Simão de Cirene

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Representação do momento em que Simão é obrigado a carregar a cruz

Simão de Cirene foi de acordo com os Evangelhos sinópticos um homem que foi obrigado pelos soldados romanos a carregar a cruz de Jesus Cristo até ao Gólgota, o local onde Jesus foi crucificado. Era pai de Alexandre e Rufo (Marcos 15:21) e levou a cruz a pedido dos soldados romanos (Mateus 27:32) até o lugar chamado "Gólgota" (Mateus 27:33 e Marcos 15:22) que hoje muitos chamam de "Calvário".

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

De acordo com os evangelistas Marcos e Lucas, Simão era oriundo de Cirene, nome de uma região do Norte de África que hoje se situa na Líbia; um erro comum de quem relata sobre esse personagem é pensar que se tratava de um nome, pois não era sobrenome do mesmo, mas o local de sua origem. Estes dois evangelistas afirmam que Simão "passava, vindo do campo" (Marcos 15:21; Lucas 23:26), o que pode significar que ele vinha naquele instante directamente de Cirene para a celebração da Páscoa judaica (em Cirene existia uma importante comunidade judaica) ou talvez vinha da área rural de Jerusalém (Atos 2:10).

O Evangelho de Marcos refere que Simão era pai de Alexandre e Rufo, o que pode indicar que era o progenitor de dois convertidos ao cristianismo conhecidos pelos leitores na altura em que este evangelho foi escrito. Segundo a Bíblia, em Romanos 16:13, o Apóstolo Paulo cita Rufo e sua mãe, segundo a tradição após Simão ajudar Jesus a carregar a cruz, este volta pra Cirene e conta o acontecido para sua família. Rufo que foi um jovem rejeitado pelo Sinédrio da época, após seu pai contar todo o ocorrido, como este conhecia um pouco a Torá dos judeus, ele identifica que o homem que seu pai ajudou a carregar a cruz, era o Messias; Sendo assim uma das primeiras famílias gentias evangelizadas após a crucificação.

O Evangelho de João não refere o episódio de Simão, dando pelo contrário ênfase à ideia de que Jesus teria carregado sozinho a cruz até ao Gólgota. Esta atitude pode encontrar-se relacionada com um desejo de tentar dissipar qualquer tipo de rumor relacionado com a substituição de Jesus por Simão de Cirene no momento da crucificação. É precisamente esta a visão islâmica sobre a vida de Jesus (Isa): este não morreu na cruz, tendo sido levado para o céu por Deus; Simão de Cirene (ou então Judas Iscariotes) morreu no seu lugar.

Quanto ao constrangimento de carregar a cruz imposto pelos soldados romanos faz surgir uma paralelo entre esse Simão de Cirene e Simão Pedro, que teria se vangloriado que seguiria Jesus até a prisão e até a morte (Lucas 22:33) quando na verdade o negou, enquanto um anônimo Simão, de origem conhecida, que nada tendo dito em favor de Jesus, tocou em algo "impuro" para os judeus - o sangue de Jesus - durante período de festa religiosa.

Por vezes Simão de Cirene é representado como um negro, devido à identificação deste com " Simão que tinha por sobrenome Niger" (em latim: Niger - "negro") de Atos 13:1.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Seleccções do Reader´s Digest - Grandes Personagens da Bíblia. Madrid, 1997. ISBN 972-609-208-6.
  • BROWNRIGG, Ronald - Who's Who in the New Testament. Routledge, 2001. ISBN 0-415-26036-1