Polícia Nacional de Timor-Leste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Polícia Nacional de Timor-Leste
Insígnia policial
Visão geral
Nome completo Polícia Nacional de Timor-Leste
Sigla PNTL
Fundação 2002 (12 anos)
Tipo Força policial civil (judiciária e ostensiva)
Subordinação Governo de Timor-Leste
Direção superior Ministério da Defesa e Segurança
Chefe Chefe de Polícia
Estrutura operacional
Sede Dili Timor-Leste
Portal da polícia
editar

A Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) é a força policial nacional do país.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Carros de PNTL
Polícia Nacional de Timor-Leste

A Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) foi criada em maio de 2002 pela Organização das Nações Unidas, após a independência do país, com a missão de prover a segurança pública, manter a lei e a ordem em todo território nacional, prestando um serviço policial confiável, profissional e isento.

O recrutamento para a nova instituição realizou-se a partir do ano de 2000, com o treinamento básico iniciando-se em 27 de março, sob a responsabilidade da Administração de Transição das Nações Unidas no Timor-Leste (UNTAET).

Iniciou as suas atividades em 10 de agosto de 2001, sob a denominação de Força Policial Civil das Nações Unidas ( CivPol), nome posteriormente mudado para Serviço Policial de Timor-Leste e, finalmente, para Polícia Nacional de Timor-Leste.

A partir da independência nacional, em 20 de maio de 2002, uma série de negociações possibilitaram transferir os serviços da CivPol para a PNTL, que os assumiu definitivamente em todo o pais a 10 de dezembro de 2003. [1]

Atualmente, subordina-se ao Ministro da Defesa e Segurança do Governo de Timor-Leste.

Atividades operacionais[editar | editar código-fonte]

Atuando como polícia judiciária e polícia ostensiva, essa força policial civil conta com as seguintes unidades especiais:

  • Unidade de Reserva Estratégica (unidade de operações especiais, para atuação em situações de criminalidade violenta)
  • Patrulha de Fronteira (para o patrulhamento das fronteiras do país, coibindo a entrada ilegal de estrangeiros e o contabando)
  • Força de Intervenção (nos moldes da unidade de controle de distúrbios da Guarda Nacional Republicana portuguesa, que atuava antes da independência)

No tocante à correição e inspeção da atividade policial e apuração dos desvios de conduta a corporação conta com a Unidade de Ética Profissional e Deontologia (PEDU), que luta contra a herança de um passado violento herdado da ocupação indonésia.

Referência[editar | editar código-fonte]

  1. Governo timorense aprova reativação da Polícia Nacional[1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]