Jane Eyre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Jane Eyre
Jane Eyre
Jane Eyre
Jane Eyre title page.jpg
Autor (es) Charlotte Brontë (pseudônimo: Currer Bell)
Idioma inglês
País Inglaterra
Género romance
Editora Smith, Elder & Co., Cornhill
Lançamento 16 de outubro de 1847
Edição portuguesa
Tradução João Gaspar Simões
Editora Editora inquérito
Lançamento 1941

Jane Eyre é um romance da escritora inglesa Charlotte Brontë publicado em 1847. O livro foi lançado originalmente em Londres, pela Editora Smith, Elder & Co., Cornhill, em 16 de outubro de 1847, em 3 volumes. Apesar de possuir ainda vários elementos da literatura gótica, tais como a ambientação em castelos, o clima de mistério sugerido pelo segredo do passado, a tragicidade dos personagens, o período histórico do gótico já havia terminado, e Charlotte Brontë não tem sido considerada dentro desse tipo de literatura.

Resumo da obra[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Jane Eyre é a autobiografia ficcional da personagem principal. Conta como Jane, órfã de pai e mãe, vive infeliz na casa de uma tia que a detesta. Após um confronto com esta, Jane é enviada para uma escola, onde conhece os primeiros momentos de felicidade. Após seis anos como aluna e mais dois como professora, decide procurar uma nova posição. Encontra-a em Thornfield Hall, como preceptora da jovem Adèle, a pupila de Edward Rochester.

Quando finalmente conhece Rochester, ambos se apaixonam. Ele lhe propõe casamento e ela aceita. Contudo, no dia do casamento, Jane descobre que Rochester já era casado, com uma mulher chamada Bertha, que conhecera na Jamaica e que entretanto enlouquecera. Para que ninguém soubesse, ele a mantinha escondida no sótão de Thornfield Hall. Perante isto Jane decide fugir. Após alguns dias de fome, é recolhida por St John Rivers e suas irmãs. Mais tarde vem a descobrir que não só herdou dinheiro de um tio, como os seus anfitriões são na realidade também seus primos diretos (algo que todos desconheciam) e, decidida a recompensá-los, divide a herança com estes. St John Rivers decide partir como missionário e levar a prima consigo, como esposa. Jane hesita e resolve descobrir o que se passara com Rochester (pois havia um ano que fugira de sua casa), antes de dar uma resposta ao primo.

Vem a encontrá-lo cego e ao cuidado de dois criados fiéis, pois Thornfield Hall ardera em um incêndio provocado pela esposa enlouquecida, e ele perdera a vista e uma das mãos ao tentar salvar todos que lá viviam. Como Bertha se suicida jogando-se de cima da casa que está em chamas, Jane decide assim casar finalmente com ele. {{portal-literatura}

Análise da obra[editar | editar código-fonte]

Bewickthief big.jpg

O livro retrata a emancipação da mulher e de seu espírito, ideias contrárias, na cabeça de Charlotte, aos livros de Jane Austen onde, segundo Brontë, as mulheres não eram aptas a trabalhar, devendo casar-se para garantir a sua sobrevivência. Neste livro, Charlotte Brontë através de Jane Eyre prova que as mulheres eram perfeitamente capazes de trabalhar e de ter uma vida, independentemente de se casarem ou não.

Existem alguns elementos simbólicos na história, como a cegueira após o incêndio na casa de Rochester (causado pela sua mulher Bertha Rochester, cuja existência permaneceu escondida por muito tempo dentro de sua própria casa). Ele fica cego e sua mulher morre. Rochester só volta a ver quando reencontra Jane, um ano depois do incidente, e após a morte da mulher.

Traduções para a língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Em “História do livro no Brasil”, Laurence Hallewell[1] defende que não houve nenhuma edição de Jane Eyre no Brasil até que a Francisco Alves o publicasse, em 1983, com tradução de Marcos Santarrita. Há, no entanto, várias traduções anteriores. A Editora Vozes, de Petrópolis, já possuía várias edições, sendo que a mais antiga seria de 1926, mas traduzido sob o nome “Joanna Eyre”. A Pongetti Irmãos Editora apresentou seguidamente várias edições, a mais antiga de 1942, com tradução de Sodré Viana.

Miécio Tati fez a tradução e adaptação da versão infanto-juvenil pelas Edições Ouro, em 1971.

Em Portugal talvez a mais antiga tradução seja a de João Gaspar Simões, para a Editora Inquérito, Lisboa, em 1941, intitulada “A Paixão de Jane Eyre”. A de Leyguarda Ferreira, para a Edição Romano Torres, Lisboa, é de 1965. A tradução de João Gaspar Simões foi também usada para a Coleção Inesquecível, da Difel, em 2004.

Atualmente, há outras traduções na língua portuguesa, como a de Lenita Maria Rimoli Esteves e Almir Piseta, para a Paz e Terra, em 1996, a de Waldemar R. Oliveira para a Editora Itatiaia, em 2008 e 2009, além da tradução realizada por Doris Goettems, em edição bilíngue, para a Editora Landmark em 2010. A L&PM Editores prepara uma nova tradução para 2013.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Hallewell, 1985, p. 375

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • HALLEWELL, Laurence (1985), O livro no Brasil: sua história, São Paulo: EdUSP. ISBN 85-85008-24-5, Coleção Coroa Vermelha, Estudos Brasileiros, v. 6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]