Julia Kristeva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde agosto de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde agosto de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Julia Kristeva em 2008

Julia Kristeva (em búlgaro: Юлия Кръстева; 24 de junho de 1941) é uma filósofa, escritora, crítica literária, psicanalista e feminista búlgaro-francesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Viveu na França desde meados dos anos 1960. Kristeva tornou-se influente na análise crítica internacional, cultural e teoria feminista após publicar o seu primeiro livro Semeiotikè em 1969. Sua imensa massa de trabalho inclui livros e ensaios que abordam intertextualidade e a semiótica, nas áreas de lingüística, teoria e crítica literária, psicanálise, biografia e autobiografia, análise política e cultural, arte e história da arte. Juntamente com Barthes, Todorov, Genette, Lévi-Strauss, Lacan, Greimas, Foucault, e Althusser, ela permanece como uma das principais estruturalistas. Suas obras têm também um lugar importante no pensamento pós-estruturalista.

Nascida em Sliven, Bulgaria, Kristeva e a irmã frequentaram uma escola francofona de padres dominicanos. Mais tarde ingressou na Universidade de Sofia e como pós-graduada obteve uma bolsa que lhe permitiu imigrar para França em Dezembro de 1965 aos 24 anos de idade. Continuou a sua formação em diversas universidades Francesas

Obra[editar | editar código-fonte]

História da Linguagem[editar | editar código-fonte]

Capa do livro

Esse artigo aborda uma parte do livro História da linguagem, escrito por Julia Kristeva.

Esta obra é para quem pretende se iniciar nos domínios da Semiótica e da Linguística. O livro traça a história das sociedades primitivas às contemporâneas, abordando as diversas concepções de linguagem até às modernas descobertas que permitiram à linguística se constituir como ciência.

Nele, é possível ver até que ponto esse sistema de signos convencionais a que chamamos língua, fala ou discurso, e que constitui a mais específica particularidade da espécie humana, é complexo nas suas origens e na sua função.

Origens da Linguagem[editar | editar código-fonte]

A linguística não tenta estabelecer como a linguagem apareceu, mas desde quando o homem fala. Os investigadores da pré-história da linguagem estão se dedicando ao estudo das mais antigas etapas de escrita conhecidas, a fim de que elas permitam hipóteses sobre estágios anteriores, dos quais ainda não tomamos conhecimento. A linguística comparada pode deduzir certas leis linguísticas que nos permitem reconstruir o passado longíquo da linguagem.

A partir de estudo dos escritos podemos fazer deduções referentes não apenas à vida linguística, mas à vida social dos povos. Os fenômenos sociais podem ser assimilados à linguagem, e a partir do funcionamento linguístico podemos ter acesso às leis do sistema social.

Os estudos da estrutura específica do sistema linguístico propiciaram a construção de uma teoria a respeito do relativismo linguístico.

Antropologia e Linguística[editar | editar código-fonte]

A antropologia e a linguística estudam as línguas e as teorias linguísticas nas sociedades primitivas, a fim de elaborar um quadro dos diferentes modos de representação que acompanharam a prática linguística. Franz Boas é o principal responsável pelas formulações mais significativas nesse domínio.

Nas sociedades primitivas a linguagem é uma substância e uma força material. O homem primitivo não consegue distinguir matéria de espírito, real de linguagem, e ainda menos significante de significado: para ele, todos estes participam igualmente de um mundo diferenciado. O homem primata compreende a rede da linguagem como uma matéria consistente de tal forma que as semelhanças fônicas são para ele o índice de semelhança dos significados, e por conseguinte dos referentes.

A escrita irá marcar a formação das palavras e das coisas, em um processo de diferenciação e de classificação. Essa participação da linguagem no mundo e a sua complexa sistematização constituem o traço fundamental da concepção da linguagem em sociedades primitivas.

Os egípcios: a sua escrita[editar | editar código-fonte]

Escrita hierática: a primeira cursiva


A decifração dos signos egípcios só foi possível com Champollion, que estudou a pedra da Roseta e comparou o alfabeto grego aos hieróglifos, utilizando como eixo de correspondência os nomes Ptolemeu e Cleópatra.

Os tipos de escrita (segundo Champollion)[editar | editar código-fonte]
  1. Hieroglífica: signos estilizados, pictóricos
  2. Hierática: abreviação dos hieróglifos.
  3. Demótica: mais popular, para assuntos cotidianos, como a administração.
A utilização dos signos[editar | editar código-fonte]
  1. "signo-palavra" ou logograma: união significante-significado.
  2. fonograma: só representa sons e serve para escrever consoantes. Exemplo: péri significa "casa", mas como fonograma é utilizado para escrever palavras que contenham p e r. A noção de sílaba é ausente.
  3. determinativo: evoca uma noção e não é pronunciável. Evita confusão de palavras com as mesmas consoantes relacionando-as a classes diferentes. Isso demonstra uma sistematização lógica da linguagem.
O desaparecimento da escrita[editar | editar código-fonte]

O cristianismo, substituindo a religião egípcia, é uma hipótese para o declínio dos escribas-sacerdotes e sua escrita hieroglífica. Além disso, a escrita egípcia era muito diferente da fala, ou seja, estava distante das relações sociais. Quando os egípcios passaram a realizar trocas com os gregos (a sociedade comercial), essa escrita revelou-se ineficaz.

A civilização mesopotâmica: sumérios e acádios[editar | editar código-fonte]

Sumérios e acádios: localização
Escrita cuneiforme de 3000 a.C
Escrita cuneiforme[editar | editar código-fonte]

A civilização mesopotâmica elaborou a escrita cuneiforme, representada por grupos de cunhas gravados em argila, que tem suas origens no pictograma. Houve uma profunda evolução desse sistema lingüístico, que o fez passar da ideografia ao alfabetismo.

Evolução fonética[editar | editar código-fonte]

O sumério, língua viva desde o 4 a.C até 2 mil a.C, já era de certa forma fonográfico. E sua utilização pelos acádios, que teve por conseqüência o bilingüismo sumério-acádio intensificou a evolução fonética do sistema, e a formação da consciência de uma alfabetização da linguagem. Com a apropriação de determinados sons dos Sumérios pelos Acádios, ocorre a separação entre o significante e o significado, o que explicaria a mudança fonética dessa escrita; que, no entanto, nunca se tornou uma escrita alfabética.

A China: a escrita como ciência[editar | editar código-fonte]

Não há propriamente uma linguística chinesa. O conhecimento da linguagem é o estudo dos emblemas gráficos.

A polivalência chinesa[editar | editar código-fonte]

No sistema fonético chinês, cada sílaba pode ser pronunciada em 4 tons que modificam o seu valor. Além disso, a língua é monossilábica e há muitos homófonos. Essa polivalência estende-se ao campo morfológico e sintático. É o contexto, ou seja, o discurso, que define o valor preciso da palavra.

A relação coisa-som-sentido[editar | editar código-fonte]

Essa múltipla funcionalidade da palavra chinesa é muito assustadora, pois o homem busca, desde que nasce, relações fixas entre o nome (significante) e o que é nomeado (referente), formando em sua mente uma imagem também fixa (o significado) para essa associação. No chinês, a relação referente-significante-significado não aparece hierarquizada. Os três elementos confundem-se no ideograma. Mais do que um signo, a palavra torna-se um emblema (reprodução pictórica de algo abstrato). A palavra, ao representar a coisa, não a perde, apenas situa-a num plano em que artifícios gramaticais e sintáticos tornam sua compreensão possível. A palavra chinesa, então singularizada, aproxima-se da coisa que ela evoca, formando "língua" e "real" um só elemento.

Estágios dos emblemas[editar | editar código-fonte]
A evolução da escrita chinesa: do desenho ao ideograma
  1. Pictogramas (formas figuradas)
  2. Símbolos indiretos (formados por substituição). Exemplo: fu, "cheio", deriva do ideograma de "jarra".
  3. Complexos lógicos ou associativos (combinação de dois ou mais emblemas/encontro de ideias). Exemplo: hao, verbo "amar", é combinação dos emblemas de "mulher" e "criança".
  4. Os determinativos fonéticos (imagem e som): acrescentados a outros emblemas, podem estabelecer uma ponte semântica ou indicar a presença de radicais comuns. Por exemplo, t'ong ("juntamente") + jin (metal) = "cobre"


Nota-se, na composição dos caractéres chineses, uma articulação semântico-lógica, em que os signos não transpõem a fonética, mas esta surge de forma autônoma como resultado das manobras com significantes, significados e referentes.

Livro sobre gramático indiano Bhartrhari


A linguística indiana[editar | editar código-fonte]

Símbolo do Sphota

A organização da linguagem na Índia talvez constitua a mais antiga base da abstração da lingüística moderna, sua lingüística se aproxima da teoria da enunciação.

No início, a escrita era quase inexistente e a fonetização da escrita foi tardia. Suas fonéticas e gramáticas foram organizadas em estreita relação com a religião e o ritual védicos.

Teoria do Sphota[editar | editar código-fonte]

Segundo o gramático Patanjali, o sphota apareceria no fim da articulação de todos os sons da palavra, seria o ponto da explosão do sentido. Enquanto, para Bhartrhari, sphota é a unidade mínima do universo infinitamente divisível.

Ele considera que o som não é uma simples exterioridade do sentido e que a significação é um processo. A partir de suas reflexões, a lingüística indiana vai mais longe que a europeia ao declarar que não se pode parar a divisão da cadeia sonora em elementos sempre menores.

O alfabeto fenício[editar | editar código-fonte]

Alfabeto fenício
Moeda fenícia

A escrita fenícia é, geralmente, considerada como a antepassada do alfabetismo moderno.

Foi no mundo siro-palestiniano, mais particularmente entre os Fenícios, que se produziu uma notação puramente fonética das línguas, por meio de um número limitado de signos, que deram mais tarde o modelo do alfabeto que marca cada fonema.

Février a considera, porém, incompletamente fonética, pois, apesar de ter banir os ideogramas, continua a ser até certo ponto ideográfica.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Kristeva, Julia. História da Linguagem. Lisboa, Edições 70, 1974.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Séméiotiké. Recherches pour une sémanalyse, 1969;
  • Le Texte du roman. Approche sémiologique d´une structure discurcive transformationnelle, 1970;
  • História da Linguagem, 1974
  • About Chinese Women, 1974;
  • Revolution in Poetic Language, 1974;
  • Polylogue, 1977;
  • Powers of Horror. An Essay on Abjection, 1980;
  • Tales of Love, 1983;
  • Black Sun, 1987;
  • Strangers to Ourselves, 1988.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.