Lepisma saccharina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaLepisma saccharina
Silberfischchen.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Thysanura
Família: Lepismatidae
Género: Lepisma
Espécie: L. saccharina
Nome binomial
Lepisma saccharina
Linnaeus, 1758
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Lepisma saccharina
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Lepisma saccharina

Lepisma saccharina, conhecida popularmente como peixinho-de-prata ou ainda traça (bicho-da-prata ou apenas lepisma em Portugal), é um inseto desprovido de asas que se alimenta de carboidratos como açúcares e amido. Pertence à ordem Thysanura e existe há cerca de 300 milhões de anos. Este inseto não deve ser confundido com as traças (mariposas) pertencentes à ordem Lepidoptera.

Aparência[editar | editar código-fonte]

O comprimento de um lepisma, não incluindo seus membros, é de aproximadamente um centímetro. Seu brilho metálico se deve às escamas prateadas que surgem após a terceira muda.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Dependendo de sua condição de vida, o lepisma demora de quatro meses a três anos para atingir o estágio adulto. À temperatura ambiente, seu pleno desenvolvimento requer um ano. Sua vida pode durar entre dois e oito anos. Um lepisma que viva todo esse período pode sofrer aproximadamente oito mudas, apesar de elas poderem acontecer até quatro vezes ao ano, já que ele cresce constantemente.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Os lepismas se alimentam à noite e pertencem ao pequeno grupo daqueles que possuem a enzima celulase.

Os lepismas preferem alimentos ricos em amido ou polissacarídeos como a dextrina dos adesivos: cola, encardenações de livros, fotos, açúcar, cabelo, caspa e sujeira. Também podem consumir algodão, linho, seda, fibras artificiais e até mesmo insetos mortos e a pele das mudas.

Num período de fome, os lepismas podem estragar artigos de couro e pano de fibras artificiais. Em casos extremos, os lepismas são capazes de sobreviver sem se alimentar por vários meses e até um ano.

Eles são corretamente chamados de traças no Brasil pois causam danos a roupas, apesar dos danos serem bem pequenos.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Devido à sua natureza noturna, a reprodução dos lepismas só foi estudada recentemente. Estes precisam de um lugar úmido para se reproduzirem. Como no caso de alguns escorpiões, o macho coloca um saquinho ou cápsula fertilizante chamado espermatóforo no chão. O macho e a fêmea correm excitadamente durante todo o processo até que a cápsula seja recolhida pela fêmea.

Predadores[editar | editar código-fonte]

O principal inimigo natural dos lepismas é a tesourinha (Dermaptera). As aranhas também são suas inimigas mas não muito bem sucedidas já que os lepismas ficam a maior parte do dia em seus esconderijos.

Ícone de esboço Este artigo sobre insetos, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.