Imperatriz Jito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Imperatriz Jito
Imperatriz Jito
Imperador de Flag of Japan.svg Japão
Mandato 686 até 697
Antecessor(a) Imperador Temmu
Sucessor(a) Imperador Mommu
Vida
Nascimento 645
Morte 703 (58 anos)
linkWP:PPO#Japão

Imperatriz Jito (持統天皇, Jito-tennō?, 645-703) [1] foi a 41a Imperatriz do Japão, na lista tradicional de sucessão[2] .

Vida[editar | editar código-fonte]

Jito era a segunda filha do Imperador Tenji. Sua mãe era Ochi-no-Iratsume, filha do poderoso Udaijin Soga no Kura no Yamada no Ishikawa Maro no Ōomi. Era a esposa do Imperador Temmu, que era meio-irmão de Tenji com outra mulher, e ela o sucedeu no trono [3] .

Antes da sua ascensão ao trono, seu nome era Uno no sarara ou Uno no sasara , abreviadamente Uno [4] . Reinou de 686 a 697. Foi a terceira mulher a ascender ao Trono do Crisântemo [5] .

Jitō assumiu a responsabilidade pela administração da Corte, após a morte de seu marido, o Imperador Temmu, que também era seu tio. Ela ascendeu ao trono em 687, a fim de garantir a sucessão de seu filho, Kusakabe-shinnō. Ao longo desse período, governou o reino a partir do palácio Fujiwara no Miya na Província de Yamato [4] .

O Príncipe Kusabake foi nomeado Príncipe Herdeiro para suceder Jitō, mas ele morreu jovem. O filho de Kusabake, Karu-no-o que mais tarde se tornaria o Imperador Mommu , foi nomeado como sucessor de Jitō [4] .

Em 697, Jitō abdicou em favor de Mommu; e como um soberano aposentada, passou a ser ter o título de Daijō-tennō . Depois disso, seus sucessores imperiais quando se aposentaram tinham este o mesmo título após a sua abdicação. Jitō Continuou a deter o poder mesmo após sua abdicação, o que se tornou uma tendência persistente na política japonesa [3] .

Poeta de Waka reconhecida, teve sua obra foi incluída no Man'yōshū. Budista fervorosa ela foi a primeira soberana a pedir que fosse cremada à maneira budista, após sua morte [6] .

A Imperatriz Jito é tradicionalmente venerada em um memorial no santuário xintoísta em Nara. A Agência da Casa Imperial designa este local como Mausoléu de Jito. E é oficialmente chamado de Ochi-no-Okanoe no misasagi [1] .


Daijō-kan[editar | editar código-fonte]

Daijō Daijin : Príncipe Takechi no Miko (o terceiro filho do Imperador Temmu)[4] -- (654 - 696 )




Precedido por
Temmu
Japanese Imperial Seal.svg -- 41º Imperatriz do Japão
686 - 697
Sucedido por
Mommu




Referências

  1. a b Agência da Casa Imperial: Jito-tennō (41) (em japonês)
  2. Isaac Titsingh, "Jito" em Annales des empereurs du japon, (em francês) Paris: Royal Asiatic Society, Oriental Translation Fund of Great Britain and Ireland p. 59 OCLC 5850691.
  3. a b Kitabatake Chikafusa (traduzido por H. Paul Varley) A Chronicle of Gods and Sovereigns: Jinnō Shōtōki (em inglês). Nova York: Columbia University Press. p. 137 ISBN 0231049404
  4. a b c d Jien, The Future and the Past: A Translation and Study of the Gukanshō, an Interpretative History of Japan Written in 1219 (em inglês), University of California Press, 1979 pp. 269-270 ISBN 9780520034600.
  5. As imperatrizes que reinaram antes de Jito foram: a Suiko e a Kogyoku (também conhecida como Saimei); e as soberanas que reinaram após Jito foram (a) Gemmei, (b) Gensho, (c) Koken (Shotoku), (d) Meisho, e (e) Go-Sakuramachi. No período Meiji, Jingo foi excluída da lista tradicional de sucessão.
  6. Louis Frederic, Alvaro David Hwnag O Japão - Dicionário e Civilização, Globo Livros 2008, pp.543 ISBN 9788525046161

Ver também[editar | editar código-fonte]