Matias (apóstolo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Matias
Estátua em Wehr
Apóstolo e Mártir
Nascimento século I d.C. em Judeia
Morte ca. 80 d.C.
Veneração por Toda Cristandade
Festa litúrgica 14 de maio
Atribuições Machado
Gloriole.svg Portal dos Santos

Segundo a Bíblia, Matias foi o discípulo escolhido para substituir Judas Iscariotes como apóstolo de Jesus Cristo.

Relato bíblico[editar | editar código-fonte]

Conforme o relato da Bíblia, logo no capítulo inicial dos Actos dos Apóstolos, após a morte e ascensão de Jesus ao céu, o apóstolo Pedro, observou que o Rei David escrevera no Salmo 109:8 (segundo apresentado nas seguintes traduções):

"Tome outro seu cargo de superintendência" - NM - Tradução do Novo Mundo
"Tome outro o seu bispado" - Novo Testamento, Salmos e Provérbios da Sociedade Bíblica do Brasil

Pedro aplicou esta declaração das Escrituras Hebraicas à necessidade de substituir Judas que se havia tornado traidor. Assim, propôs aos aproximadamente cento e vinte discípulos reunidos que a vaga fosse preenchida. A congregação referiu os nomes de José Barsabás e Matias como hipóteses para a escolha. Depois de orarem em conjunto, lançaram sortes e Matias foi escolhido. Esta ocorrência, apenas poucos dias antes do derramamento do espírito santo, no dia de Pentecostes do ano 30 ou 33 EC, consoante as opiniões de alguns estudiosos, foi a última ocasião mencionada na Bíblia em que se recorreu a sortes para se saber a escolha de Deus num determinado assunto.

Segundo as palavras de Pedro registadas em Actos 1:21, 22, Matias havia sido seguidor de Jesus durante os três anos e meio do seu ministério e havia estado intimamente associado com os apóstolos. Provavelmente era um dos setenta discípulos ou evangelistas que Jesus enviou para pregar, segundo o relato de Lucas 10:1. Após a sua escolha, ele foi "contado com os onze apóstolos" pela congregação e quando o livro de Actos logo depois fala dos "apóstolos" ou dos "doze", isso incluía Matias.

Outras referências históricas[editar | editar código-fonte]

De acordo com Nicéforo[1] , Matias primeiro pregou o Evangelho na Judeia, seguindo para a Etiópia e, posteriormente, se dirigiu para região da Cólquida (agora conhecida como Geórgia Caucasiana), onde foi crucificado. Um marco localizado nas ruínas da fortaleza romana de Gônio, atual Apsaros, nas modernas regiões georgianas de Adjara indicam que Matias estará sepultado naquele lugar.

A "Sinopse" de Doroteu de Tiro contém esta tradição:

"Matthias in interiore Æthiopia, ubi Hyssus maris portus et Phasis fluvius est, hominibus barbaris et carnivoris praedicavit Evangelium. Mortuus est autem in Sebastopoli, ibique prope templum Solis sepultus."

Cuja tradução é:

"Matias esteve na Etiópia, onde o Porto Maritimo de Hyssus e o Rio Fásis estão. Ele faleceu em Sebastopólis e está sepultado aqui, próximo ao Templo do Sol."

Um trecho dos Atos Coptas de André e Matias localiza sua atividade similarmente na "Cidade dos Canibais", na Etiópia. Alternativamente, outra tradição, menos confiável, menciona que Matias foi enterrado em Jerusalém pelos judeus, onde teria sido decapitado [2] .

Já a tradição, narrada por Hipólito de Roma, informa que Matias teria morrido em idade avançada em Jerusalém.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Historia eccl., 2, 40
  2. Tillemont, Mémoires pour servir à l'histoire ecclesiastique des six premiers siècles, I, 406-7