Rui Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rui Rio em 2010.

Rui Fernando da Silva Rio GCIH (Porto, 6 de Agosto de 1957) é um economista e político português.

Carreira académica[editar | editar código-fonte]

Rui Rio foi aluno do Colégio Alemão do Porto e licenciou-se em Economia, na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, onde foi presidente da Associação de Estudantes e membro do Conselho Pedagógico.[1]

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

Como economista, Rui Rio iniciou a sua vida profissional na indústria têxtil, tendo, após o cumprimento do serviço militar obrigatório, trabalhado também na indústria metalomecânica. A meio da década de oitenta, passou para o sector bancário. Como quadro do Banco Comercial Português, foi responsável pela montagem de operações de financiamento no mercado primário, pelo processo de admissão à cotação nas Bolsas de Valores, pelo estudo e conceção de novos produtos financeiros e pela formação dos recursos humanos na área de Mercado de Capitais. Mais tarde, foi director financeiro da fábrica de tintas CIN, com especial responsabilidade na relação da empresa com o Mercado de Capitais.

Depois de ter interrompido a sua atividade como economista durante o período em que esteve profissionalmente ativo na política, em março de 2014, assumiu funções na Boyden - Executive Search [2] e na Neves de Almeida | HR Consulting[3] , empresas da área de gestão de recursos humanos. Desde janeiro de 2014, pertence, também, ao Comité de Investimentos do Millenium Fundo de Capitalização como membro independente e não executivo.

Rui Rio é vice-presidente da Assembleia-Geral da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas.[4] e foi administrador não executivo da Metro do Porto, de 2002 a 2010.[1]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Rui Rio entrou na política através da Juventude Social Democrata, onde foi vice-presidente da Comissão Política Nacional, entre 1982 e 1984. Entre 1996 e 1997 foi secretário-geral do PSD, com Marcelo Rebelo de Sousa. De 2002 a 2005 foi vice-presidente, com Durão Barroso e Pedro Santana Lopes, funções que repetiu, 2008 e 2010, com Manuela Ferreira Leite. Entre 1991 e 2001 foi deputado à Assembleia da República, pelo Círculo do Porto. Foi ainda vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD e seu porta-voz para as questões económicas.[1]

Em 2001 foi eleito presidente da Câmara Municipal do Porto,[5] tendo sido reeleito com maioria absoluta em 2005, contra Francisco Assis, e em 2009, contra Elisa Ferreira. Terminou o seu 3º e último mandato em 22 de Outubro de 2013, sendo a personalidade que, na História da cidade, durante mais tempo presidiu aos seus destinos. Durante 8 anos (2005-2013)[6] , presidiu também à Junta Metropolitana do Porto, o que, até hoje, constitui igualmente o período máximo de tempo no desempenho desse cargo. Foi presidente do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, entre 2003 e 2005.

Publicou Política In Situ (2002)[7] e Análise à Distribuição Regional do Investimento Público (1999)[8] , colaborou nos jornais O Comércio do Porto, Público e Diário Económico. Foi distinguido com o Prémio Personalidade Marketing Cidades e Regiões 2004 e, em 2005, com o Prémio Alfredo César Torres. Em 2012, ganhou o Prémio Carreira da Faculdade de Economia do Porto.

Condecorações[1] [editar | editar código-fonte]

Foi distinguido com:


Referências


Precedido por
Nuno Cardoso
Presidente da Câmara Municipal do Porto
8 de Janeiro de 2002 - 22 de Outubro de 2013
Sucedido por
Rui Moreira