Privação sensorial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde setembro de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Privação sensorial [1] ou isolamento de percepção é a redução ou remoção deliberada de estímulos de um ou mais sentidos. Dispositivos simples como vendas para olhos, ou protetores acústicos podem eliminar sinais auditivos e acústicos, enquanto outros dispositivos mais complexos podem eliminar o sentido do olfato, toque, sabor, térmico, e "gravitacional". Este método tem sido utilizado em várias medicinas alternativas e em experimentos psicológicos, como, por exemplo, em um "tanque de isolamento".[2]

Prisioneiro americano Jose Padilla

Um experimento que se utiliza da privação sensorial é o efeito Ganzfeld, no qual é necessário se garantir que o indivíduo a ser testado deve estar livre de quaisquer interferências externas que comprometam a qualidade dos resultados.

Pesquisas em privação sensorial[editar | editar código-fonte]

Prisioneiros na Base Naval de Guantanamo - Uso de Privação sensorial (2006)

O nome de Donald O. Hebb [3] esta ligado às pesquisas psicológicas que determinaram os efeitos do uso de privação sensorial e outros métodos que mais tarde vieram a fazer parte das técnicas de tortura desenvolvidas sob supervisão da CIA.Como Ewen Cameron, Hebb está também ligado à Universidade McGill no Canadá. Os resultados das pesquisas de Donald Hebb aparecem mais tarde como no caso das fotos de prisioneiros encapuzados, com óculos escurecidos e luvas grossas, ou em posições bizarras, na Prisão americana de Guantánamo e Prisão de Abu Ghraib sob comando americano. Do estudos de Hebb resultaram tais técnicas vistas como tortura. Hebb é visto como o precursor dos estudos que foram feitos no infame Projeto MKULTRA, na Universidade McGill, Canadá.

Naomi Klein[4] afirma em seu livro A Doutrina do Choque: a Ascensão do Capitalismo de Desastre[5] de que a pesquisa de Ewen Cameron no Instituto Allan Memorial e sua contribuição para o MKULTRA não eram sobre o controle da mente e lavagem cerebral, mas sim "como criar um sistema de base científica para a extração de informações de "diante de resistência." Ou seja, como criar técnicas eficazes de quebrar a resistência de um individuo - ou seja " Como aprimorar técnicas de tortura".

Ela cita o pesquisador e historiador Alfred W. McCoy[6] :"Com seus excessos bizarros, as experiências de Cameron, com base no avanço anterior de Donald O. Hebb, lançou as bases científicas para dois estágios método de tortura psicológica da CIA, afirma Alfred W. McCoy.[7] [8] [9]

Donald Hebb, falando em um simpósio na Universidade de Harvard sobre privação sensorial em junho de 1958, Hebb comentou:[10]

O trabalho que temos feito na Universidade McGill[11] , começou, na verdade, com o problema da lavagem cerebral. Nós não fomos autorizados a dizê-lo na primeira publicação .... "Lavagem cerebral" foi um termo que veio um pouco mais tarde, aplicado a procedimentos chineses. Nós não sabíamos quais os procedimentos russos, mas parecia que eles estavam produzindo algumas mudanças peculiares de atitude. Como? Um fator foi possível o isolamento de percepção. E nos concentramos nisso

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Donald Olding Hebb, Essay on Mind, Psychological Press, 1980
  2. Stuart Grassian Psychiatric effects of solitary confinement(PDF) This article is a redacted, non-institution and non-inmate specific, version of a declaration submitted in September 1993 in Madrid v. Gomez, 889F.Supp.1146.
  3. Jean-Pierre Didier, Emmanuel Bigand. Rethinking Physical and Rehabilitation Medicine: New Technologies Induce New Learning Strategies.He was also part of the now revealed secret agency that tested volunteered solitary confinement prisonersPutting them through tests that can cause madness and delusion that makes humans love inanimate objects and imagining fake objects/scenarios. Springer, 2010. ISBN 978-2-8178-0033-2.
  4. C-SPAN.org: Words Naomi Klein | Video | C-SPAN.org
  5. Naomi Klein: War, Terror, Catastrophe: Profiting From 'Disaster Capitalism' | Naomi Klein
  6. Alfred W. McCoy: History - People - Faculty - Alfred W. McCoy
  7. Salon.com: The 13 people who made torture possible - Salon.com
  8. Democracy Now!: Professor McCoy Exposes the History of CIA Interrogation, From the Cold War to the War on Terror | Democracy Now!
  9. TomDispatch: Alfred McCoy | Authors | TomDispatch
  10. Solomon, P., Kubzansky, Philip E., Leiderman, P. Herbert, Mendelson, Jack H., Trumbull, Richard, & Wexler, Donald , Eds. (1961). Sensory Deprivation: A Symposium Held at Harvard Medical School. Cambridge, MA, Harvard University Press.
  11. mcgilldaily.com: The McGill Daily » Arthur Porter
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.