João de Patmos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São João de Patmos
São João em Patmos.
1489-99. Por Hieronymus Bosch, atualmente no Staatliche Museen zu Berlin, em Berlim.
Morte  em Patmos?
Veneração por Igreja Católica, geralmente identificado como João Evangelista, João, o Apóstolo ou ambos.
Festa litúrgica 27 de dezembro (como João Evangelista)
Atribuições Aparece geralmente sentado na Ilha de Patmos.
Gloriole.svg Portal dos Santos

João de Patmos é o nome dado, no Apocalipse, ao autor do texto que é parte do Novo Testamento. De acordo com a citação, João estava vivendo na Ilha de Patmos onde, de acordo com alguns, ele estaria exilado[1] [2] .

Na maior parte das denominações cristãs, João de Patmos é considerado como um profeta e um santo, recebedor de uma revelação divina. Ele também já foi referido como "João, o Divino", "João, o Revelador", "João, o Teólogo" e "Águia de Patmos"[3] e "João, o Visionário".

Apocalipse[editar | editar código-fonte]

De acordo com o texto no Apocalipse, João de Patmos recebeu instruções para escrever para as sete igrejas da Ásia. Tradicionalmente, acredita-se que este João seja também João, o apóstolo de Jesus, e João, o autor do quarto Evangelho. O escritor do início do século II, Justino Mártir, foi o primeiro a identificar o autor do Apocalipse com "João, o Apóstolo"[4] . Porém, alguns acadêmicos bíblicos atualmente defendem que os três são, na verdade, três pessoas distintas[5] [6] .

João, o Presbítero, um personagem obscuro da Igreja antiga, também já foi identificado como sendo o autor do Apocalipse por autores como Eusébio de Cesareia e Jerônimo de Estridão.

Ilha de Patmos[editar | editar código-fonte]

Considera-se que João estivesse exilado em Patmos, vítima de um período de perseguição aos cristãos durante o Império Romano. Em Apocalipse 1:9 ele afirma: "Eu João, vosso irmão e companheiro na tribulação, no reino e na paciência em Jesus, estive na ilha que se chama Pátmos, por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de Jesus." Adela Collins, uma teóloga na Universidade de Notre Dame, escreveu:

A tradição mais primitiva afirma que João foi banido para Patmos pelas autoridades romanas. Esta tradição é crível por que o banimento era uma punição comum durante o período imperial para diversos tipos de ofensas. Entre elas estavam a prática da magia e da astrologia. A profecia era vista pelos romanos como estando nesta mesma categoria, seja ela pagã, judaica ou cristã. A profecia com implicações políticas, como a expressada no Apocalipse, seria percebida como uma ameaça à ordem e ao poder político romano. Três das ilhas nas Espórades eram o destino dos perseguidos políticos (segundo a História Natural, de Plínio, 4.69-70; e os "Anais", de Tácito 4.30)
 
Adela Collins, Verbete "Patmos", no Harper's Bible Dictionary[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wikisource-logo.svg "Patmos" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  2. Phillips, J. B. Book 27 - Book of Revelation (12 January 1962). People, Places, Customs, Concepts, Journeys - the New Testament with integrated notes and maps 1962.
  3. João de Patmos (em inglês). Página visitada em 19/05/2012. Cópia arquivada em 5 May 2007.
  4. Justino. Dialogue with Trypho: He endeavours to prove this opinion from Isaiah and the Apocalypse (em inglês]). [S.l.: s.n.]. Capítulo: 81.4. ,
  5. Harris, Stephen L., Understanding the Bible. Palo Alto: Mayfield. 1985. p. 355
  6. Ehrman, Bart D.. The New Testament: A Historical Introduction to the Early Christian Writings. New York: Oxford, 2004. p. 468. ISBN 0-19-515462-2
  7. Adela Collins. "Patmos." Harper's Bible Dictionary. Paul J. Achtemeier, gen. ed. San Francisco: Harper & Row, 1985. p755.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre João de Patmos