Virgindade perpétua de Maria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casamento da Virgem Maria e José. A doutrina da virgindade perpétua ensina que Maria teria permanecido virgem por toda a vida, mesmo durante o seu casamento com José.
1504. Por Rafael, atualmente na Pinacoteca di Brera, em Milão.

A doutrina da virgindade perpétua de Maria expressa a "real e perpétua virgindade de Maria mesmo no ato de dar à luz a Jesus, o Filho de Deus feito homem"[1] [2] . De acordo com esta doutrina, Maria permaneceu sempre virgem (em grego: ἀειπαρθένος - aeiparthenos), fazendo de Jesus seu único filho, cuja concepção e nascimento são considerados milagrosos[1] [2] .

Já no século IV, a doutrina era amplamente apoiada pelos Padres da Igreja e, no sétimo, foi afirmada num conjunto de concílios ecumênicos[3] [4] [5] . A doutrina é parte dos ensinamentos dos católicos, anglocatólicos, ortodoxos e ortodoxos orientais, como se comprova em suas liturgias, nas quais repetidamente se faz referência à Maria como "sempre virgem"[6] [7] [8] .

Alguns dos primeiros reformadores protestantes apoiavam a doutrina e figuras importantes do anglicanismo, como Hugo Latimer e Thomas Cranmer "seguiam a tradição que herdaram aceitando Maria como 'sempre virgem'"[9] . Contudo, a doutrina reformada posterior literalmente abandonou a ideia[10] [11] . A virgindade perpétua é, contudo, atualmente defendida atualmente por alguns teólogos anglicanos e luteranos[6] [12] [13] [14] .

Doutrina e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Theotokos "Fonte da Vida".
Ícone do século XVIII.

A doutrina da virgindade perpétua de Maria, que se acredita ser de fide (ou seja, defendida pelos católicos como sendo uma parte essencial da fé), afirma que Maria era virgem antes e permaneceu assim durante o parto de Jesus e por todo o resto de sua vida[1] [2] [15] . A natureza tripla desta doutrina (que faz referência a "antes", "durante" e "depois") pressupõe, assim, a doutrina do nascimento virginal de Jesus[1] [2] [15] .

A doutrina da virgindade perpétua é também distinta do dogma da Imaculada Conceição de Maria, que está relacionado à concepção da própria Virgem sem a mancha (macula em latim) do pecado original[16] .

O termo grego "aeiparthenos" ("sempre virgem") aparece já na obra de Epifânio de Salamina no início do século IV[17] e é amplamente utilizado na liturgia da Igreja Ortodoxa[18] . As orações litúrgicas ortodoxas tipicamente terminam com "Lembrando a nossa mais sagrada, pura, abençoada e gloriosa Senhora, a Theotokos e sempre virgem Maria"[19] .

O Catecismo da Igreja Católica (item 499) também inclui o termo aeiparthenos e, fazendo referência à constituição dogmática Lumen Gentium (item 57), afirma: "O nascimento de Cristo não diminuiu a integridade virginal de sua mãe, mas santificou-a"[20] [21] [22] .

A doutrina da virgindade perpétua é defendida também por algumas igrejas anglicanas e luteranas, mas não todas[6] .

Cristianismo primitivo[editar | editar código-fonte]

No século II iniciaram-se as primeiras discussões sobre a concepção de Jesus e a virgindade de Maria[23] . A maioria dos primeiros escritores cristãos aceitavam a concepção virginal de Jesus baseando-se nos relatos de Lucas e Mateus, mas, na época, o foco era a virgindade antes do nascimento e não durante ou depois[23] [24] .

A interpretação da afirmação em Mateus 1:25 de que José "não a conheceu enquanto ela não deu à luz um filho" e de várias menções no Novo Testamento sobre os chamados desposyni (literalmente, "irmãos do Senhor") se discute abaixo, na seção apropriada. Alguns dos primeiros autores cristãos, como Tertuliano, Helvídio e Eunômio de Cízico, interpretaram a afirmação de Mateus como significando que José e Maria teriam tido relações conjugais normais após o nascimento de Jesus e que Tiago, José, Judas e Simão eram de fato filhos biológicos de Maria e José, um ponto de vista para o qual há poucas evidências até antes da época deles[25] .

Um documento do século II que prestou especial atenção à virgindade de Maria era originalmente conhecido como "Natividade de Maria", mas se tornaria posteriormente conhecido como "Protoevangelho de Tiago"[2] [26] . Ele trata da virgindade de Maria antes do nascimento, da forma milagrosa pela qual ela deu a luz e sua virgindade física após o parto[27] [28] [29] . Ela também alega que os "irmãos" e "irmãs" de Jesus (que aparecem, por exemplo, em Mateus 13:56 e Marcos 6:3 - vide irmãos de Jesus) seriam filhos de José de um casamento anterior[30] .

Porém, não há consenso completo sobre a doutrina na época do cristianismo primitivo no final do século II. Como exemplo, Tertuliano (ca. 160 - ca. 225) não a ensina (embora ele ensine o nascimento virginal de Jesus), enquanto que Ireneu de Lyon (ca. 130 - ca. 202) o faz juntamente com outros temas marianos[24] . Porém, uma aceitação mais ampla começaria a surgir no século seguinte[24] .

Orígenes (185-254) tratou do assunto dos irmãos de Jesus e afirmou acreditar que eles eram filhos de José de um casamento anterior[31] . Helvídio apelou para a autoridade de Tertuliano contra a doutrina da virgindade perpétua, ao que Jerônimo (ca. 340 - 419) respondeu que "ele [Tertuliano] não era um homem da igreja"[32] .

Já no século IV, a doutrina já estava bem estabelecida[33] . Por exemplo, referências a ela podem ser encontradas nas obras do século anterior de Hipólito de Roma, que chamava Maria de "tabernáculo isento de poluição e corrupção" [34] e nas obras do século IV de Atanásio[35] , Epifânio[36] , Hilário[37] , Dídimo, o Cego[38] , Ambrósio[39] , Jerônimo[40] e do papa Sirício[41] a doutrina foi repetidamente atestada - uma tendência que ganhou ainda mais ímpeto no século seguinte[3] [4] .

Padres da Igreja e Idade Média[editar | editar código-fonte]

Para Maria: «Mulher, eis aí teu filho!» (João 19:26) Para o discípulo amado: «Eis aí tua mãe!» (João 19:27)
Vitral na Igreja de Saint-Pierre-ès-Liens de Montrem, Dordogne, França.

João Crisóstomo (347–407) defendia a virgindade perpétua baseado em diversos argumentos, um dos quais os comandos que Jesus deu à mãe no Calvário, «Mulher, eis aí teu filho!» (João 19:26), e ao discípulo amado, «Eis aí tua mãe!» (João 19:27)[42] [43] . Desde o século II estas duas frases de Jesus na cruz tem sido utilizadas como racionais para o fato de Maria não ter tido outros filhos e que "dessa hora em diante o discípulo a tomou para sua casa" justamente por que, após a morte de Jesus e de José, não haveria mais ninguém para cuidar de Maria[44] [45] .

No tempo de Gregório de Nissa e de Agostinho de Hipona, com a crescente ênfase na piedade mariana, um papel mais amplo de Maria começou a aparecer no contexto da história da salvação[5] . O próprio Agostinho apresentou diversos argumentos a favor da doutrina[46] [47] . No final do século IV, «Como será isso, uma vez que não conheço varão?» (Lucas 1:34) começou a ser interpretado como uma indicação de um "voto de perpétua virgindade" por parte de Maria[5] .

Este conceito de "voto de Maria" já tinha aparecido no Protoevangelho (4:1), que afirma que a Ana, a mãe de Maria, ofertou Maria como uma "virgem ao Senhor" no Templo e que José, um viúvo, serviria como seu guardião (a proteção legal para as mulheres dependiam de um guardião: pai, irmão ou, na falta destes, um marido)[48] . No início do século VII, no "Pequeno Livro sobre a Virgindade Perpétua da Abençoada Maria", Isidoro de Sevilha liga temas mariológicos e cristológicos ao relacionar a virgindade de Maria com a divindade de Cristo num único argumento[49] . O Concílio de Latrão de 649, que teve a presença de Máximo, o Confessor, explicitamente afirmou o ensinamento sobre a virgindade de Maria antes, durante e depois do parto[24] . A doutrina foi novamente afirmada no Sexto Concílio Ecumênico em 680[3] .

Outro livro, "A História de José, o Carpinteiro", do século VII, apresenta Jesus falando, na morte de José, de Maria como "minha mãe, virgem incorrupta"[50] .

Ao longo dos séculos, a interpretação de Maria como a "sempre virgem noiva do Senhor que tomou um voto de perpétua virgindade" se espalhou e estava consolidado na época de Ruperto de Deutz no século XII[5] . No século seguinte, Tomás de Aquino criou uma longa e detalhada defesa teológica da doutrina e afirmou que a negação da virgindade perpétua de Maria seria derrogatória para a perfeição de Cristo, um insulto ao Espírito Santo e uma afronta à dignidade da Mãe de Deus[51] [52] .

Maria, como a "segunda Eva"[editar | editar código-fonte]

Já no século IV, no contexto da discussão do plano de Deus para a salvação, um tema paralelo começou a aparecer no qual a obediência de Maria («faça-se em mim segundo a tua palavra.» (Lucas 1:38)) e a doutrina da perpétua virgindade foram contrapostas a Adão e Eva, da mesma forma que a obediência de Jesus já fora contraposta a Adão em Romanos 5:12-21[5] [24] .

O conceito de Maria como uma "segunda Eva" foi introduzido pela primeira vez por Justino Mártir por volta de 155[53] . Sob este ponto de vista, que foi discutido em detalhes por Ireneu, apoiado por Jerônimo e ganhou apoio depois, os votos de obediência e virgindade de Maria teriam colocado-a numa posição de "segunda Eva" como parte do plano de salvação da mesma forma que Jesus seria o Segundo Adão[5] [24] .

O tema desenvolvido pelos Padres da Igreja corria em paralelo ao desenvolvido pelo apóstolo Paulo em Romanos 5:18-21, no qual ele comparava o pecado de Adão com a obediência de Jesus à vontade do Pai até o Calvário: "Assim, pois, como por uma só ofensa veio o julgamento sobre todos os homens para a condenação, assim também por um só ato de justiça veio o julgamento sobre todos os homens para a justificação da vida"[54] . Da mesma forma, a obediência de Maria às afirmativas do arcanjo Gabriel e sua aderência a um voto de perpétua virgindade seriam remédios para o dano causado por Eva[55] .

O ensinamento da "segunda Eva" continuou a crescer entre os católicos e, ao discutir a virgindade perpétua, o Catecismo do Concílio de Trento, de 1566, explicitamente ensina que, enquanto Eva, ao acreditar na serpente, trouxe uma maldição sobre a raça humana, Maria, ao acreditar no anjo, trouxe-lhe uma benção[56] [34] .

Este conceito continua parte dos ensinamentos católicos. O papa Pio XII fez referência a ele em sua encíclica Mystici Corporis Christi e o papa João Paulo II também durante uma Audiência Geral no Vaticano em 1980[57] [58] .

Reforma Protestante[editar | editar código-fonte]

O início da Reforma Protestante em princípios do século XVI não provocou a rejeição imediata da doutrina da virgindade perpétua e diversos líderes protestantes mostraram variados graus de apoio a ela, sem, contudo, chegarem a endossá-la diretamente[59] [60] .

Os primeiros reformadores protestantes acreditavam que as escrituras requeriam a aceitação do nascimento virginal de Jesus, mas apenas permitiam que se aceitasse a virgindade perpétua[61] . Com o tempo, muitas igrejas protestantes pararam de ensinar a doutrina e outras, a negaram totalmente[10] [11] .

Apoio pelos primeiros reformadores[editar | editar código-fonte]

Emblem of the Papacy SE.svg

Série de artigos sobre
Mariologia católica
Murillo immaculate conception.jpg

Maria, mãe de Jesus
Devoção

HiperduliaImaculado CoraçãoSete AlegriasSete DoresTítulosSanto RosárioEscapulário do CarmoDireito Canônico

Orações marianas famosas

Ave MariaMagnificatAngelusInfinitas graças vos damosLembrai-vosSalve-rainha

Dogmas e Doutrinas

Mãe de DeusPérpetua VirgindadeImaculada ConceiçãoAssunçãoMãe da IgrejaMedianeiraCorredentoraRainha do Céu

Aparições
Crenças reconhecidas ou dignas de culto
GuadalupeMedalha Milagrosa
La SaletteLourdesFátimaCaravaggioProuille


Maria na arte


Doutrina da Igreja Católica

Martinho Lutero acreditava que Maria não havia tido outros filhos e que não houve relações conjugais com José. O texto em latim dos Artigos de Esmalcalde (1537), escrito por ele, utiliza o termo "sempre virgem" em referência à Maria[59] . Ele continuou a acreditar na doutrina por toda a vida, mesmo depois de ter rejeitado outros dogmas marianos[59] [62] [63] .

Zuínglio apoiava diretamente a virgindade perpétua e escreveu: "Eu acredito firmemente que [Maria],.... permaneceu sempre pura, intacta Virgem"[64] . Como ele, os reformadores ingleses também apoiavam o conceito da virgindade perpétua, mas geralmente variavam entre si sobre as razões[60] . O apoio de Lutero e Zuínglio à virgindade perpétua foi endossado por Heinrich Bullinger e foi incluído na Segunda Confissão Helvética em 1566[65] .

João Calvino era menos enfático em seu apoio pela ideia e não chegou a aceitá-la ou negá-la diretamente[60] , advertindo contra a ideia de uma "especulação ímpia" sobre o tema[65] . Porém, ele rejeitou os argumentos contra a virgindade perpétua que se baseavam na menção nas escrituras sobre os irmãos de Jesus entendidos como sendo outros filhos de Maria[66] .

Os reformadores anglicanos dos séculos XVI e XVII apoiaram a virgindade perpétua "com base na antiga autoridade cristã"[59] . No século XVIII, John Wesley, um dos fundadores do metodismo, também a defendeu e escreveu que "... nascido da abençoada Virgem Maria, que, tanto depois quanto antes de dar a luz a Ele, continuou pura e imaculada virgem"[59] [67] [68] .

Ensinamentos protestantes posteriores[editar | editar código-fonte]

Muitas igrejas protestantes atuais ensinam o nascimento virginal de Jesus sem implicar que Maria teria permanecido virgem pelo resto da vida[10] [11] .

Diarmaid MacCulloch, um historiador da Reforma, escreveu que a razão pela qual os primeiros reformadores defenderam a virgindade perpétua foi que a doutrina seria "a garantia da encarnação de Cristo", um ensinamento que estava sendo combatido por radicais que negavam também a virgindade perpétua[69] . Porém, a ausência de suporte bíblico claro expressando a doutrina combinado com o princípio da sola scriptura acabaram por evitar referências à doutrina nos credos reformados, o que, combinado com a tendência de associar a veneração a Maria com idolatria[70] e com a rejeição do celibato clerical[71] , finalmente levou à negação completa da doutrina entre os protestantes, que, assim, despreocupados com a virgindade perpétua, passaram a entender os "irmãos de Jesus" como sendo mais naturalmente (mas não "certamente") filhos de Maria ao invés de primos ou filhos de José de outro casamento[72] .

Porém, alguns acadêmicos luteranos conservadores como Franz Pieper (1852–1931) se recusaram a seguir a tendência geral entre os protestantes de insistir que Maria e José tiveram relações e filhos após o nascimento de Jesus. Está implícito em sua obra, "Christian Dogmatics", que a crença na virgindade perpétua de Maria é a mais antiga e tradicional entre os luteranos[73] . Ele afirmou que "nós devemos simplesmente defender que [Maria] permaneceu virgem após o nascimento de Cristo por que as escrituras não afirmam e nem indicam que ela teria perdido sua virgindade"[74] . Ele ensinou também que "Cristo, nosso Salvador, era fruto real e natural o útero virginal de Maria... O que se deu sem a cooperação de um homem e ela permaneceu virgem depois disto" e que "Cristo... era o único filho de Maria e que a Virgem Maria não teve outros filhos além dele... Eu estou inclinado a concordar com os que declaram que os 'irmãos' na verdade são 'primos' aqui, pois os evangelistas e os judeus sempre chamam primos de irmãos"[75] .

Escrituras[editar | editar código-fonte]

Jesus e Tiago, conhecido como "irmão do Senhor" (por ex. em Gálatas 1:18-20)
Ícone russo.

Algumas passagens no Novo Testamento tem sido utilizadas para materializar objeções à doutrina da virgindade perpétua enquanto que outras, para apoiá-lo.

Uma das objeções diz respeito à menção dos irmãos e irmãs de Jesus[76] , entre eles Tiago, José, Simão e Judas. Eles já foram interpretados como sendo filhos de José e Maria por Tertuliano e, talvez, por Hegésipo, mas que, quando Helvídio o fez, encontrou a oposição de Jerônimo, que, aparentemente, deu voz à opinião geral cristã da época[77] . Ele defendia que os "irmãos" em questão seriam filhos de Maria, a mãe de Tiago e José nomeada em Marcos 15:40 e Marcos 15:47, uma irmão de Maria, mãe de Jesus (João 19:25)[77] [78] , sendo, portanto, primos de Jesus.

Outro ponto de vista, expressado por Eusébio e Epifânio, é o de que eles seriam filhos de José de um casamento anterior[77] . A visão moderna é de que eles eram filhos de Cleófas, um irmão de José de acordo com Hegésipo, e "Maria, mãe de Tiago e José", uma cunhada e não irmã de Maria, a mãe de Jesus[77] . O livro de 1978 "Mary in the New Testament: A Collaborative Assessment by Protestant and Roman Catholic Scholars"[79] conclui que "não se pode dizer que o Novo Testamento identifique-os [os "irmãos e irmãs de Jesus"] sem dúvida como irmãos e irmãs de sangue e, assim, como filhos de Maria"[80] .

Mateus 1:25 afirma que José não teve relações conjugais com Maria "até" (em grego: ἕως οὗ) o parto de Jesus. Escritores como R.V. Tasker[81] e D. Hill[82] argumentam que isto implicaria que Maria e José tiveram relações conjugais normalmente depois disso. Outros, como K. Beyer, lembram que o grego ἕως οὗ depois de uma negativa "geralmente não tem nenhuma implicação sobre o que acontece depois do limite do 'até' ter sido alcançado"[83] e Raymond E. Brown observa que "o contexto imediato favorece a ausência de uma implicação futura aqui, pois Mateus está preocupado apenas em reforçar a virgindade de Maria antes do nascimento da criança"[83] .

Por outro lado, a resposta de Maria ao arcanjo Gabriel quando lhe foi anunciado que ela iria conceber, «Como será isso, uma vez que não conheço varão?» (Lucas 1:34), tem sido interpretado, pelo menos desde a época de Gregório de Nissa, como indicativo de que ela teria feito um voto de perpétua virgindade, mesmo casada: "Pois se José a tivesse tomado como esposa, com o objetivo de ter filhos, por que ela teria se espantado com o anúncio de sua maternidade, uma vez que ela própria já havia aceitado se tornar mãe de acordo com a lei da natureza?"[84] . Esta interpretação, ainda que mantida por muitos, é rejeitada por escritores como Howard Marshall.[85] e é considerada implausível por Raymond E. Brown.[86] .

Uma passagem utilizada para apoiar a doutrina é uma das frases de Jesus na cruz, um par de comandos que ele deu à sua mãe, «Mulher, eis aí teu filho!» (João 19:26), e ao discípulo amado, «Eis aí tua mãe!» (João 19:27)[44] [45] [87] . Evangelho de João em seguida afirma que "dessa hora em diante o discípulo a tomou para sua casa". Desde o tempo dos Padres da Igreja estes versículos tem sido utilizados para explicar por que, na época da morte de Jesus, não havia ninguém mais vivo na família imediata da Maria para tomar conta dela e, por isso, ela teve que ser confiada a um discípulo[44] [45] [87] . O papa João Paulo II também fez uso dela para defender a virgindade perpétua[45] [88] [89] . Ele também acrescentou que o comando "Eis aí o teu filho!" não simplesmente para confiá-la ao discípulo, mas também para confiá-lo a Maria, preenchendo-lhe o vazio maternal provocado pela perda de seu único filho na cruz[90] [91] .

Perspectiva islâmica[editar | editar código-fonte]

Na Sura 19 (chamada Maryam)[92] , o Corão declara que Jesus foi o resultado de uma concepção virginal (versos 20-22) e alguns estendem esta interpretação como significando também a virgindade perpétua de Maria[93] [94] . Não há uma crença doutrinária clara sobre se ela se manteve ou não virgem depois do nascimento de Jesus[95] [96] .

No islã, Jesus e Maria foram as duas únicas crianças que não foram tocadas por Satã no momento do nascimento, pois Deus colocou um véu entre eles[97] . O Corão também conta a história da Anunciação e do Nascimento de Jesus (Sura 3 e 19)[98] .

Virgindade perpétua na arte[editar | editar código-fonte]

Segundo a tradição, teria sido Salomé que ajudou Maria no parto de Jesus e que descobriu, assim, que ela teria permanecido virgem.
Século XIII. Afresco de Giotto na Capela Scrovegni, em Pádua, na Itália.

A virgidade de Maria na época da concepção de Jesus é um tópico importante na arte mariana, geralmente representado como sendo a anunciação a Maria pelo arcanjo Gabriel de que ela iria conceber virginalmente uma criança que seria o Filho de Deus. Afrescos representando a cena aparecem em igrejas católicas há muitos séculos[99] , sendo o mais antigo um exemplo do século IV na Catacumba de Priscila em Roma[100] .

A virgindade de Maria depois da concepção de Jesus aparece também na arte cristã de tradições ortodoxa e ortodoxa oriental (e também na ocidental) ao incluir nas cenas da Natividade a figura de Salomé, a quem o Evangelho de Tiago apresenta como a pessoa que descobriu que Maria teria preservado sua virgindade mesmo depois do parto[101] [102] . Em muitos ícones, a virgindade perpétua de Maria é representada por três estrelas que aparecem à sua esquerda, direita e sobre (ou na) sua cabeça, que representam a virgindade antes, durante e depois do parto[103] [104] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Mark Miravalle, 1993, Introduction to Mary, Queenship Publishing ISBN 978-1-882972-06-7, pages 56-64
  2. a b c d e Mary in the New Testament edited by Raymond Edward Brown 1978 ISBN 0-8091-2168-9 page 273
  3. a b c The Blackwell Companion to Catholicism by James Buckley, Frederick Christian Bauerschmidt, Trent Pomplun 2010 ISBN 1-4443-3732-7 page 315
  4. a b The International Standard Bible Encyclopedia by Geoffrey W. Bromiley 1995 ISBN 0-8028-3785-9 page 271
  5. a b c d e f Mary in the New Testament edited by Raymond Edward Brown 1978 ISBN 0-8091-2168-9 pages 278-281
  6. a b c Merriam-Webster's encyclopedia of world religions by Merriam-Webster, Inc. 1999 ISBN 0-87779-044-2 page 1134
  7. Catechism of the Catholic Church §499
  8. Divine Liturgy of St John Chrysostom, Coptic Liturgy of St Basil, Liturgy of St Cyril, Liturgy of St James, Understanding the Orthodox Liturgy etc.
  9. Timothy Bradshaw, "Commentary and Study Guide on the Seattle Statement Mary: Hope and Grace in Christ of the Anglican – Roman Catholic International Commission").
  10. a b c What Every Catholic Should Know about Mary by Terrence J. McNally 2009 ISBN 1-4415-1051-6 page 170
  11. a b c Christian confessions: a historical introduction by Ted Campbell, 1996 ISBN 0-664-25650-3 page 47
  12. Jackson, Gregory Lee, Catholic, Lutheran, Protestant: a doctrinal comparison. 1993 ISBN 978-0-615-16635-3 page 254
  13. Richard R. Lorsch, All the People in the Bible (Eerdmans 2008 ISBN 978-0-80282454-7), p. 283
  14. Dwight Longenecker, David Gustafson, Mary: A Catholic Evangelical Debate (Gracewing 2003 ISBN 978-0-85244582-2), p. 64
  15. a b Vatican website Catechism of the Catholic Church item 499
  16. A history of the church in the Middle Ages by F. Donald Logan, 2002, ISBN 0-415-13289-4, p150
  17. Joseph, Mary, Jesus by Lucien Deiss, Madeleine Beaumont 1996 ISBN 0-8146-2255-0 page 30
  18. The image of the Virgin Mary in the Akathistos hymn by Leena Mari Peltomaa 2001 ISBN 90-04-12088-2 page 127
  19. Eastern Orthodoxy through Western eyes by Donald Fairbairn 2002 ISBN 0-664-22497-0 page 100
  20. Catechism of the Catholic Church by the Vatican, 2002 ISBN 0-86012-324-3 page 112
  21. Vatican website: Catechism item 499
  22. Vatican website: Lumen Gentium item 57
  23. a b "The Theme of Mary's Virginity", in Mary in the New Testament edited by Raymond Edward Brown 1978 ISBN 0-8091-2168-9 pages 267-277
  24. a b c d e f Encyclopedia of theology: a concise Sacramentum mundi by Karl Rahner 2004 ISBN 0-86012-006-6 pages 896-897
  25. M. DelCogliano Tradition and Polemic in Basil of Caesarea's Homily on the Theophany - Vigiliae Christianae, 2012, p. 41: "Outra objeção à virgindade perpétua de Maria, para a qual, porém, há poucas evidências antes do meio do século IV (o que será discutido em detalhes mais adiante), foi baseada na interpretação de Mateus 1:25, segundo o qual José se absteve de relações conjugais com Maria 'até' o nascimento de Jesus, mas as teria iniciado depois do nascimento dele."
  26. L. Gambero, Mary and the Fathers of the Church trans. T. Buffer (San Francisco: Ignatius, 1991), p. 35.
  27. Protoevangelium of James (M.R. James translation), XIX-XX
  28. L. Gambero, Mary and the Fathers of the Church trans. T. Buffer (San Francisco: Ignatius, 1991), p. 40.
  29. Quasten, Patrology 1:120-1.
  30. Protoevangelium capítulos 7–8.
  31. The Westminster handbook to Origen by John Anthony McGuckin 2004 ISBN 0-664-22472-5 page 150
  32. Tertullian, Treatises on marriage and remarriage: - Page 160 ed. T. C. Lawler, Walter J. Burghardt - 1951 "Helvídio apelou para a autoridade de Tertuliano em seu ataque à doutrina da virgindade perpétua de Maria,... Eu não tenho nada mais a dizer exceto que ele não era um homem da igreja ('Ecclesiae hominem, non fuisse')."
  33. L. Gambero, Mary and the Fathers of the Church trans. T. Buffer (San Francisco: Ignatius, 1991) pp. 97-98; and also for an overview of each source.
  34. a b This Is the Faith by Francis J. Ripley 1973 ISBN 0-85244-678-0 page 264
  35. Athanasius, Orations against the Arians 2.70
  36. Epiphanius of Salamis, The Man Well-Anchored 120, c.f. Medicine Chest Against All Heresies 78:6
  37. Hilary of Poitiers, Commentary on Matthew §1:4
  38. Didymus the Blind, The Trinity 3:4
  39. Ambrose of Milan, Letters 63:111
  40. Jerome, Against Helvetius, 21
  41. Denziger §91
  42. Mary for evangelicals: toward an understanding of the mother of our Lord by Tim S. Perry, William J. Abraham 2006 ISBN 0-8308-2569-Xpages 153-154
  43. John 11-21 by Joel C. Elowsky 2007 ISBN 0-8308-1099-4 page 318
  44. a b c Burke, Raymond L.; et al. (2008). Mariology: A Guide for Priests, Deacons, Seminarians, and Consecrated Persons ISBN 978-1-57918-355-4 pages 308-309
  45. a b c d Mark Miravalle, 1993, Introduction to Mary, Queenship Publishing ISBN 978-1-882972-06-7, pages 62-63
  46. Augustine through the ages: an encyclopedia by John C. Cavadini 1999 ISBN 0-8028-3843-X page 544
  47. St. Augustine, Faith, Hope & Charity By J. Kuasten, Saint Augustine (Bishop of Hippo.) 1978 ISBN 0-8091-0045-2 page 126
  48. Protoevangelho de Tiago 4, 7, 8-9, 15
  49. The History of Theology: Middle Ages by Giulio D'Onofrio, Basil Studer 2008 ISBN 0-8146-5916-0 page 38
  50. Saint Joseph: His Life and His Role in the Church Today by Louise Bourassa Perrotta 2000 ISBN 0-87973-573-2 page 86
  51. Aquinas on doctrine: a critical introduction by Thomas Gerard Weinandy, John Yocum 2004 ISBN 0-567-08411-6 page 95
  52. The Westminster handbook to Thomas Aquinas by Joseph Peter Wawrykow 2005 ISBN 0-664-22469-5 page 91
  53. What Every Catholic Should Know about Mary by Terrence J. McNally 2009 ISBN 1-4415-1051-6 page 185
  54. An exposition of the epistle of Saint Paul to the Philippians by Jean Daille 1995 ISBN 0-8028-2511-7 pages 194-195
  55. Blessed one: Protestant perspectives on Mary Beverly Roberts Gaventa, Cynthia L. Rigby 2002 ISBN 0-664-22438-5 page 64
  56. The Catechism of the Council of Trent Translated Into English by Theodore Alois Buckley, ISBN 1-112-53771-6 pages 45-46 (Article III, Chapter VI, Question IX) [1]
  57. Varican website: Mystici Corporis Christi
  58. Vatican website: Pope John Paul II General Audience March 12, 1980
  59. a b c d e Christian confessions: a historical introduction by Ted Campbell 1996 ISBN 0-664-25650-3 page 150
  60. a b c Encyclopedia of the Reformed faith by Donald K. McKim, David F. Wright 1992 ISBN 0-664-21882-2 page 237
  61. Reformation of church and dogma (1300-1700) by Jaroslav Jan Pelikan, 1985, ISBN 0-226-65377-3, p339
  62. Luther's Works, 22:214-215
  63. "Sermon on the Presentation of Christ in the Temple", Luthers Werke 52:688- 99,quoted in Jaroslav Pelikan, Mary through the Ages, 158, and Martin Luther's Theology of Mary
  64. Zwingli, Ulrich; Egli, Emil; Finsler, Georg; Zwingli-Verein, Georg; Zürich. Huldreich Zwinglis sämtliche Werke (em <Língua não reconhecida>). [S.l.]: C. A. Schwetschke und Sohn, 1905. p. 385. vol. 1. Visitado em 2008-07-01.
  65. a b Blessed one: Protestant perspectives on Mary by Beverly Roberts Gaventa, Cynthia L. Rigby 2002 ISBN 0-664-22438-5 page 119
  66. Harmony of Matthew, Mark & Luke, sec. 39 (Geneva, 1562), / From Calvin's Commentaries, tr. William Pringle, Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1949: "Helvídio mostrou uma ignorância excessiva ao concluir que Maria deve ter tido muitos filhos por terem sido mencionados às vezes os 'irmãos' de Cristo" (vol 2, p. 215); "[Em Mateus 1:25] A inferência que ele [Helvídio] tirou disto foi de Maria teria permanecido virgem apenas até o primeiro parto e que, depois disso, ela teve outros filhos com seu marido ... Nenhuma inferência justa e bem-suportada pode ser tirada destas palavras ... sobre o que aconteceu após o nascimento de Cristo. Ele é chamado de 'primogênito'; mas pelo simples motivo de informar-nos que ele nasceu de uma virgem... O que aconteceu depois, os historiadores não podem nos dizer... Nenhum homem irá defender obstinadamente este argumento, com exceção pelo gosto da disputa." (vol I, p. 107)
  67. The works of the Rev. John Wesley, Volume 15 by John Wesley, Joseph Benson, Published by Thomas Cordeux, London, 1812, "A Letter to a Roman Catholic" page 110 [2]
  68. Letter to a Roman Catholic, July 18, 1749
  69. D. MacCulloch, The Reformation: a History (Penguin Books, 2003) pp. 613-614; cf. Robert Schihl, The Perpetual Virginity of Mary for an extended list and quotations.
  70. D. MacCulloch, The Reformation: a History (Penguin Books, 2003) pp. 558-63
  71. see John Calvin's Institutes of the Christian Religion IV,12,27-28
  72. See, e.g., David Brown. Commentary, Critical and Explanatory, on the Whole Bible. [S.l.: s.n.]. Visitado em 2009-01-07.
  73. Francis Pieper, Christian Dogmatics, 4 vols., (St. Louis: CPH, 1950-53), 2:308-09.
  74. That Jesus Christ Was Born a Jew (1523), in Luther’s Works, American Edition, Walther I. Brandt, ed., Philadelphia, Augsburg Fortress; St. Louis, Concordia Publishing House, 1962, ISBN 0-8006-0345-1 pp. 205-206; cf. James Swam (Martin Luther's Theology of Mary).
  75. Luther's Works, eds. Jaroslav Pelikan (vols. 1-30) & Helmut T. Lehmann (vols. 31-55), St. Louis: Concordia Pub. House (vols. 1-30); Philadelphia: Fortress Press (vols. 31-55), 1955, v.22:23 / Sermons on John, chaps. 1-4 (1539), quoted in Martin Luther on Mary's Perpetual Virginity
  76. Em seu artigo "irmãos do Senhor", o Oxford Dictionary of the Christian Church (Oxford University Press 2005 ISBN 978-0-19-280290-3) cita Marcos 6:3, Mateus 13:55, João 7:3, Atos 1:14, I Coríntios 9:5 como sendo os versículos do Novo Testamento que os mencionam.
  77. a b c d Oxford Dictionary of the Christian Church (Oxford University Press 2005 ISBN 978-0-19-280290-3), artigo "brethren of the Lord"
  78. Oxford Dictionary of the Christian Church, artigo "Marys in the NT"
  79. Raymond E. Brown, Karl P. Donfried, Joseph Fitzmyer and John Reumann ed., Philadelphia: Fortress Press, and Mahwah, NJ: Paulist Press, 1978
  80. François Rossier: The "Brothers and Sisters" of Jesus: Anything New?
  81. Tasker, R.V., The Gospel according to Saint Matthew (InterVarsity Press 1961), p. 36
  82. Hill D., The Gospel of Matthew, p80 (1972) Marshall, Morgan and Scott:London
  83. a b Raymond E. Brown, The Birth of the Messiah (Doubleday 1999 ISBN 978-0-385-49447-2), p. 132
  84. Gregório de Nissa, On the Holy Generation of Christ, 5.
  85. "É impossível enxergar como é que o texto pode ser lido desta forma" (Howard Marshall, I., The Gospel of Luke (Paternoster Press 1978), p. 68).
  86. Brown, The Birth of the Messiah, p. 304
  87. a b Fundamentals of Catholicism by Kenneth Baker 1983 ISBN 0-89870-019-1 pages 334-335
  88. Pope John Paul II's General Audience of 28 August 1996, printed in L'Osservatore Romano, Weekly Edition in English, 4 September 1996 The article at EWTN
  89. Vatican website: Pope John Paul II's General Audience of 28 August 1996 (in Italian)
  90. L'Osservatore Romano, Weekly Edition in English, 30 April 1997, page 11 Article at EWTN
  91. Vatican website: Pope John Paul II's General Audience of 28 April 1997 reprinted in L'Osservatore Romano, Weekly Edition in English, 30 April 1997, page 11
  92. Sagrado Alcorão: Maryam (Maria), Surata 19
  93. The Truth about Islam & Jesus by John Ankerberg, Emir Caner 2009 ISBN 0-7369-2502-3 page 65 [3]
  94. What Every Catholic Should Know about Mary by Terrence J. McNally 2009 ISBN 1-4415-1051-6 page 161 [4]
  95. Women in the Qur'ān, traditions, and interpretation by Barbara Freyer Stowasser. Oxford University Press: 1994, pp. 78-70, 163.
  96. "The Virgin Mary in Islamic tradition and commentary" by J. I. Smith et. al., published in the Muslim World (Hartford, Conn.) v. 79 (July/October 1989) p. 161-87
  97. Rodwell, J. M. The Koran. 2009 ISBN 0-559-13127-5 page 505
  98. Sarker, Abraham.Understand My Muslim People. 2004 ISBN 1-59498-002-0 page 260
  99. Annunciation Art, Phaidon Press, 2004, ISBN 0-7148-4447-0
  100. The Annunciation to Mary by Eugene Laverdiere 2007 ISBN 1-56854-557-6 page 29
  101. Encyclopedia of Comparative Iconography by Helene E. Roberts 1998 ISBN 1-57958-009-2 page 904
  102. Treasures from the Ark: 1700 Years of Armenian Christian Art by Vrej Nersessian 2001 ISBN 0-7123-4699-6 page 167
  103. Heroes of the icon: people, places, events by Steven Bigham 1998 ISBN 1-879038-91-9 page 47
  104. The icon handbook by David Coomler 1995 ISBN 0-87243-210-6 page 203