Setenta Discípulos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Iluminura dos Setenta Discípulos.

Os Setenta Discípulos ou Setenta e Dois Discípulos, conhecidos na tradição cristã oriental como os Setenta Apóstolos, foram os primeiros seguidores de Jesus mencionados no Evangelho de Lucas[nota a]. De acordo com o evangelista Lucas, o único que os cita, Jesus os designou e enviou aos pares numa missão específica, detalhada no texto. Na tradição ocidental, estes são geralmente chamados de "discípulos"[1] , enquanto que no cristianismo oriental eles são geralmente chamados de apóstolos[2] .

Texto[editar | editar código-fonte]

A passagem do Evangelho de Lucas, capítulo 10, é:

1. Depois disto o Senhor designou outros setenta, e enviou-os de dois em dois adiante de si a todas as cidades e lugares, aonde ele estava para ir.
2. Disse-lhes: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara.
3. Ide; eu vos envio como cordeiros no meio de lobos.
4. Não leveis bolsa, nem alforge, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho.
5. Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa.
6. Se ali houver algum filho da paz, repousará sobre ele a vossa paz; e se não houver, ela tornará para vós.
7. Permanecei naquela mesma casa, comendo e bebendo o que vos oferecerem; pois digno é o trabalhador do seu salário. Não vos mudeis de casa em casa.
8. Em qualquer cidade em que entrardes, e vos receberem, comei o que vos oferecerem;
9. curai os enfermos que nela houver, e dizei: Está próximo a vós o reino de Deus.
10. Mas na cidade em que entrardes, e não vos receberem, saindo pelas suas ruas, dizei:
11. Até o pó que da vossa cidade se nos pegou aos pés, sacudimos contra vós; todavia sabei que está próximo o reino de Deus.
12. Digo-vos que naquele dia haverá menos rigor para Sodoma, do que para aquela cidade.
13. Ai de ti, Corazim! ai de ti, Betsaida! porque se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito, sentadas em saco e em cinza, elas se teriam arrependido.
14. Contudo haverá menos rigor para Tiro e para Sidom no dia do juízo, do que para vós.
15. Tu, Cafarnaum, elevar-te-ás, porventura, até o céu? descerás até o Hades.
16. Quem vos ouve, a mim me ouve; quem vos rejeita, a mim me rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou.
17. Voltaram os setenta cheios de alegria, dizendo: Senhor, até os demônios se nos submetem em teu nome.
18. Respondeu-lhes Jesus: Eu via a Satanás cair do céu como relâmpago.
19. Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo, e nada de modo algum vos fará mal.
20. Mas não vos regozijeis em que os espíritos se vos submetem, antes regozijai-vos em que os vossos nomes estão escritos no céu.

 

Análise[editar | editar código-fonte]

Esta é única vez que este grupo é mencionado na Bíblia. O número é "setenta" nos manuscritos com o texto-tipo Alexandrino (como o Codex Sinaiticus) e com o texto-tipo Cesariano, mas "setenta e dois" na maior parte dos outros textos alexandrinos e com o texto-tipo Ocidental. A origem do número pode estar nas setenta nações do Gênesis ou nas muitas outras citações ao número na Bíblia, ou nos setenta e dois tradutores da Septuaginta na Carta de Aristeas[4] . Ao traduzir a Vulgata, São Jerônimo escolheu "setenta e dois".

Contudo, o Evangelho de Lucas não está só entre os evangelhos sinóticos ao conter episódios onde Jesus envia seus seguidores em missões. A primeira ocasião, em Lucas 9:1-6, está intimamente relacionada à "Comissão Menor" do Evangelho de Marcos[nota b], que conta o envio dos doze apóstolos ao invés de setenta, ainda que com muitas similaridades. Os paralelos[nota c] sugerem uma origem comum, possivelmente no proposto Documento Q. Lucas também menciona a "Grande Comissão" para "todas as nações" em Lucas 24:44-49, mas em menos detalhes que o relato de Marcos.

Festas[editar | editar código-fonte]

A festa comemorando os Setenta é conhecida como a "Synaxis dos Setenta Apóstolos" na Igreja Ortodoxa e é celebrada em 4 de janeiro. Cada um dos Setenta tem ainda uma comemoração individual espalhada por todo o ano litúrgico.

Sinaxe dos setenta apóstolos[editar | editar código-fonte]

A tradição da Igreja Ortodoxa ao providenciar o nome dos Setenta cujos "nomes estão escritos no céu"[nota d], está associada com Doroteu de Tiro, um bispo do final do século III d.C., desconhecido exceto por sua contribuição neste contexto e a quem foi atribuído um relato sobre os Setenta, e cuja versão sobrevivente é do século VIII d.C. Os seus nomes aparecem em diversas listas, como na Chronicon Paschale e no tratado de Pseudo-Doroteu, publicado em Migne, P.G., XCII, 521-524; 543-545; 1061-1065.

Já a Igreja Católica considera estas listas, escritas piedosamente, mas tendo "importância secundária" para a fé[5] .

Eusébio de Cesareia afirmou categoricamente que no seu tempo não existia uma lista como esta e mencionou entre os discípulos apenas Barnabé, Sóstenes, Cefas, Matias, Tadeu e Tiago, irmão de Jesus[6] .

Muitos destes nomes incluídos entre os Setenta são facilmente reconhecidos por suas próprias realizações, mas há ligeiras diferenças entre as várias listas.

Matias, o apóstolo que substituiu Judas Iscariotes como um dos Doze, é também frequentemente listado entre os Setenta, uma vez que João Marcos é geralmente entendido como sendo Marcos, o Evangelista[8] .

Manuscritos do Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

Ícone dos Setenta Apóstolos.

Estes são os manuscritos do Novo Testamento que listam os Setenta:

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota a] ^ Lucas 10:1-24
[nota b] ^ Marcos 6:6-13
[nota c] ^ Veja também Mateus 9:35, Mateus 10:1 e Mateus 10:5-42
[nota d] ^ Lucas 10:20

Referências

  1. Wikisource-logo.svg "Disciple" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.: "Os discípulos, neste contexto, não são as multidões de crentes que se aglomeravam à volta de Cristo, mas um grupo menor de Seus seguidores. Eles são geralmente identificados como sendo setenta e dois (setenta de acordo com o texto em grego, embora diversos manuscritos gregos mencionem também setenta e dois, como faz a Vulgata). Os seus nomes aparecem em diversas listas, como na Chronicon Paschale e no tratado de Pseudo-Doroteu, publicado em Migne, P.G., XCII, 521-524; 543-545; 1061-1065., mas elas são, em geral, inúteis".
  2. Synaxis of the Seventy Apostles (em inglÊs) Orthodox Church in America. Página visitada em 15/05/2011.
  3. Segundo a Tradução Brasileira da Bíblia
  4. METZGER, Bruce. Textual Commentary on the Greek NT (em inglês). [S.l.: s.n.].
  5. Wikisource-logo.svg "Apostle" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  6. Eusébio de Cesareia. História Eclesiástica: The Disciples of our Saviour. (em inglês). [S.l.: s.n.]. Capítulo: 12. , vol. I.
  7. The Book of the Bee, Chapter XLIX, The Names of the Apostles in Order (1886). Página visitada em 2008-02-21.
  8. Wikisource-logo.svg "St. Matthias" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]