960. É jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Puccamp), em 1982.

Foi estagiária no jornal O Diário do Povo (SP), de Campinas. Colaborou com os folhetos da Oboré, transcrevendo entrevistas dos trabalhadores do ABC paulista, no período em que surgiram Lula e o Partido dos Trabalhadores. Entrou para a televisão em 1981, trabalhando no programa TV Mulher, então dirigido por Newton Travesso e Rose Nogueira e apresentado por Marília Gabriela.

Em 1982, tornou-se repórter da TV Campinas (SP), afiliada da TV Globo. Lá cobriu a longa greve dos petroleiros de Paulínia, liderados por Jacó Bittar e documentou as reuniões da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (Cnbb) pós Anistia. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1984, entrando para a TV Globo (RJ). Gravou reportagens para o Jornal Nacional, o Jornal Hoje e o Jornal da Globo. Foi para a TV Globo Brasília (DF), em 1985, onde participou, entre outras, da cobertura da agonia do presidente eleito Tancredo Neves e da promulgação da nova Constituição.

Atendendo a convite de Alice Maria, então diretora executiva do telejornalismo da emissora, entrou em 1986 para o time de repórteres exclusivos do programa Globo Repórter, no qual ficaria até 1996. No ano seguinte, fixou-se em Los Angeles, nos EUA, para atuar como correspondente internacional. Cobriu duas entregas de Óscar e o suicídio em massa da seita religiosa Heavens Gate.

Em 1999, transferiu-se para Roma, na Itália, de onde envia matérias sobre a política, cultura e comportamento italianos, além de cobrir o Vaticano. Com os papas João Paulo II e Bento XVI viajou para a Ucrânia, Polônia, Alemanha, Turquia e Angola, além de acompanhar suas visitas ao Brasil.

Além disso, destacou-se em outras coberturas internacionais: acompanhou, no Cairo, o velório do líder palestino Yasser Arafat; cobriu os desdobramentos do ataque terrorista que vitimou centenas de crianças em uma escola em Beslam, na Rússia, em 2004; e as cerimônias que acompanharam os 20 anos da queda do muro de Berlim, na Alemanha.

Foi a primeira repórter da emissora a transmitir imagens do exterior via internet. Seu trabalho como correspondente em Roma serviu de modelo para o adotado pela TV Globo em Jerusalém, Paris, Lisboa, Berlim e Buenos Aires.

Além do português, Ilze fala italiano, espanhol e inglês. [2]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.