Matterhorn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Matterhorn/Cervino
O Matterhorn/Cervino visto de Zermatt
Matterhorn/Cervino está localizado em: Alpes
Matterhorn/Cervino
Coordenadas 45° 58' 35" N 7° 39' 30" E
Altitude 4478 m (14692 pés)
Proeminência 1040 m
Cume-pai: Weisshorn
Listas 4000s dos Alpes
Localização Fronteira  Itália/ Suíça
Cordilheira Alpes Peninos
Primeira ascensão 14 de julho de 1865 por Edward Whymper e equipe
Rota mais fácil Escalada

O Matterhorn ou Cervino (em francês: Cervin em italiano: Cervino) é talvez a montanha mais conhecida dos Alpes, a par do Monte Branco. Localizado na fronteira da Suíça com a Itália, a sua graciosa silhueta domina a cidade suíça de Zermatt e a cidade italiana de Breuil-Cervinia, no Valtournenche.

Foi a última grande montanha dos Alpes a ser escalada, talvez devido aos receios que provocava em muitos montanhistas. A sua primeira ascensão marca o final da idade de ouro do alpinismo de meados do século XIX. Apesar de se destacar com um desnível alto e forma triangular bem definida, não possui um valor elevado de proeminência topográfica pois muitos montes mais altos são próximos e unidos por tergos de altitude elevada (casos do Monte Rosa, Dom, Liskamm e Weisshorn). O seu cume-pai é o Weisshorn.

A sua vertente norte é uma das "grandes vertentes norte dos Alpes".

A sua forma inspirou a cultura ocidental em numerosas ocasiões, desde o formato do chocolate Toblerone, ao batismo de outros montes de forma semelhante (como o Machapuchare, o Matterhorn do Nepal), à decoração de capas de álbuns dos grupos Depeche Mode e Goldfrapp.

Características[editar | editar código-fonte]

Este acidente geográfico faz parte da divisória de águas entre o mar Adriático e o mar Mediterrâneo, e com 4478 m faz parte dos cumes dos Alpes com mais de 4000 m.

História da primeira escalada[editar | editar código-fonte]

Foi apenas em 14 de julho de 1865, depois de muitas tentativas falhadas, que Edward Whymper, Charles Hudson, Lord Francis Douglas, Douglas Hadow, e os guias Michel Croz e os Peter Taugwalder, pai e os dois filhos, que tentaram seguir a chamada rota Hörnli, conseguiram subir ao cume do Matterhorn/Cervino, tendo sido surpresos pela facilidade do percurso. Na descida Hadow terá escorregado, golpeando Croz nos pés e arrastando Hudson e Douglas consigo. Os sete estavam atados uns aos outros, e poderiam ter todos morrido, mas a corda rompeu-se, enviando os quatro atrás citados para a morte por queda no glaciar do Cervino, 1400 m abaixo. Os corpos de todos salvo o de Douglas foram descobertos mais tarde e foram enterrados em Zermatt.

Três dias depois, em 17 de julho, um grupo conduzido por Jean-Antoine Carrel alcançou o cume pelo lado italiano. Julio Elliott realizou a segunda subida pelo lado de Zermatt em 1868 e pouco depois Juan Tyndall também. Em 1871 Lucy Walker foi a primeira mulher a chegar ao topo, e semanas mais tarde também a sua rival Meta Brevoort o conseguiu.

Todas as arestas e faces do Matterhorn/Cervino já foram escaladas, em todas as estações do ano, e os guias de montanha acompanham centenas de pessoas pela rota Hörnli em cada Verão. Segundo os padrões modernos, a subida é técnica mas fácil, e os passos mais delicados têm colocadas seguranças permanentes para simplificar a subida. A rota mais seguida é iniciada em Zermatt por teleférico para continuar a marcha até ao Hörnli-hütte (3260 m.), um grande edifício de pedra na base da aresta de Hörnli, onde se passa uma noite. De madrugada bem cedo, (às 2-3 da madrugada), parte-se para ter tempo de alcançar o cume e descer antes que apareçam as nuvens e as tempestades da tarde.

O Matterhorn refletido no Riffelsee

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Matterhorn

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Matterhorn