Sismo de São Francisco de 1906

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Grande Sismo de São Francisco (1906): A Rua Stockton e o Union Square, olhando para a Rua Market

O sismo de San Francisco de 1906 (em inglês: 1906 San Francisco earthquake) foi um violento sismo que ocorreu às 5:14 horas da manhã no dia 18 de abril de 1906 em São Francisco. Com magnitude estimada média de 8.0 na Escala de Richter.[1]; [2] Conhecido como The Great San Francisco Earthquake (em Português, "O Grande Terremoto de São Francisco"), ou somente apelidado como The Great Quake[1] , o maior nos Estados Unidos já registrado na escala de Richter. O terremoto teve duração de aproximadamente 28 segundos, tendo morrido milhares de pessoas.[2]

Outras cidades sofreram estragos importantes, nomeadamente Santa Rosa, São José e a Universidade de Stanford. Cerca de 225 000 pessoas encontraram-se sem teto dos cerca de 400 000 habitantes daquelas áreas, na ocasião.[3]

Terremoto de 1906 em São Francisco: O incêndio se alastrando na cidade

O Geólogo que reportou-se no inquérito oficial da cidade de San Francisco diz:

"O epicentro do distúrbio estava provavelmente na cama do oceano, uma distância curta da costa, oposto à linha do norte do condado de Mendocino, e a região de sua maior intensidade estendeu-se em direção ao sul do ponto nomeado a uma distância de cem milhas do Sudeste de San Francisco. A linha do distúrbio foi a que é conhecida como a falha "Tomales-Portola", a linha de que foi seguido distintamente de Point Arena, condado de Mendocino, ao Sul de Hollister, condado de San Benito, exceto em pontos que a linha passa sob o oceano. Este é o caso oposto a San Francisco, a linha-falha que esta poucas milhas do lado de fora da Golden Gate Bridge (em Português, "ponte Golden Gate"). Foi a ruptura da superfície da terra ao longo desta linha-falha que causou o distúrbio, o que provou tão desastroso. A falha ainda não se chamava San Andreas."[2]

História[editar | editar código-fonte]

A situação antes do sismo[editar | editar código-fonte]

Antes da catástrofe, San Francisco era a nona maior cidade americana, com uma população de cerca de 410 000 habitantes.[3] Durante seis décadas, a cidade era o centro financeiro, comercial e cultural do Oeste estadunidense; acolhia ainda o grande porto da costa ocidental e era considerada como a "porta do Pacífico", pela qual transitava crescente a potência económica e militar americana para a Ásia e o Oceano Pacífico. A entrada do "Hawaii" na união e a guerra contra a Espanha em 1898 dá a São Francisco um papel importante. 42 bancos eram instalados na cidade[3] .

A vida cultural era dinâmica graças aos cinco jornais, os restaurantes franceses, os teatros e a ópera situada sobre Mission Street. O Orpheum O' Farrell podia acolher 3500 pessoas. De um ponto de vida arquitetônico, a cidade era a mais bonita do oeste americano. Magnatas da estrada de ferro e das minas de ouro fizeram-se construir magníficas residências sobre Nob Hill.

Ainda que a sismologia estava nos seus primórdios anos, os peritos sabiam que São Francisco estava situada sobre uma falha. Dos terremotos mais importantes na baía de São Francisco foram registrados os de 1836. 1868 e 1892. [3] Certos setores da falha de San Andreas foram identificados e reconhecidos como potencialmente perigosos a partir de 1893.

O sismo[editar | editar código-fonte]

1906

O terremoto foi causado por um deslize da falha de San Andreas (em Português, a Falha de Santo André) em um segmento de 442,5696 Km (275 Milhas) de comprimento. Suas ondas sísmicas foram sentidas desde o Sul do estado de Oregon (ao Norte da Califórnia) até a cidade de Los Angeles---ao Sul de São Francisco (Califórnia).[3]

As construções vitorianas e os prédios de tijolos ficaram devastados. O pior da destruição fora o incêndio, causado pelos fios elétricos que se partiram e, com faíscas, a ignificar-se com o gás que escapou pela cidade toda. Com as canalizações subterrâneas de águas quebradas os bombeiros não conseguiram responder ao incêndio em tempo e a cidade ficou praticamente inteira destruída. Às 7 horas da manhã as tropas do exército de Fort Mason (a base do histórico Presídio de 1776), em São Francisco, apresentaram-se a prefeitura da cidade e o, então, Prefeito E. E. Schmitz pediu o reforço da população e autorizou qualquer soldado a atirar para matar se alguém fosse encontrado saqueando lojas e casas. Enquanto isto, bombeiros e militares lutaram num esforço desesperado para controlar o contínuo fogo, até mesmo usando dinamites para explodir quarteirões inteiros criando, assim, um paredão contra o fogo que se alastrava sem cessar.

Dos 225 mil, em média, que ficaram sem teto,[4] cerca da metade destes refugiou-se do outro lado da baía, em Oakland (Califórnia). Os jornais da época descrevem como o Golden Gate Park, o bairro vizinho do Panhandle e as praias entre Ingleside e North Beach reencontraram-se cobertos de tendas

No dia 20 de abril, refugiados que ficaram emboscados em certas áreas por causa do incêndio tiveram que ser evacuados pela baía no cruzador USS Chicago, da Marinha americana.[5] No dia 23, grande parte do incêndio já se havia apagado e as autoridades iniciaram o trabalho de construção da metrópole devastada. Contou-se na época 478 mortes, mas aparece hoje que este número, publicado pelas autoridades da época, subestimou o impacto real da catástrofe, nomeadamente entre a população chinesa. O balanço desde então aumentou, e o número geralmente aceito é de pelo menos de 3000 mortes resultantes do terremoto e do incêndio que se alastrou pela cidade toda. Cerca de 28 mil prédios foram destruídos, incluindo a maioria das casas e praticamente todo centro financeiro.[4]

Um dos onze acampamentos de refugiados do Sismo de 1906 no Presídio de San Francisco


Abrigo aos refugiados[editar | editar código-fonte]

O Exército construiu 5,610 chalés de troncos de árvores para acomodar 20 mil desabrigados por via da tragédia inesperada. os chalés foram desenhados por John McLaren, e foram agrupados em onze acampamentos, próximos um dos outros, e alugados ao povo desabrigado por dois dólares por mês, até a reconstrução da cidade terminar. os chalés foram pintados de cor parda-oliva para mesclar com o local e, parcialmente, porque o exército tinha grandes quantidades desta tinta em estoque. Os acampamentos tiveram uma população máxima de 16.448 desabrigados, mas em 1907 a maioria deles já haviam se mudado. Os acampamentos, então, viraram garagens, locais de armazenamentos ou lojas. Os chalés custaram, em média, US$100-741 para montar. Os dois dólares de aluguel iria para crédito na compra do chalé (opcional), num custo de US$50 dólares. A maioria das cabanas foram destruídas, mas um pequeno número destes chalés ainda existe. Um destes modestos chalés de 66,90 metros quadrados foi recentemente vendido por mais do que US$600.000,00.[6]

O Grande Incêndio[editar | editar código-fonte]

Apesar dos estragos importantes causados pelo sismo e suas contrapartes, foram os incêndios os responsáveis que resultaram na destruição, na maior parte, de todas estruturas.[2] Estes lavraram-se em vários lugares da cidade, alguns causados inicialmente por linha de gás natural quebrada e duraram três dias inteiros. Outros incêndios foram começados intencionalmente, e outros ainda foram a consequência de fogos de madeiras acendidos por refugiados. Certos proprietários tocaram fogo aos seus próprios edifícios a fim de ganhar a indenização do seguro contra incêndio, uma vez que estavam informados que o seu seguro não cobriria os estragos causados unicamente pelo sismo. Com as condutas de água fora de serviço, os bombeiros municipais tinham poucos recursos à sua disposição para combater os incêndios. Vários fogos no centro da cidade convergiram para formar uma fornalha gigantesca. O incêndio destruiu mais de 500 casas, da Avenida Van Ness perto do centro até o cais do porto, que limitam a baía.

Panorama de São Francisco após o terremoto


Contrariamente à uma idéia recebida, o presidente da câmara municipal Eugene Schmitz e o General Frederick Funston não declararam a lei marcial. Em contrapartida, Schmitz assinou uma deliberação que permitia a polícia, às patrulhas de milícias e os militares de atirar sobre 'pilhantes, e algumas 500 pessoas foram mortas ou aleijados. Funston tentou controlar a expansão do incêndio fazendo explodir as casa tortas, caídas, em redor dos lares, com um sucesso mitigado, mas que parece ter permitido poupar o oeste da cidade.

A Falha de San Andreas segue numa linha de noroeste a sudeste ao longo da costa da Califórnia. Os números na falha indicam quantos pés o solo cedeu naquele local com o resultado do terremoto de 1906.


A Reconstrução[editar | editar código-fonte]

Os planos para reconstrução da cidade foram a ser elaborados no mesmo dia do tremor sísmico. Um dos planos mais ambiciosos era do famoso urbanista Daniel Burnham, cuja visão inspirada por Haussmann previa avenidas e alamedas que irradiariam através da cidade, um complexo cívico gigantesco à arquitetura clássica, um jardim público que então teria sido o maior do mundo, estendendo-se de Twin Peaks ao lago Merced, e numerosos outros projetos. O plano, julgado pouco realista e pouco prático tanto pelas críticas da época contra os arquitetos contemporâneos, foi pela maior parte ignorado. Era visto igualmente de um mau olhar pelos promotores imobiliários que teriam que vender inúmeros dos seus terrenos ao município. O traçado das ruas existente subsistiu, mas alguns dos projetos caros de Burnham seguiram à frente, como o atual Civic Center com a arquitetura neoclássica das avenidas mais largas, um metrô sob a Market Street, o Fisherman's Wharf e um monumento que domina a cidade sobre Telegraph Hill, a Coit Tower. O tremor de terra de 1906 provocou uma tomada de consciência do perigo sísmico na Califórnia. Alguns dias após a catástrofe, o governador do estado, George Cooper Pardee, reúne diversos grandes cientistas para começar um programa de investigação sobre os sismos. Sob a direcção do Geólogo, Andrew C. Lawson, da Universidade de Berkeley uma equipe de vinte geólogos, astrônomos, físicos (Henry Fielding Reid) e os engenheiros estudaram e cartografaram a falha de Santo André. Redigiram um relatório que fez avançar o conhecimento dos fenômenos sísmicos.

Consequências materiais e econômicas[editar | editar código-fonte]

O tremor de terra e o incêndio tiveram um impacto duradouro no desenvolvimento econômico da Califórnia. O sismo e o incêndio destruíram mais de 80% da cidade.[7] Algumas construções de tijolos, como do Hôtel-de-Ville, não se opuseram aos abalos.

Casas atingidas pelo terremoto.

Mas o tremor reduziu com a rede telefónica, o bonde-a-cabo e os sistemas de comunicação. Na região da baía, a Universidade de Stanford[4] foi danificada em parte. As cidades de São José, Hollister, Bolinas e de Santa Rosa foram prejudicadas igualmente.

Mesmo com São Francisco a ser reconstruída rapidamente, o desastre redirige e relocaliza comércio, indústrias e população para o Sul, sobretudo para Los Angeles, que durante o século XX se tornou a metrópole mais importante do Oeste dos Estados Unidos. O relatório Lawson de 1908, que estudou o tremor de terra de 1906, demonstrou contudo que a mesma falha de San Andreas, que foi a do sismo, está igualmente próxima de Los Angeles.[8] O tremor de terra de 1906 foi o primeiro desta magnitude a ser documentado por fotografias e filmes cinematográficos. Teve igualmente lugar a um período florescente da sismologia. O custo da catástrofe foi considerado à época à cerca de 400 milhões de dólares.[4]

Vídeo[editar | editar código-fonte]

(video) Terremoto de 1906 (info)
Vistas da destruição feita---filmado de um veículo em movimento rua a baixo na Market Street.
Problemas na execução do arquivo? Veja Introdução à mídia.






Incêndio após o terremoto de 1906

Referências

  1. http://www.sfgate.com/greatquake/
  2. a b c San Francisco Municipal Reports, "THE SAN FRANCISCO EARTHQUAKE AND FIRE OF APRIL 18, 1906", "Official History of the Earthquake and Fire", Published by Order of the Board of Supervisors, p1. 22 de dezembro de 2005. (em inglês)
  3. a b c d Carl Nolte, « The Great Quake: 1906-2006. Days before the disaster », San Francisco Chronicle, 4 septembre 2006. (em inglês)
  4. a b c US Geological Survey, "Casualties and damage after the 1906 Earthquake", U.S. Department of the Interior, 25 de janeiro de 2008. (em inglês)
  5. [http://www.sfmuseum.org/hist10/06timeline.html Online Linha do Tempo do Grande Terremoto de São Francisco (Califórnia)--- (em inglês)
  6. Realty Times Online: " Matéria de Blanche Evans revela o valor histórico dos chalés construídos na ocasião do terremoto de 1906. (em inglês)
  7. San Francisco Municipal Reports, "THE SAN FRANCISCO EARTHQUAKE AND FIRE OF APRIL 18, 1906", "Official History of the Earthquake and Fire", Published by Order of the Board of Supervisors, p3. 22 de dezembro de 2005. (em inglês)
  8. Rob Thomas« 1906 San Francisco Earthquake and Fire Visualizations» Carleton College Compiled by Rob Thomas of SERC.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sismo de São Francisco de 1906
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Sismo de São Francisco de 1906
Websites em Inglês (em inglês)