Jornal da Tarde (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jornal da Tarde (São Paulo)
Jornal da Tarde
Proprietário Grupo Estado
Fundação 4 de janeiro de 1966
Término de publicação 31 de outubro de 2012
Sede São Paulo, SP, BR
Página oficial www.jt.com.br

Jornal da Tarde, ou simplesmente JT, foi um jornal diário da cidade de São Paulo, Brasil. Sua primeira edição circulou em 4 de janeiro de 1966. A última, mais de 46 anos depois, em 31 de outubro de 2012.[1] Inicialmente vespertino, passou a matutino em 1988, por causa da piora no trânsito da cidade que atrasava a distribuição no começo da tarde. O JT foi um dos jornais que apostaram na escola do new journalism americano, de Gay Talese e Truman Capote.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Edição de Esportes[editar | editar código-fonte]

Surgida em 14 de setembro de 1964,[3] a Edição de Esportes era publicada pelo Grupo Estado nos domingos à noite, como forma de compensar o fato de o jornal O Estado de S. Paulo não circular às segundas-feiras para cobrir os acontecimentos esportivos do domingo. O jornal apresentou grandes mudanças, como inovação gráfica, uso de máquinas de telefoto e textos diferenciados.[4] Nos textos foram quebrados tabus como a utilização da palavra "gol" (costumava-se escrever "ponto") e marcas de carros que concorriam em Interlagos, o que era até então considerado publicidade.[4] A Edição de Esportes conquistou um Prêmio Esso em 1965, por uma reportagem sobre o futebol no interior de São Paulo de autoria de Hamilton de Almeida e Tão Gomes Pinto.[4] Mino Carta, que comandou tanto a Edição de Esportes como o início do JT, disse em 1991 que "era natural que um dia a Edição de Esportes fosse absorvida pelo Jornal da Tarde, o que não ocorreu de imediato".[4] Apesar de ambas as publicações terem convivido por alguns anos, a Edição de Esportes é considerada um "laboratório" para a criação do JT.[5]

Concepção e lançamento[editar | editar código-fonte]

O JT foi concebido e idealizado por Mino Carta, com o auxílio de Murilo Felisberto.[6] Eles foram incumbidos pela família Mesquita, de O Estado de S. Paulo, para criar um novo modelo de jornal no Brasil, diferente do tradicional, buscando inspiração no intenso movimento cultural e as mudanças de comportamento que ocorriam na segunda metade da década de 1960.[7] Sua primeira manchete, por exemplo, passou longe da política e da economia, assuntos que quase invariavelmente marcavam as manchetes dos outros jornais: "Pelé casa (sic) no Carnaval".[8] Essa manchete representou ainda a primeira vez que um veículo de comunicação publicou o nome da noiva, Rosemere dos Reis Cholbi, até então mantido em segredo pelo jogador[9] , embora a foto mostrada na capa fosse da irmã da noiva, o que só se descobriria no dia seguinte.[10] A política também tinha o seu espaço, mas com um enfoque mais informal que o do Estado, como na manchete publicada em 1966 para "comemorar" a saída de Ademar de Barros do governo do estado: "É um prazer ver este senhor pelas costas".[11]

Apesar do "generoso"[7] orçamento inicial, a empresa previa que o jornal fosse deficitário em seus primeiros anos[12] . Os jornalistas da redação, em sua maioria muito mais jovens que a média de outras redações, começaram a publicar edições experimentais conhecidas como "número zero" já em dezembro de 1965, um mês antes do lançamento, embora a Edição de Esportes tenha servido como laboratório.[5] A cada edição gerada seguia-se um debate, com correção diária de rumo e de visão, em busca do que seria o produto final, que inicialmente seria baseado no vespertino francês France Soir, mas que progressivamente foi abandonado como modelo.[7] A preocupação, de acordo com o diretor Ruy Mesquita, era "fazer alguma coisa que seria um misto entre um jornal diário e uma revista semanal".[7] O primeiro editorial definiu a nova publicação como de "estilo vibrante, irreverente, de um vespertino moderno que visa a atingir um público diferente daquele que, normalmente, lê apenas os matutinos".[7]

Com nova linguagem gráfica, claramente contrastando com o visual quase padronizado dos jornais da época, muitas vezes eram os próprios editores que cuidavam do desenho das páginas, ao contrário de outros jornais em que essas tarefas eram exclusivas dos diagramadores e diretores de arte.[7] Os repórteres não só tinham permissão, como eram encorajados a escrever textos mais próximos do estilo literário, inclusive na reportagem policial, com narração semelhante a um romance policial.[7]

A juventude da redação do JT era evidenciada pela diferença em relação à redação do Estado, que ficava do outro lado de um corredor no quinto andar do prédio onde ficava à época o Grupo Estado, na Rua Major Quedinho, no centro de São Paulo. Enquanto a primeira era muito barulhenta, com todos vestindo jeans e alguns até calçando sandálias, na segunda imperava o silêncio e todos, mais velhos ou mais jovens, usavam gravatas.[7] O corredor que dividia as redações era conhecido como "túnel do tempo"[7] , e a redação do JT era conhecida do outro lado do corredor como "os meninos do Ruy"[13] , em referência ao diretor do jornal, Ruy Mesquita.

A fase inicial, considerada por Ruy Mesquita como "a mais brilhante" da história do jornal, encerrou-se em meados dos anos 1970, quando o jornal teve de restringir seus gastos, não pôde mais investir apenas em poucos assuntos importantes e planejar grandes reportagens e perdeu o jeito de revista.[12]

Censura[editar | editar código-fonte]

A primeira briga com o governo veio já no primeiro ano de vida do jornal, que culminou com uma manchete que escancarava uma ameaça de censura, em 23 de dezembro de 1966: "Ditador quer calar a Imprensa".[7] Dois anos depois o governo quis impedir o jornal de publicar matéria sobre a crise no Congresso Nacional que culminaria no AI-5, o que foi rechaçado por telefone pelo diretor Ruy Mesquita, gerando reação da Polícia Federal, que bloqueou a saída do jornal pela Rua Major Quedinho.[14] O jornal seguia sendo impresso, mas os agentes diziam: "Pode rodar, mas distribuir não vai."[14] Pouco depois eles descobriram que o jornal estava nas bancas, e o próprio general Sílvio Corrêa de Andrade, chefe da DPF, saiu para recolher nas bancas os exemplares, que estavam saindo pela Rua Martins Fontes, oposta à Major Quedinho, por outra esteira.[14]

Na década seguinte o jornal sofreu, assim como seus concorrentes, censura na redação, por causa da ditadura militar então em vigor no Brasil. Por iniciativa de Ruy Mesquita[15] , notícias censuradas passaram a ser substituídas por receitas que não funcionavam (não apenas como maneira de protesto, mas também porque nem sempre a receita cabia no espaço deixado pela censura)[2] ou com títulos irônicos (por exemplo, "Aves à passarinho", em referência ao então senador Jarbas Passarinho)[8] . O título que fez mais sucesso foi "Lauto Pastel", crítica ao então governador paulista Laudo Natel.[14]

Em junho de 2008 o jornal classificou como censura uma decisão judicial que o impediu por alguns dias de publicar matéria com supostas irregularidades no Conselho Regional de Medicina de São Paulo.[16] Em julho do ano seguinte nova decisão judicial, pedida pelo empresário Fernando Sarney e dada pelo desembargador Dávio Vieira, impediu o Estado de publicar reportagens sobre a Operação Faktor, da Polícia Federal, mais conhecida como "Operação Boi Barrica", o que também foi classificado como censura pelo jornal.[17] Até hoje a decisão não foi revogada.

Inovações e suplementos[editar | editar código-fonte]

Por decisão de Murilo Felisberto, que substituiu Mino Carta na direção do jornal, o JT foi o primeiro jornal brasileiro a possuir oficialmente um editor de fotografia, Milton Ferraz. Foi ainda o primeiro jornal latino-americano a adotar a ecologia como causa, feito reconhecido pela Comissão das Nações Unidas para o Meio-Ambiente e Desenvolvimento.[18]

Além disso, o jornal criou primeiras páginas consideradas históricas. Numa delas o ex-presidente da República Jânio Quadros aparece numa foto de página inteira visivelmente embriagado e noutra um garoto é mostrado entre lágrimas, também em página inteira, por conta da eliminação da seleção brasileira pela Itália na Copa do Mundo de 1982. Sem usar fotos, mas com caricaturas do político Paulo Maluf, o jornal fez uma série de capas em 1983, em que o nariz de Maluf crescia a cada edição, por causa dos prejuízos da Paulipetro.[19] O jornal ainda publicou capas conceituais, com uma grande imagem sem manchete ou uma em que quatro assuntos eram apresentados com o mesmo destaque e a manchete pedia "ajuda" ao leitor: "Escolha aqui a sua grande manchete".[7] Por esse conceito inovador, o JT passou a ser, segundo o diretor Sandro Vaia, "objeto do desejo dos jornalistas".[2] Suas capas históricas já foram expostas no Masp.[20]

"Seu Bolso"[editar | editar código-fonte]

No início o jornal abordava assuntos econômicos geralmente apenas quando se tratavam de aumentos de preços e salários, mas o "Milagre Econômico", a primeira crise do petróleo e a censura então em vigor — que impedia que diversas notícias sobre política fossem publicavas e mutilava outras tantas — foram os principais motivos para a criação de uma seção de Economia, em 1974, chefiada por Celso Ming.[21] Com ele, reportagens especiais sobre temas específicos mereceram destaque, como um encarte especial sobre compra de imóveis, publicado em agosto de 1976.[21] A seção deu um Prêmio Esso ao jornal, com uma matéria de Ming mostrando a falência da Previdência Social.[21]

Em junho de 1981, período de grande instabilidade econômica no País, foi lançada a seção "Seu Dinheiro", sobre finanças pessoais, inicialmente chamada de "Entenda Economia"[22] e publicada em uma página. A seção fora idealizada quando da criação da editoria de Economia[23] , sete anos antes, e mais tarde projetada por Luis Nassif[24] . A arte da primeira página foi idealizada pelo então redator-chefe Fernando Mitre, que definiu a seção como "um divirtão trágico", em oposição à seção "Divirta-se".[23]

A seção circularia às segundas-feiras com orientações financeiras populares, escritas com um didatismo que Ming compararia mais tarde a "ensinar a pescar, em vez de entregar o peixe limpo e enfarinhado".[23] Apesar de conter textos mais longos, a seção só ganharia uma segunda página a partir de fevereiro de 1983 e tornar-se-ia diária a partir de abril de 1987.[23] As principais coberturas deram-se entre 1986 e 1990, com seguidas trocas de moeda no Brasil, e, a partir da última delas, o Plano Collor, em março de 1990, "Seu Dinheiro" tornou-se um suplemento, o que só não ocorreu antes por causa das limitações ao consumo de papel impostas justamente pelas crises econômicas.[23] Não demorou para diversos jornais passarem a ter colunas ou seções similares.[23] O suplemento, que entre os anos 1990 e 2000 foi publicado às terças-feiras em formato tabloide, tornou-se um caderno diário, agora chamado "Seu Bolso", em 2008.[25]

"Divirta-se" e "Caderno de Sábado"[editar | editar código-fonte]

Outro suplemento que marcou a história do jornal é o "Divirta-se", publicado como página diária já no primeiro número, com a proposta de descobrir alternativas culturais "para o leitor driblar a rotina".[26] Em 20 de agosto de 1970 a seção passou a ter duas páginas diárias e, mais tarde, passaria a ter mais espaço aos fins de semana, até virar um suplemento semanal, publicado às sextas-feiras, em 7 de junho de 1985, com indicações para o fim de semana.[26] A seção de Variedades, que por períodos na história do jornal foi substituída às sextas-feiras pelo "Divirta-se", foi pioneira em colocar informações sobre filmes exibidos na televisão e sobre o mercado de vídeo.[27] O "Divirta-se" continuou saindo em formato pequeno e grampeado, às sextas-feiras, até o fim do jornal, com ocasionais edições especiais quando de grandes eventos na cidade.

Na segunda metade dos anos 1970 o JT passou a ser publicado em dois cadernos, e o segundo foi batizado de "O seu caderno de Programas e Leituras".[28] Mais tarde a redação pressionou pela economia de palavras, e o título passou a ser "Caderno de Sábado".[28] A iniciativa do caderno, que continha ensaios e textos, foi de Ruy Mesquita, que o considerava "uma publicação das mais importantes na cidade no campo da cultura".[29] Em 10 de março de 1996 pela primeira vez o jornal passou a ter edições aos domingos. Nessa estreia, publicou um caderno chamado "Domingo", que teve vida curta, sendo depois incorporado ao primeiro caderno — depois sumiu.

"Jornal do Carro"[editar | editar código-fonte]

Em 4 de agosto de 1982, uma quarta-feira, foi lançado, também por Nassif[24] , o suplemento "Jornal do Carro", sobre veículos, com 16 páginas e o mesmo formato tabloide que mantém até hoje. Foi baseado numa coluna de mesmo nome que o jornal publicava desde o primeiro número.[30] Nessa coluna, em 1967, já tinha sido publicado um "furo", com fotos da primeira limusine brasileira, a Itamaraty Executivo, fabricada pela Willys Overland.[5] As fotos foram conseguidas com o aluguel de um helicóptero, e os seguranças presentes ao evento, numa chácara fechada na Rodovia Anchieta, tentaram esconder o carro com o corpo, alguns até tirando a roupa na esperança de que assim as fotos não fossem publicadas.[5] Publicado inicialmente uma vez por quinzena, passou depois a ser publicado todas as quartas-feiras e, desde os anos 2000, também aos sábados. A partir da edição de 27 de outubro de 2010 passou a circular também com O Estado de S. Paulo.[31]

Já nos primeiros meses o suplemento conquistou seu primeiro prêmio, o Prêmio Abraciclo, setorial, por uma reportagem sobre condução de motos com segurança.[30] A partir de agosto de 1987 o suplemento passou a ter cores nas capas e em eventuais páginas internas, uma inovação para a época, e a ser dividido em cadernos, para separar assuntos e também classificados.[30] Sua tabela de preços, que começou com 34 modelos de automóveis e seis de motocicletas, em um total de três mil cotações[30] , tornou-se referência no mercado[2] . Como o "Jornal do Carro" seguia sendo o suplemento automotivo mais lido em São Paulo[8] , quando o JT deixou de ser publicado ele migrou para o Estado. Segundo estimativas divulgadas pelo jornal, nas primeiras semanas a procura pelo Estado às quartas-feiras teria crescido 400%.[32]

"Edição de Esportes"[editar | editar código-fonte]

Às segundas-feiras, desde agosto de 2003, é publicada a "Edição de Esportes", caderno em formato tabloide que abordava a rodada do fim de semana no mundo esportivo (o caderno já tinha sido publicado em formato tabloide na primeira metade da década de 1970). Com numeração separada mantida até 2008, foi colecionado por diversos leitores, que ligavam para a redação procurando números faltantes, inclusive os chamados "números zero", que não foram às bancas.[33] A númeração separada foi mantida até 1 de abril de 2008. A partir do dia seguinte, todas as edições do caderno de esportes do jornal passaram a ser em formato tabloide, e a numeração separada das edições de segunda-feira deixou de fazer sentido.

O caderno é herança direta da Edição de Esportes, que circulava também às segundas-feiras nos anos 1970 e 1980 e é considerada por Paulo Vinicius Coelho "o melhor exemplo de cobertura esportiva" da época.[34]

Nesse tempo, o JT "arrasava em vendas às segundas-feiras"[35] e tinha uma cobertura mais completa das rodadas de meio de semana, porque seu horário de fechamento era posterior ao dos outros jornais. Chegou até a instituir o Troféu Jornal da Tarde, a ser entregue à equipe com o ataque mais positivo no Campeonato Paulista nos anos 1980.[36]

Em 1994 e entre 2002 e 2005, o JT conquistou o prêmio anual da Aceesp (Associação de Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo) como melhor equipe.[37] O JT também é citado pelo autor José Eduardo de Carvalho como uma das publicações responsáveis por levar o esporte "da cozinha para a sala de estar".[38]

Outros suplementos[editar | editar código-fonte]

O Grupo Estado empenhou-se ao longo dos anos 2000 na recuperação de mercado do JT, tentando imprimir-lhe a imagem de um jornal de mais facil leitura, ágil e defensor do leitor e do cidadão. Em 5 de abril de 2006 o jornal sofreu sua última grande reforma gráfica e passou a dar mais destaque à prestação de serviços. Em sua redação, foi reunida uma equipe de reportagem policial que contava com nomes como Ivan Ventura, Josmar Jozino e Marinês Campos. Nessa reforma gráfica foi reintroduzido um caderno falando de estilo de vida, chamado "Revista JT", que, apesar do nome, não era uma revista, mas um caderno em formato tabloide, grampeado, em papel semelhante ao sulfite. O suplemento era herança do caderno "Modo de Vida", publicado a partir de 1975 em uma página interna e a partir de 1985 como caderno, às quintas-feiras.[39] O próprio "Modo de Vida" já era herança da seção "Viver", que, por sua vez, tivera origem na seção feminina "Agora é que São Elas", publicada desde o segundo mês de vida do jornal.[39] Ao contrário de seus antecessores, o "Revista JT" não durou muito.

Em 2 de abril de 2008, mais uma reforma gráfica, baseada na anterior, teve como grandes novidades o caderno de esportes em formato tabloide ao longo de todos os dias da semana e a mudança de nome do caderno "Seu Dinheiro" que passou a ser diário, sob o nome de "Seu bolso".[40] De acordo com a edição do dia seguinte, as mudanças foram aprovadas pela maioria dos leitores.[41]

O jornal ainda publicava, às quintas-feiras, os cadernos "Link", originalmente "Informática", criado no início dos anos 1990 e rebatizado em meados dos anos 2000, e "Turismo", que estreou em 14 de dezembro de 1989 depois de ser apenas uma página semanal por alguns anos[42] . Ambos os cadernos deixaram de ser publicados nos anos 2010.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Até 1988 o JT fechava às 4 horas[22] , só circulava depois das 10h30 da manhã, não tinha assinaturas e era deficitário.[29] Uma reestruturação da empresa mudou tudo isso, e o jornal saiu do vermelho já no primeiro ano após a mudança[29] , embora o novo fechamento, às 23 horas, tenha feito com que o jornal fosse fechado "na correria"[22] . Três anos depois o jornal passou a buscar mercados mais específicos[43] , o que geraria diversas mudanças de rumo ao longo das duas décadas seguintes. "O JT se colocando em um segmento do mercado, provavelmente será imbatível", dizia o então diretor-superintendente do Grupo Estado, Francisco Mesquita, em janeiro de 1991, sem especificar a que segmento se referia. "Aliás, ele terá de ser, obrigatoriamente, líder nesse segmento prioritário. Nos outros, ele entrará naturalmente, sem essa preocupação de liderança."[43]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

A tira de quadrinhos Zé do Boné, publicada por décadas pelo jornal, gerou um processo de um advogado que se sentiu ofendido por uma piada em junho de 1980.[44] Em dezembro de 1990 o então governador de São Paulo Orestes Quércia disse que o JT não tinha "autoridade moral" para criticá-lo porque "vive subvencionado pela prostituição", em referência a anúncios de garotas de programa publicados nos classificados do jornal.[45] O episódio motivou um editorial criticando o governador e os "prostitutos da política".[45]

Uma entrevista com a atriz Tônia Carrero publicada em 5 de janeiro causou a demissão de um repórter. O jornal afirma que o repórter confirmou à sua chefia que a entrevista havia sido feita dois dias antes da publicação, informação desmentida pela assessoria de imprensa da atriz. Segundo o pedido de desculpas publicado pelo jornal em 9 de janeiro, a matéria fora realizada havia um ano.[46]

Circulação[editar | editar código-fonte]

O ano de 1990 foi o melhor da história do JT para Francisco Mesquita em entrevista dada no ano seguinte[43] : naquele ano a publicação era o jornal mais vendido em bancas na Grande São Paulo e tinha uma tiragem média que oscilava entre 120 mil (às terças, quintas, sextas e sábados) e 190 mil (às segundas e quartas).[29] No final dos anos 1990 o periódico passou por uma fase de queda nas vendas e tentou ocupar a lacuna deixada pelos tradicionais jornais populares paulistanos, como o Notícias Populares, extinto no início de 2001. Ao longo de 2007 o jornal viu sua circulação média diária na Grande São Paulo subir 6,8%, passando de 44,5 mil em dezembro de 2006 para 47,5 mil um ano depois. Naquele ano o jornal era o quinto em circulação na região, atrás, pela ordem, de O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, Agora e Diário de S. Paulo.[47] Dois anos depois o jornal decidiu concentrar as vendas apenas na Grande São Paulo, suspendendo a circulação no interior e em outros estados, a não ser por algumas cidades específicas. Com isso, sua circulação média em janeiro de 2011 foi de 42 775 exemplares, um número inferior ao de quatro anos antes, embora o jornal tenha ultrapassado o Diário, que teve circulação média de 33 761 naquele mês.[48] Em agosto de 2012 a circulação tinha caído, novamente, para 37 778 exemplares, mas mantendo uma venda de mais de cinquenta mil exemplares às quartas-feiras, com a distribuição do "Jornal do Carro".[49]

Fim da publicação[editar | editar código-fonte]

Em meados de outubro de 2012, o vazamento de uma suposta mensagem de correio eletrônico interna intensificou a suspeita de que o jornal deixaria de circular em 2 de novembro. O rumor havia se iniciado alguns dias antes, quando atendentes telefônicos do Grupo Estado passaram a informar que a empresa decidira suspender as vendas de novas assinaturas do diário.[50] O Grupo Estado, entretanto, apressou-se em desmentir publicamente a informação, embora sem informar o motivo da suspensão das assinaturas.[50] O porta-voz da empresa, o editor de conteúdo Ricardo Gandour, disse que a informação sobre a suspensão das vendas de assinaturas, passada em seus canais de atendimento, estava equivocada. Ainda assim, o comunicado continuou a ser transmitido após esse desmentido.[50]

A situação desagradou os profissionais da redação do jornal, já que a empresa não confirmava diretamente quais eram as suas intenções para o futuro da publicação. Na tarde do dia 23 de outubro, em uma assembleia realizada na calçada da Avenida Professor Celestino Bourroul, endereço da sede do Grupo Estado, a equipe do Jornal da Tarde, entre repórteres, editores e diagramadores, decidiu decretar estado de greve.[51] [52] [53] A medida, pouco comum na história dos grandes meios de comunicação da cidade, levou ao rápido agendamento de uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.[54]

No dia 29, mesma data da reunião no TRT, o Grupo Estado emitiu nota oficial, confirmando o encerramento das atividades do Jornal da Tarde. A última edição circulou em 31 de outubro. O "Jornal do Carro", que era encartado nas edições das quartas-feiras, foi incorporado ao jornal O Estado de S. Paulo.[55]

Jornalistas que passaram pelo jornal[editar | editar código-fonte]

   

Referências

  1. (29 de outubro de 2012) "Grupo Estado anuncia fim do Jornal da Tarde após 46 anos". UOL. Empresa Folha da Manhã.
  2. a b c d (04 de janeiro de 2006) "". Jornal da Tarde: 5A.
  3. Marina Novaes (14 de setembro de 2014). Aconteceu em 14 de setembro ArquivoEstado. Página visitada em 14/9/2014.
  4. a b c d (28 de janeiro de 1991) "Edição de Esportes". Jornal da Tarde: 14B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  5. a b c d (28 de janeiro de 1991) "A mudança de uma linguagem viciada". Jornal da Tarde: 11B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  6. Gabriel Manzano Filho. (12 de maio de 2007). "O jornalismo perde Murilo Felisberto". Jornal da Tarde: 5A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  7. a b c d e f g h i j k Ivan Angelo. (28 de janeiro de 1991). "…o jornal da era de Aquário". Jornal da Tarde: 3B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  8. a b c (4 de janeiro de 2008) "". Jornal da Tarde: 7A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  9. Castilho de Andrade. (25 de agosto de 2003). "Fala, meu rei". Jornal da Tarde: Edição de Esportes, p. 21. S.A. O Estado de S. Paulo.
  10. (28 de janeiro de 1991) "Historinha". Jornal da Tarde: 11B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  11. (4 de janeiro de 1975) "Libertados os escravos, começa a luta contra a monarquia". O Estado de S. Paulo: Suplemento do Centenário, p. 37. S.A. O Estado de S. Paulo. Página visitada em 10/2/2013.
  12. a b (28 de janeiro de 1991) "Ruy vê um bom futuro. Mas não amanhã". Jornal da Tarde: 8B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  13. (28 de janeiro de 1991) "Historinha". Jornal da Tarde: 12B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  14. a b c d (28 de janeiro de 1991) "Historinha". Jornal da Tarde: 7B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  15. (7 de dezembro de 2008) "'Mordaça no Estadão' sai dia 15". Jornal da Tarde: 11A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  16. (31 de julho de 2009) "Censura não intimidou em 68 e jornal foi apreendido". O Estado de S. Paulo. S.A. O Estado de S. Paulo. Página visitada em 1/11/2009.
  17. (31 de julho de 2009) "Justiça censura Estado e proíbe informações sobre Sarney". O Estado de S. Paulo. S.A. O Estado de S. Paulo. Página visitada em 1/11/2009.
  18. (28 de janeiro de 1991) "O primeiro jornal a se preocupar com a ecologia". Jornal da Tarde: 4B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  19. (3 de janeiro de 1998) "Livro recupera o passado nas capas dos jornais". O Estado de S. Paulo: Caderno 2. S.A. O Estado de S. Paulo.
  20. (4 de janeiro de 2009) "'JT' completa 43 anos de fundação". Jornal da Tarde: 8A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  21. a b c (28 de janeiro de 1991) "O mais importante: o bolso do leitor". Jornal da Tarde: 6B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  22. a b c (28 de janeiro de 1991) "Fernão pede só um pouco de paciência: o novo JT está chegando". Jornal da Tarde: 8B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  23. a b c d e f Celso Ming. (28 de janeiro de 1991). "Seu Dinheiro". Jornal da Tarde: 14B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  24. a b entrevista a José Arbex Jr., Renato Pompeu, Thiago Domenici, Marcos Zibordi, Mylton Severiano e Sérgio de Souza. (março de 2008). "Enfrentando a ferocidade da Veja". Caros Amigos (132): 29. Editora Casa Amarela.
  25. (1 de abril de 2008) "Economia vira caderno: Seu Bolso". Jornal da Tarde: 10A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  26. a b (28 de janeiro de 1991) "Divirta-se". Jornal da Tarde: 13B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  27. (28 de janeiro de 1991) "Na primeira fila do espetáculo cultural". Jornal da Tarde: 5B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  28. a b (28 de janeiro de 1991) "Caderno de Sábado". Jornal da Tarde: 13B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  29. a b c d (28 de janeiro de 1991) "Ruyzito, satisfeito com o apoio às novas propostas". Jornal da Tarde: 9B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  30. a b c d (28 de janeiro de 1991) "Jornal do Carro". Jornal da Tarde: 15B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  31. (27 de outubro de 2010) "Edição especial cheia de novidades". Jornal da Tarde (14 674): 20. S.A. O Estado de São Paulo. ISSN 1516‐294X.
  32. (19 de novembro de 2012) "'Jornal do Carro' eleva vendas do 'Estado' em bancas". O Estado de S. Paulo (43 497): B9. S.A. O Estado de São Paulo. ISSN 15162931.
  33. (18 de julho de 2005) "100 semanas de um sucesso total". Jornal da Tarde: Edição de Esportes, p. 22. S.A. O Estado de São Paulo.
  34. [[#CITAREF Coelho 2003|Coelho , 2003]], p. 89
  35. [[#CITAREF Coelho 2003|Coelho , 2003]], p. 90
  36. (12 de outubro de 1987) "Faixas tricolores". Placar (906): 54. Editora Abril.
  37. (5 de dezembro de 2005) "Aceesp: JT é tetra!". Jornal da Tarde: Edição de Esportes, p. 38. S.A. O Estado de S. Paulo.
  38. Stycer, Mauricio. História do Lance!: Projeto e prática do jornalismo esportivo. 1 ed. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2008. 179 pp. ISBN 978‐85‐98325‐90‐3
  39. a b (28 de janeiro de 1991) "Modo de Vida". Jornal da Tarde: 12B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  40. (31 de março de 2008) "Novidades no JT nesta quarta-feira". Jornal da Tarde: 6A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  41. Laís Cattassini. (3 de abril de 2008). "Leitores aprovam novidades". Jornal da Tarde: 11A. S.A. O Estado de S. Paulo.
  42. (28 de janeiro de 1991) "Turismo". Jornal da Tarde: 12B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  43. a b c (28 de janeiro de 1991) "Francisco: o JT no caminho certo". Jornal da Tarde: 9B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  44. (28 de janeiro de 1991) "Os quadrinhos, além de mero divertimento". Jornal da Tarde: 5B. S.A. O Estado de S. Paulo.
  45. a b (28 de janeiro de 1991) "Foi por isso que processaram o JT mais uma vez". Jornal da Tarde: 6C. S.A. O Estado de S. Paulo.
  46. (9 de janeiro de 2009) "'JT' pede desculpas a Tônia Carrero e aos leitores". Jornal da Tarde: 6C. S.A. O Estado de S. Paulo.
  47. (28 de janeiro de 2008) "Circulação dos jornais cresceu em 2007". O Estado de S. Paulo: B9. S.A. O Estado de S. Paulo.
  48. (27 de fevereiro de 2011) "Folha lidera venda de jornais no país". Folha de S. Paulo (29 915): B4. São Paulo: Empresa Folha da Manhã. ISSN 14145723. Página visitada em 27/2/2011. Requer assinatura.
  49. Rodrigo Manzano (16 de outubro de 2012). JT pode acabar no dia de Finados Meio&Mensagem. Página visitada em 20/10/2012.
  50. a b c Anderson Scardoelli (11 de outubro de 2012). Grupo Estado nega fim do JT, mas site exclui assinaturas do jornal Portal Comunique-se. Página visitada em 18/10/2012.
  51. Profissionais do Jornal da Tarde entram em estado de greve Folha de S. Paulo (23 de outubro de 2012). Página visitada em 20/11/2012.
  52. Jornal da Tarde: jornalistas decidem estado de greve Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo (24 de outubro de 2012). Página visitada em 20/11/2012.
  53. Em assembleia, redação do 'Jornal da Tarde' decide entrar em estado de greve Portal Imprensa (23 de outubro de 2012). Página visitada em 20/11/2012.
  54. TRT 2 realiza audiência envolvendo funcionários do 'Jornal da Tarde' JusBrasil (29 de outubro de 2012). Página visitada em 20/11/2012.
  55. Fabrício Calado (29 de outubro de 2012). 'Jornal da Tarde' deixará de circular após 46 anos; Grupo Estado fala em reduzir custos UOL Notícias. Página visitada em 20/11/2012.
  56. Ilustradora Conceição Cahú morre aos 62 anos Estadão (6 de janeiro de 2007). Página visitada em 20/11/2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Paulo Vinicius Coelho. Jornalismo Esportivo. [S.l.]: Contexto, 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]