Isa (profeta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Isa (em árabe: عيسى ʿĪsā) é o nome árabe de Jesus, considerado pelo Islão como um profeta.

Isa no Alcorão[editar | editar código-fonte]

O Alcorão não narra a vida de Isa de uma forma cronológica, nem a história da sua vida pôde ser encontrada numa só passagem; em vez disso as referências à sua pessoa tem geralmente como objetivo ilustrar um determinado ensinamento.

O Alcorão refere-se a Isa em quinze suras (capítulos) e em noventa e três (93) versos. Ele é designado nesta escritura de várias maneiras, como al-Masih (messias), nabi (profeta), rasul (mensageiro), Ibn Maryam (filho de Maria), min al-muiarraben (entre os que estão próximos de Deus), wadjih (digno de louvor neste mundo e no próximo), mubarak (abençoado) e Abd Allah (servo de Allah).

Nascimento[editar | editar código-fonte]

O episódio da Anunciação de Maria relatado no Alcorão assemelha-se ao relatado no Evangelho. Maria recebe a visita do anjo Gabriel (em árabe é Jibral, Jibrīl, Jibrael, Džibril, Jabrilæ ou Jibrail (جبريل, جبرائيل, [dʒibræːʔiːl], [dʒibrɛ̈ʔiːl], ou [dʒibriːl]) no Islam). O anjo anuncia a Maria o nascimento de Isa e esta mostra-se inquieta uma vez que era uma mulher não casada e virgem.

Para o islão a concepção de Isa foi o resultado de um decreto de Deus: a concepção de Isa foi miraculosa e semelhante à de Adam (Adão).

Quando Isa nasceu este falou com Maria do berço e mais tarde com a família desta. Para evitar o escândalo que era o facto de uma mulher não casada ter um filho, Isa anunciou à família de Maria que era um servo de Deus e um profeta com uma revelação escrita.

Isa enquanto profeta e messias[editar | editar código-fonte]

No islão Isa é simultaneamente um profeta (nabi) e um mensageiro (rasul) (Nota do Editor: Na verdade, todo Mensageiro é um Profeta). Isa foi enviado a um povo em concreto e para além disso Isa recebeu uma escritura sagrada, o Evangelho. A missão profética de Isa é concretizada na realização de milagres, no apelo a que a humanidade siga o monoteísmo e pratique a caridade.

A questão da crucificação[editar | editar código-fonte]

Os muçulmanos não acreditam que Isa tenha morrido na cruz, acontecimento sobre o qual assenta a teologia cristã.[1] [2] O Alcorão refere claramente que os judeus acreditaram que estavam crucificando Isa, mas que Deus o levou ao Céu, e que, antes da sua morte, Isa será uma testemunha contra os judeus.[3] Para a tradição muçulmana o homem que morreu no seu lugar foi Judas ou Simão de Cirene, tendo as pessoas sido iludidas a acreditar na sua crucificação. Esta visão do corpo de Isa como uma ilusão já existia no docetismo, doutrina cristã do século II. De acordo com a visão islâmica Isa continua vivo no céu; a sua morte só acontecerá nos últimos dias do mundo, quando ele regressar à terra e viver uma vida comum.

Referências

  1. Muhammed bin Abdullah as-Saheem, Christianity: The Origin and the Present Reality [1]
  2. Iran English Radio, A Glance at the Controversial Movie "The Passion of the Christ", 23 de Julho de 2007 [em linha]
  3. Alcorão, Sura IV: As Mulheres, 155-157 [em linha]