Ilze Scamparini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilze Scamparini
Nascimento 26 de dezembro de 1960 (53 anos)
Araras, São Paulo[1]
Nacionalidade  brasileira
Ocupação jornalista

Ilze Scamparini (Araras, 26 de dezembro de 1960) é uma jornalista brasileira nascida no interior do estado de São Paulo, de ascendência italiana. É atualmente a correspondente da Rede Globo na Itália, Vaticano e região, tendo como base a capital Roma.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ilze Scamparini nasceu em Araras, São Paulo, em 1960. É jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP), em 1982.

Foi estagiária no jornal O Diário do Povo (SP), de Campinas. Colaborou com os folhetos da Oboré[2] , transcrevendo entrevistas dos trabalhadores do ABC paulista, no período em que surgiram Lula e o Partido dos Trabalhadores. Entrou para a televisão em 1981, trabalhando no programa TV Mulher, então dirigido por Nilton Travesso e Rose Nogueira e apresentado por Marília Gabriela.

Em 1982, tornou-se repórter da TV Campinas (SP), afiliada da TV Globo. Lá cobriu a longa greve dos petroleiros de Paulínia, liderados por Jacó Bittar e documentou as reuniões da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) pós Anistia. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1984, entrando para a TV Globo (RJ). Gravou reportagens para o Jornal Nacional, o Jornal Hoje e o Jornal da Globo. Foi para a TV Globo Brasília (DF), em 1985, onde participou, entre outras, da cobertura da agonia do presidente eleito Tancredo Neves e da promulgação da nova Constituição.[2]

Atendendo a convite de Alice Maria, então diretora executiva do telejornalismo da emissora, entrou em 1986 para o time de repórteres exclusivos do programa Globo Repórter, no qual ficaria até 1996. No ano seguinte, fixou-se em Los Angeles, nos Estados Unidos, para atuar como correspondente internacional. Cobriu duas entregas de Óscar e o suicídio em massa da seita religiosa Heaven's Gate.

Em 1999, transferiu-se para Roma, na Itália, de onde envia matérias sobre a política, cultura e comportamento italianos, além de cobrir o Vaticano.[3] Com os papas João Paulo II e Bento XVI[2] viajou para a Ucrânia, Polônia, Alemanha, Turquia e Angola, além de acompanhar suas visitas ao Brasil.

Além disso, destacou-se em outras coberturas internacionais: acompanhou, no Cairo, o velório do líder palestino Yasser Arafat; cobriu os desdobramentos do ataque terrorista que vitimou centenas de crianças em uma escola em Beslam, na Rússia, em 2004; e as cerimônias que acompanharam os 20 anos da queda do Muro de Berlim, na Alemanha.

Foi a primeira repórter da emissora a transmitir imagens do exterior via internet. Seu trabalho como correspondente em Roma serviu de modelo para o adotado pela TV Globo em Jerusalém, Paris, Lisboa, Berlim e Buenos Aires.

Além do português, Ilze fala italiano, espanhol e inglês.

Referências

  1. Xico Sá (27 de fevereiro de 2013). O adeus do papa e as tentações de Ilze Folha de São Paulo. Visitado em 28 de outubro de 2014.
  2. a b c Valquiria Daher (17 de março de 2013). Em Roma há 14 anos, Ilze Scamparini fala da sua experiência na cobertura do Vaticano Globo.com. Visitado em 28 de outubro de 2014.
  3. Ilze Scamparini fala sobre jornalismo e o Vaticano D24AM (28 de fevereiro de 2013). Visitado em 28 de outubro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.