Piceno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
V Região - Piceno (Regio V - Picenum) de Augusto, do Atlas de 1911 de William R. Shepherd.

Piceno (em latim: Picenum; em grego: Πικηνόν/Πικεντίνη) foi uma região da antiga Itália. O nome é um exônimo dado pelos romanos, que a conquistaram e incorporaram-na à República Romana. Piceno foi a terra natal de diversos indivíduos famosos, como Pompeu, o Grande e seu pai, Pompeu Estrabão. Situava-se na região atualmente conhecida como Marcas (Marche). Os picentinos ou picentes eram a população nativa do Piceno, porém não formavam uma etnia única; mantinham um centro religioso em Cupra Marittima, em louvor à deusa Cupra.

Geografia histórica[editar | editar código-fonte]

O Piceno e os picentinos foram descritos em detalhe por alguns dos geógrafos romanos.

Estrabão[editar | editar código-fonte]

Estrabão situa Piceno entre os Apeninos e o mar Adriático, a partir da foz do rio Ésio, até o sul de Castrum, na foz do rio Truentino, a cerca de 800 estádios (148 quilômetros). Entre as cidades da região ele incluiu, do norte para o sul, Ancona, Áuximo, Septempeda (San Severino Marche), Polência (Pneuentia), Potência, Firmo Piceno, com porto em Castelo (Castellum, atual Porto di Fermo), Cupra Maritima, Truento-sobre-o-Truentino (Tronto) e, finalmente, Castro Novo e Matrino-sobre-o-Matrino (Piomba), ao sul de Silvi, no Abruzos. Esta lista abrange comunidades litorâneas; Estrabão também menciona Ádria (Atri) e Ásculo Piceno (Ascoli Piceno), no interior. A extensão do Piceno em direção ao interior variava irregularmente, segundo o autor.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O Piceno foi colonizado pela primeira vez durante o início da Idade do Ferro, que foi do século IX até o III a.C.[2] Posteriormente a região se tornou um dos onze distritos da Itália. As três principais cidades interioranas do Piceno apresentavam um sistema de planejamento urbano e aparentavam ser bem-sucedidas economicamente, e não se sabe o que fez com que elas sofressem um declínio nos anos posteriores.[3]

A história do Piceno foi alterada dramaticamente em 286 a.C., quando ela foi conquistada pelos romanos e se tornou uma colônia de Roma.[4] Esta conquista teve grandes consequências para os povoamentos da costa, que também passaram a ser colônias romanas.

O Piceno é célebre por ter se aliado a Roma contra Aníbal durante as Guerras Púnicas. Também foi usado como base romana durante a Guerra Social, o que ilustra a lealdade de Piceno à Roma durante a guerra pela cidadania italiana.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Escavações realizadas no fim do século XIX em Piceno forneceram muitas informações sobre a região durante a Idade do Ferro. Tumbas escavadas nos cemitérios de Novilara dos Molaroni e Servici mostram que os picentinos colocavam os corpos sobre o solo, envoltos nas roupas que haviam usado durante suas vidas.[5] Os guerreiros eram enterrados com um elmo, armas e recipientes contendo comidas e bebidas. Contas, ossos, fíbulas e âmbar que também foram enterrados parecem demonstrar intensa atividade comercial durante os séculos IX e X na costa do Adriático. Nas sepulturas de mulheres também existe abundância de ornamentos, feitos de bronze e ferro.[6] A origem destes itens mostra que os picentinos exploraram ao sul e leste de seu território.[7]

As sepulturas de guerreiros parecem indicar que os picentinos eram um povo belicoso. Cada sepultura masculina continha o traje mais ou menos completo de um guerreiro, com a arma mais frequente sendo a lança. As espadas picentinas parecem ter sido importada dos Bálcãs.[8]

Línguas[editar | editar código-fonte]

O picentino meridional, escrito numa versão pouco comum do alfabeto itálico, foi identificado como uma língua sabélica que não é nem osco nem úmbrio.

O picentino setentrional, ainda não-decifrado, também era escrito numa forma do antigo alfabeto itálico, embora provavelmente não tenha relação à outra forma do picentino, e possa nem mesmo ser um idioma indo-europeu.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Strabo 1st AD, livro 5, capítulo 4, seções 1-2.
  2. Vermeulen, F.: "The contribution of aerial photography and field survey to the study of urbanization in the Potenza valley.", páginas 57-82. L'Annee Philologique.
  3. Vermeulen, F.: "The contribution of aerial photography and field survey to the study of urbanization in the Potenza valley.", páginas 57-82. L'Annee Philologique.
  4. Bunson, M: Encyclopedia of the Roman Empire, p. 327. Facts on File, Inc. 1994.
  5. Randall-MacIver 1927, p. 105.
  6. Randall-MacIver 1927, p. 130.
  7. Randall-MacIver 1927, p. 120.
  8. Randall-MacIver 1927, p. 122.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Picenum».

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Estrabão. Geografia. [S.l.: s.n.]..
  • Randall-MacIver, David. The Iron Age in Italy. A Study of Those Aspects of the Early Civilizations Which Are Neither Villanovan or Etruscan. Oxford: Clarendon Press, 1927.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Pastore, Paolo. Piceni (em italiano). Inwind. Página visitada em 28-8-2010.