Leopoldo II, grão-duque da Toscana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Leopoldo II
Grão-duque da Toscana
Arquiduque da Áustria
Leopold Second of Tuscany.jpg
Leopoldo II
Governo
Reinado 1824 - 1859
Consorte Maria Ana da Saxónia
Maria Antónia das Duas Sicílias
Vida
Nascimento 3 de Outubro de 1797
Florença Bandiera del granducato di Toscana (1562-1737 ).png Grão-ducado da Toscana
Morte 29 de janeiro de 1870 (72 anos)
Roma, Itália
Filhos Carolina da Áustria
Augusta Fernanda da Áustria
Maximiliana da Áustria
Maria Isabel da Áustria
Fernando IV, Grão-duque da Toscana
Maria Teresa da Áustria, Princesa da Toscana
Maria Cristina da Áustria
Carlos Salvador da Áustria
Maria Ana da Áustria
Rainier da Áustria
Maria Luísa da Áustria
Luís Salvador da Áustria
João Salvador da Áustria
Pai Fernando III, Grão-duque da Toscana
Mãe Luísa das Duas Sicílias

Leopoldo II (Florença, 3 de outubro de 1797Roma, 29 de janeiro de 1870), da casa de Habsburgo-Lorena, foi o grão-duque de Toscana de 1824 até 1859.

Casou-se duas vezes: primeiro com a Princesa Maria Ana da Saxónia e, depois da morte dela em 1832, com a Princesa Maria Antónia das Duas Sicílias. Com a última teve o seu sucessor, Fernando. Leopoldo era reconhecido por ser um monarca liberal, autorizando a publicação da Constituição da Toscana de 1848 bem como a liberdade de imprensa.

O Grão-duque foi brevemente deposto por um governo provisório em 1849 apenas para ser restaurado no mesmo ano com a ajuda das tropas austríacas que ocuparam o estado até 1855. Leopoldo sentiu-se obrigado a ficar do lado austríaco durante a Segunda Guerra de Independência Italiana. A Toscana foi ocupada pelo rei Vítor Emanuel II da Sardenha enquanto o conflito durou. A família grã-ducal fugiu da Toscana no dia 27 de Abril de 1859, exilando-se em Bolonha. No dia 21 de Julho de 1859, Leopoldo abdicou do trono em favor do seu filho, Fernando. A sua subida não foi proclamada na Toscana e o seu reinado hipotético foi terminado pela declaração de deposição da Casa de Habsburgo pelo parlamento no dia 16 de Agosto do mesmo ano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Florença, Leopoldo II era filho de Fernando III, Grão-duque da Toscana e da Princesa Luísa Maria Amélia Teresa das Duas Sicílias. Os seus avós paternos eram o rei Fernando I das Duas Sicílias e a Arquiduquesa Maria Carolina da Áustria.

Sucedeu ao seu pai no dia 18 de Junho de 1824. Durante os primeiros vinte anos do seu reinado dedicou-se ao desenvolvimento interno do seu estado. A Toscana era o estado mais calmo e menos reaccionário de todos os despotismos italianos da época e, apesar de estar sempre sujeito à influência austríaca, ele recusou-se a adoptar os seus métodos de governo, permitindo leis justas de liberdade da imprensa e acolhendo vários exilados políticos de outros estados a ficar no seu.

Mas quando no inicio da década de 1840 um sentimento de inquietação se espalhou pela Itália, até as exigências por uma constituição e outras reformas políticas foram avançadas na Toscana. Em 1845 e 1846 começaram as revoltas em várias partes do país e Leopoldo convocou uma série de reformas administrativas. Mas a influência austríaca impediu-o de avançar mais, mesmo se ele tivesse desejado fazê-lo. A eleição do Papa Pio IX deu um novo impulso ao movimento liberal e, no dia 4 de Setembro de 1847, Leopoldo criou a Guarda Nacional - o primeiro passo no caminho para a constituição. Pouco depois o marquês Cosimo Ridolfi foi nomeado primeiro-ministro. A promulgação das constituições de Nápoles e de Piedmont foi seguida pouco depois pela da Toscana a 17 de Fevereiro de 1848, escrita por Gino Capponi.

As revoltas em Milão e Viena reavivaram o entusiasmo patriota na Toscana onde foi exigida uma guerra contra a Áustria. Leopoldo, cedendo à pressão popular, enviou uma força de voluntários para ajudar na campanha de Piemonte na Lombardia. O seu discurso no dia de partida foi inteiramente italiano e liberal. "Soldados," disse ele, "a causa sagrada da liberdade italiana está a ser decidida hoje nos campos da Lombarda. Já os cidadãos de Milão deram o seu sangue em troca da sua liberdade com um heroísmo apenas visto algumas vezes na História... Honra para as armas da Itália! Viva a independência italiana!" O contingente toscano lutou corajosamente, apesar de ter perdido.

No dia 26 de Junho o primeiro parlamento toscano juntou-se, mas os distúrbios causados pelas derrotas na campanha da Lombardia levaram à demissão do primeiro-ministro que foi sucedido por Gino Capponi. As revoltas continuaram, principalmente em Livorno, que esteve próximo da guerra civil e os partidos democráticos de Francesco Domenico Guerrazzi e Giuseppe Montanelli estavam a ganhar cada vez mais influência. Capponi demitiu-se e Leopoldo concordou com algumas reservas a nomear Montanelli-Guerrazzi para ministro que, por seu lado, tinha de lutar contra o extremista partido republicano.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Fernando III
Grão-Duque da Toscana
1824 - 1859
Armoiries Léopold II Habsbourg Lorraine.svg
Sucedido por
Fernando IV

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.