Mesopotâmia (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Provincia Mesopotamia
Província da Mesopotâmia
Província do(a) Império Bizantino

116118
Location of Mesopotâmia
Mesopotâmia em 117 d.C.
Capital: Nísibis
Período : Antiguidade Clássica
 -  Conquista de Trajano 116
 -  Abandonada por Adriano 118

Mesopotâmia foi o nome de duas províncias romanas distintas situadas na região homónima, uma de curta duração, criada pelo imperador Trajano e, 116-117, e outra criado por Septímio Severo ca. 198, que durou até às conquistas islâmicas do século VII. A província ocupava apenas uma parte do que usualmente se designa em sentido lato por Mesopotâmia, e situava-se no que são hoje as regiões fronteiriças entre a Turquia, Síria e Iraque.

A província de Trajano[editar | editar código-fonte]

Em 113, o imperador Trajano (r. 98–117) lançou uma guerra contra o inimigo oriental de Roma, o Império Parta. Em 114 conquistou a Reino da Armênia, que foi transformada por um breve período na província da Armênia. No final de 115 tinha conquistado o norte da Mesopotâmia, que também foi anexada como uma província no início de 116, tendo então sido cunhadas moedas para comemorar o evento.[1]

Mais tarde, ainda em 116, Trajano marchou para o centro e sul da Mesopotâmia, expandindo e completando a província), e para lá do rio Tigre até Adiabena, que ele anexou a outra província romana, a Assíria. Mas não se ficou por aí. Nos últimos meses de 116, conquistou a grande cidade de Susa e depôs Osroes I da Pártia, substituindo-o por um governante fantoche, Partamaspates no trono parta. Nunca o Império Romano tinha avançado ou voltaria a avançar tão longe a oriente.[2]

Porém, logo após a morte de Trajano, o seu sucessor Adriano (r. 117–138) abandonou os territórios conquistados a leste do rio Eufrates, que se tornaria novamente a fronteira oriental do Império Romano.[3] [4]

A província de Septímio Severo[editar | editar código-fonte]

O norte da Mesopotâmia, ou Mesopotâmia Superior (em árabe: Al Jazira), incluindo Osroena, voltou novamente ao controlo dos romanos durante a expedição de Lúcio Vero, mas não foi organizado formalmente como província. Em vez disso, o governo da região foi entregue a governantes locais vassalos dos romanos, emboram fossem mantidas guarnições militares romanas, nomeadamente em Nísibis. O domínio romano foi ameaçado em 195, durante a guerra civil entre Septímio Severo (r. 193–211) e o usurpador Pescênio Níger, quando rebeliões rebentaram na área e Nísibis foi cercada. Severo restabeleceu rapidamente a ordem e organizou a Osroena como província.[5] [6]

Provincia Mesopotamia
Província da Mesopotâmia
Província do(a) Império Bizantino

198–630s
Location of Mesopotâmia
Mapa da Diocese do Oriente criada pelas reformas de Diocleciano e Constantino (início do século III) na qual foi integrada a Mesopotâmia romana
Capital: Nísibis, Amida e Dara
Período : Antiguidade Tardia
 -  Conquista de Septímio Severo 198
 -  Invasões sassânidas constantes 239-261
 -  Capital muda para Amida depois da captura de Juliano 363
 -  Anastácio muda a capital para Dara 510s
 -  Estado de guerra permanente contra o Império Sassânida séc. VI
 -  Perda definitiva para os muçulmanos 630s

Septímio iniciou depois uma guerra contra a Pártia, que conclui com vitoriosamente com o saque de Ctesifonte, a capital parta. Como Trajano, Severo restabeleceu a província da Mesopotâmia em 198, com Nísibis, elevada ao estatuto de colónia, como capital.[7] [8] Ao contrário da província de Trajano que incluía toda a Mesopotâmia entre os rios Tigre e Eufrates, a nova província era limitada a sul por Osroena, Tigre e Eufrates a norte e rio Chaboras (atual Khabur) a leste.[9] Durante o resto da sua existência, a província seria um pomo de discórdia entre Romanos e Persas, sofrendo muito nas recorrentes guerras romano-persas.[10]

No tumulto que se seguiu ao ano dos seis imperadores, em 239–243, Artaxes I (r. 224–241), o fundador do novo Império Sassânida que substituiu os Partas, atacou e invadiu a área, que no entanto seria retomada por Timasiteu antes da sua morte em 243.[10] Na década de 250, os Sapor I (r. ca. 240–270) atacou a Mesopotâmia romana e combateu com o imperador romano Valeriano (r. 253–260), que capturou em Edessa em 260.[11] Contudo, no ano seguinte Sapor sofreu uma pesada derrota frente a Odenato, o rei árabe de Palmira e foi expulso da Mesopotâmia.[12]

Com as reformas de Diocleciano (r. 284–305) e Constantino (r. 306–337). a província passou a fazer parte da Diocese do Oriente, que, por sua vez, estava subordinada à prefeitura pretoriana do Oriente. Nísibis e Singara, juntamente com o território de Adiabena, conquistado por Diocleciano, foram perdidas depois do fiasco da expedição de Juliano, e a capital foi movida para Amida, enquanto que a sede do comandante militar, o duque da Mesopotâmia (dux Mesopotamiae), ficou em Constantina. Outras cidades importantes da província eram, por exemplo, Martirópolis e Kephas.[9]

Depois das dificuldades enfrentadas pelas tropas romanas na Guerra Anastácia de 502–506, o imperador romano do Oriente Anastácio I (r. 491–518) construiu a fortaleza de Dara para contrabalançar o peso estratégico de Nísibis e ser a nova base do duque da Mesopotâmia. Durante as reformas de Justiniano I (r. 527–518), a província foi dividida: as partes a norte, incluindo Martirópolis, foram para a nova província de Arménia IV; o resto foi dividido em dois distritos civis e eclesiásticos. O primeiro desses distritos foi formado pela região a sul do Tigre, com capital em Amida; o segundo compreendia a região de Tur Abdin e tinha a capital em Dara.[9]

A província foi muito afetada com as quase constantes guerras com a Pérsia no século VI. Em 573 os Persas chegaram a conquistar Dara, que seria recuperada pelos Bizantinos com o acordo de paz de 591. A cidade-fortaleza voltaria a ser perdida para os Persas na grande guerra de 602–628, mas voltou a ser retomada. A região seria depois definitivamente perdida durante as invasões muçulmanas de 633–640.[9]

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província e que aparecem no Annuario Pontificio como sés titulares são[13] :

  • Amida
  • Arsamosata (Koratta? na confluência do Murad-su e o Eufrates)
  • Belabitene (perto de Palu)
  • Bethzabda (Cizre)
  • Cefa (Hassan-Kef, Osn-Kef? Reshica?)
  • Dadima (Tadem, Dadem)
  • Dara
  • Hirta (em Najef e Koufa)
  • Ingila (Agel, Ingil, Angel)

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Bennett 1997, p. 196, 198–199
  2. Bennett 1997, p. 201
  3. Bennett 1997, p. 206–207
  4. Mommsen et. all 2004, p. 72
  5. Mommsen et. all 2004, p. 77–78
  6. Southern 2001, p. 33
  7. Mommsen et. all 2004, p. 78–79
  8. Southern 2001, p. 42
  9. a b c d Kazhdan 1991, p. 1348
  10. a b Southern 2001, p. 70–71
  11. Mommsen et. all 2004, p. 100
  12. Mommsen et. all 2004, p. 103–104
  13. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Southern, Pat (2001), The Roman Empire from Severus to Constantine, Routledge, ISBN 978-0-203-45159-5