Discípulo amado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o
Portal do Cristianismo

A frase do discípulo quem Jesus amou ou Discípulo amado é usada diversas vezes no Evangelho segundo João, mas em nenhuns dos outros evangelhos sobre Jesus. No Evangelho segundo João, é o Discípulo Amado que pergunta a Jesus durante a última ceia quem é aquele que o trairá. Mais tarde na crucificação, Jesus diz a sua mãe “mulher, aqui está seu filho” e indica o Discípulo amado na interpretação mais comum. Ao Discípulo Amado diz, “está aqui sua mãe.” Quando Maria Madalena descobre o túmulo vazio, vai dizer ao Discípulo Amado e Simão Pedro. O Discípulo Amado é o primeiro a alcançar o túmulo vazio, mas Simão Pedro é o primeiro a entrar.

Na arte, o Discípulo Amado é retratado por um jovem imberbe - a figura do estudante - mas é confundido frequentemente por uma mulher. É mostrado geralmente em cenas principais do Evangelho segundo João, especialmente o crucificação e na última Ceia. Muitos artistas deram as interpretações diferentes de João 13:23-25, em que o discípulo amado está descansando sua cabeça no peito de Jesus.

Identidade do Discípulo Amado[editar | editar código-fonte]

Desde que o Discípulo Amado não parece em nenhuma outra parte dos evangelhos do Novo Testamento, viu-se tradicionalmente como uma auto-referencia a João, o Evangelista, e esta permanece como sua identificação principal. Uma opção é a identificação do Evangelista com João, o Apóstolo; isto é, se o apóstolo é o mesmo homem que o evangelista. (ver: autoria dos trabalhos de João para mais informações sobre esta questão, não resolvida. ) No apêndice ao evangelho de (João 21:24), há um testemunho explícito que o Discípulo Amado testemunhará aos prestadores de contas ditos no evangelho segundo João: “Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro.” Hugh J. Schonfield imagina o Discípulo a ser um sacerdote altamente colocado no Templo e indisponível para seguir Jesus em seu ministério no norte. Schonfield usa esta teoria para esclarecer a ausência do Discípulo Amado no norte e na prestação de contas do ministério de Jesus no Templo durante a semana anterior a Crucificação.

Martin L. Smith, SSJE escreve que o autor do evangelho segundo João pode deliberadamente ter obscurecido a identidade do Discípulo Amado a fim de que os leitores do evangelho possam melhor identificar o relacionamento dos discípulos com Jesus:

Talvez os discípulos nunca fossem nomeados, nunca individualizados, de modo que nós mais facilmente aceitemos que ele sofre em testemunhar uma intimidade que tenha significado para cada um de nós. A proximidade que apreciou é um sinal da proximidade que é meu e seu porque nós estamos em Cristo e Cristo está em cada um de nós 1

Porque o evangelho segundo João dá à figura específica do Discípulo Amado um título tão anónimo, o título é dado às vezes por leitores modernos a outros discípulos para enfatizar seu favor com Jesus.

Alguns escritores sugerem que o Discípulo Amado do Evangelho segundo João era originalmente Maria Madalena, reivindicando que a existência separada de Maria em algumas cenas comuns com o Discípulo Amado, tal como em João 20:1, era umas modificações mais atrasadas, feitas afobadamente para autorizar o evangelho no segundo século anterior. No "Evangelho de Maria", parte dos apócrifos do Novo Testamento, uma determinada Maria que é identificada geralmente como Maria Madalena, é referida constantemente por ser aquela que amou Jesus mais do que o outros.2 No Evangelho de Filipe, também apócrifo, o mesmo é especificamente dito sobre Maria Madalena.3

A ideia de um discípulo amado ou especial evoca às vezes na análise de outros textos dos apócrifos do Novo Testamento. No "Evangelho de Tomé, São Tomé (apóstolo) é o discípulo que fez o exame de lado de Jesus. No Evangelho de Judas, Judas Iscariotes é favorecido com uma informação secreta sobre a iluminação e é segregado pelos outros apóstolos. Uma outra interpretação mais recente extraída do Evangelho Secreto de Marcos, do qual restam apenas fragmentos. Nesta interpretação, em duas cenas do evangelho secreto e em uma do evangelho de Marcos (Marcos 14:51-52) estaria o mesmo homem ou jovem, de nome desconhecido, mas que parecem ter uma ligação próxima a Jesus. Como o evangelho secreto detalha uma ressurreição dos mortos muito similar à ressurreição de Lázaro por Jesus em João 11:38-44, o jovem é identificados como sendo Lázaro e declarado como sendo o Discípulo Amado.

Notas

  1. Smith, Martin L., SSJE. A Season for the Spirit. Décima edição de aniversário ed. Cambridge, Massachussetts: Cowley Publications, 1991. p. 190 p. ISBN 1-56101-026-X
  2. King, Karen L. Why All the Controversy? Mary in the Gospel of Mary. “Which Mary? The Marys of Early Christian Tradition” p. 74. F. Stanley Jones, ed. Brill, 2003
  3. Veja em: [1].

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Charlesworth, James H. The Beloved Disciple: Whose Witness Validates the Gospel of John?. Trinity Press, 1995. ISBN 1-56338-135-4.
  • Smith, Edward R. The Disciple Whom Jesus Loved: Unveiling the Author of John's Gospel. Steiner Books/Anthroposophic Press, 2000. ISBN 0-88010-486-4.
Ícone de esboço Este artigo sobre Cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.