Pavilhões Güell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pavilhões Güell.

Os Pavilhões Güell são um conjunto de edificações situados no bairro de Pedralbes, em Barcelona, obra do arquiteto modernista catalão Antoni Gaudí, construídos entre 1884 e 1887.[1] Em 1969, foram nomeados Monumento Histórico Artístico de Espanha.[2]

História e descrição[editar | editar código-fonte]

O empresário catalão Eusebi Güell possuía uma fazenda em Les Corts de Sarrià, na qual o arquiteto Joan Martorell, um dos mestres de Gaudí, havia construído um palacete de ar caribenho (demolido em 1919; em seu lugar foi construído o Palácio Real de Pedralbes). Güell encomendou a remodelação do palacete e a construção do muro exterior e dos pavilhões da portaria a Gaudí,[3] com quem mantinha uma frutuosa relação pessoal e profissional desde 1878,[4] quando ficara impressionado com o seu talento ao ver desenhos arquiteturais realizados por este na Exposição Universal desse ano em Paris.[5] O conde foi o principal mecenas de Gaudí ao longo da sua carreira, encomendando-lhe várias das suas obras mais conhecidas, como o Palácio Güell, o Parque Güell e a Cripta da Colónia Güell.[5]

Portão de entrada.

Gaudí realizou um projeto de ar oriental, que faz lembrar a arte mudéjar.[6] Realizado com alvenaria de pedra com várias portas, o muro exterior destaca-se pela entrada principal com um portão de ferro forjado em forma de dragão com olhos de vidro, obra de Joan Oñós, que representa Ládon, o dragão que guardava o Jardim das Hespérides, vencido por Hércules no seu undécimo trabalho - episódio narrado por Jacint Verdaguer no seu poema La Atlántida, dedicado a Antonio López y López, primeiro marquês de Comillas, que era sogro de Güell. No topo de uma coluna ao lado do portão existe uma macieira feita de antimónio, também alusiva ao Jardim das Hespérides. A forma do dragão corresponde à posição das estrelas da constelação da Serpente, na qual Ládon foi transformado como castigo pelo roubo dos pomos de ouro.[7]

As outras três entradas da fazenda perderam a sua utilidade com a criação da Avenida Diagonal; uma delas mantém-se ainda assim na sua localização original, junto ao cemitério de Les Corts, embora o seu portão de ferro forjado tenha sido transladado para a Casa-Museu Gaudí; outra foi restaurada em 1982 pela Universidade de Barcelona e situada junto ao Instituto de Geologia Francesc Almera; a terceira foi demolida para permitir a construção do edifício da Faculdade de Farmácia, tendo sido reconstruida junto ao mesmo em 1957.[8]

Lanterna do picadeiro.

Os pavilhões são compostos por uma cavalariça, um picadeiro e os edifícios da portaria. A cavalariça possui planta retangular e uma abóbada catalã parabólica; o picadeiro possui planta quadrada e uma cúpula de perfil hiperboloidal, rematada por uma lanterna; a portaria consiste de três pequenos edifícios, o maior de planta poligonal e cúpula hiperbólica, e os dois menores de formato cúbico. Os três são rematados por chaminés de ventilação cobertas com cerâmica.[9] A base dos pavilhões é de pedra, mas as paredes, os arcos e as abóbadas são de tijolo à vista de diversas tonalidades entre o amarelo e o vermelho - embora em algumas secções tenham também sido utilizadas peças pré-fabricadas de betão - e recobertos com cerâmica multicolorida.[1] [10]

Gaudí também se encarregou parcialmente do desenho dos jardins da fazenda, construindo duas fontes e uma pérgula, e plantando diversos tipos de plantas e árvores (pinheiros, eucaliptos, palmeras, ciprestes e magnólias).[10] Atualmente subsiste a Fonte de Hércules, localizada junto ao Palácio Real de Pedralbes e restaurada em 1983, contendo um busto do herói da mitologia grega sobre uma coluna, o escudo da Catalunha e um cano com a forma de um dragão chinês.[11]

Entre 1968 e 2008, os Pavilhões Güell foram a sede da Real Cátedra Gaudí, pertencente à Universidade Politécnica da Catalunha,[12] e nos seus terrenos localiza-se o jardim botânico da Faculdade de Biologia.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pavilhões Güell

Referências

  1. a b Gaudí: Pabellones Güell (em espanhol) Gaudí y el modernismo en Cataluña. Visitado em 9 de janeiro de 2012.
  2. a b Bassegoda i Nonell, El gran Gaudí, p. 268
  3. Bassegoda i Nonell, Gaudí o espacio, luz y equilibrio, p. 123
  4. Güell, Xavier (janeiro 2002). El Parc Güell o la especificidad de Gaudí (em espanhol) Barcelona: metròpolis mediterrània Ajuntament de Barcelona. Visitado em 9 de janeiro de 2012.
  5. a b Zimmermann, Robert (abril 2002). The Best of Gaudí (pdf) (em inglês). Visitado em 9 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 2 de julho de 2007.
  6. Crippa, Gaudí, p. 18
  7. Bassegoda i Nonell, Gaudí o espacio, luz y equilibrio, p. 125-126
  8. Bassegoda i Nonell, El gran Gaudí, p. 266
  9. Bassegoda i Nonell, Gaudí o espacio, luz y equilibrio, p. 124
  10. a b Crippa, Gaudí, p. 17
  11. Bassegoda i Nonell, El gran Gaudí, p. 275
  12. Càtedra Gaudí (em catalão) e-Gaudí Universidade Politécnica da Catalunha. Visitado em 9 de janeiro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]