Trácia (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Provincia Thracia
Θρᾴκη
Província da Trácia
Província do(a) Império Romano e do Império Bizantino

46século VIII
 

Location of Trácia
Províncias romanas em 117
Capital: Constantinopla (antes de 293)
Filipópolis (depois de 293)
Período : Antiguidade Tardia
 -  Anexado do Estado dos trácios por Cláudio 46
 -  Território original assumido pela Diocese da Trácia 293
 -  Com uma fração do território original, a capital passou a ser Filipópolis. 293
 -  Adoção dos sistema dos temas século VII

Trácia (em búlgaro: Тракия; ) foi o nome de uma província do Império Romano. Ela foi estabelecida em 46 quando o estado cliente romano dos trácios, que habitavam a região da Trácia, foi anexado por ordem do imperador Cláudio (r. 41–54).

Reorganização[editar | editar código-fonte]

Por causa da crescente dificuldade para conter as numerosas revoltas internas e defender as extensas fronteiras do império, Diocleciano realizou uma grande reforma administrativa a fim de facilitar as operações militares: ele nomeou Galério como seu césar no oriente enquanto que seu par no ocidente, Maximiano, fez o mesmo, nomeando Constâncio Cloro. Ele também reorganizou todas as províncias, eliminando todas as regiões augustas, que eram divididas em imperiais e senatoriais. Ele criou novas circunscrições administrativas, principalmente as dioceses), que eram três para cada um dos tetrarcas, eram governadas por vigário e se subdividiram em 101 províncias.

O território da Trácia foi dividido em quatro províncias: a Trácia propriamente dita e as províncias de Hemimonto, Ródope e Europa. Todas ficaram sob a jurisdição da Diocese da Trácia, que por sua vez fazia parte da Prefeitura pretoriana do Oriente. A capital da nova província da Trácia passou a ser Filipópolis.

Anos finais[editar | editar código-fonte]

No início do século V, conforme ruía o Império Romano, a Trácia passou a ser governada por líderes germânicos independentes. Com a queda do Império Romano do Ocidente, a região passou a ser um campo de batalha, uma situação que perdurou pelos próximos 1 000 anos. A porção oriental do império, conhecida como Império Bizantino, manteve o controle da região até o século VIII, quando mais da metade da região, ao norte, foi incorporada pelo Império Búlgaro enquanto que a seção mais ao sul e leste foi reorganizada no Tema da Trácia. Os bizantinos conseguiram reconquistar o território perdido no século XI e administrou-o até a reconquista búlgara no final do século XII. Por todo o século seguinte e metade do século XIV, a região trocou de mãos por diversas vezes entre búlgaros e bizantinos.

Finalmente, em 1352, os turcos otomanos fizeram a sua primeira incursão na região, subjugando-a completamente no espaço de duas décadas e ocupando-a pelos cinco séculos seguintes, encerrando definitivamente o domínio romano na região.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hoddinott, R. F., The Thracians, 1981.
  • Ilieva, Sonya, Thracology, 2001