Spiral Scratch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Spiral Scratch
EP de Buzzcocks
Lançamento 29 de janeiro de 1977
Gravação 28 de dezembro de 1976
Gênero(s) Punk rock
Duração 10:01
Formato(s) Vinil de 7"
Gravadora(s) New Hormones
Produção Martin Zero
Cronologia EP de Buzzcocks
Último
Último
Another Music in a Different Kitchen
(1978)
Próximo
Próximo

Spiral Scratch é um EP 7" (45 rpm) da banda inglesa de punk rock Buzzcocks, gravado em 28 de dezembro de 1976 no Indigo Sound Studio, em Manchester, e lançado em 29 de janeiro de 1977.[1] A produção foi feita por Martin Hannett (então conhecido por Martin Zero, antes de se tornar produtor do Joy Division).[2] Foi um dos primeiros lançamentos DIY[3] e, provavelmente, o primeiro lançamento independente do punk.[4] De acordo com Alex Ogg, no Allmusic, este auto-financiado EP de estreia é tão importante quanto o single "Anarchy in the U.K." (dos Sex Pistols) no estabelecimento da cena punk no Reino Unido.[5]

28 de dezembro de 1976 - Gravação[editar | editar código-fonte]

De acordo com o engenheiro de som Phil Hampson (que esteve presente nas gravações de Spiral Scratch, segundo sua página), o princípio DIY nunca fora melhor demonstrado como o foi no lendário concerto dos Sex Pistols no Free Trade Hall de Manchester, em junho de 1976, organizado por Pete Shelley e Howard Devoto[4] , futuros integrantes do Buzzcocks.[1]

Em dezembro, diz Phil, quando Buzzcocks vieram ao estúdio Indigo com o inexperiente Hannet (então Martin Zero) como produtor, havia um jovem rapaz, chamado Mike Thomas, que trabalhava por quase nada e apenas para aprender a como entrar no negócio. O estúdio normalmente fechava entre o Natal e o Ano-Novo, mas Mike perguntou se ele poderia trazer alguns "companheiros"; que tinha emprestado algum dinheiro e que queria fazer um EP, perguntando se Phil não poderia vir para gravá-los. A ideia era fazê-lo quando o chefe do estúdio não estivesse por perto, e talvez ter algum tempo extra.

O estúdio Indigo estava no porão de um edifício. Havia quartos individuais, em vez de uma grande área. Então Phil Hampson conseguiu a separação dos ruídos, gravando em quartos separados, o suficiente para fazer algumas alterações nos sons individuais sobre a mesa e definir sobre preenchimento ou substituição de microfones. Todos poderiam tocar tão alto quanto queriam, e mesmo assim os sons, limpos, poderiam ser trabalhados depois. As músicas foram gravadas ao vivo, com o mínimo de overdubs, em um gravador de 16 pistas com fita de duas polegadas.[4] Segundo Devoto, tudo levou três horas, com as outras duas para a mixagem.[2] O processo todo foi completado, como acertos no estéreo, por Mike Thomas e Martin Zero; mas a banda não estava totalmente satisfeita com o resultado final. Então Phil Hampson voltou, no início de janeiro de 1977, para remixar em estúdio e adicionar alguns efeitos de áudio.[4]

29 de janeiro de 1977 - Lançamento / 1979 - Reedição[editar | editar código-fonte]

A banda pediu emprestadas 500 libras para gravar e lançar Spiral Scratch em 1977 (com Pete Shelley pedindo emprestado de seu pai[6] ).[4] Os Buzzcocks venderam cerca de 16.000 cópias deste EP em sua própria etiqueta, New Hormones, antes de assinar com a gravadora United Artists (segundo Jay Banerjee, a primeira edição do EP fora prensada em um número de 1.000 cópias[6] ).

O EP foi eliminado brevemente, antes de ser novamente lançado (em 1979[1] ) com o mesmo número de catálogo e com uma etiqueta de crédito a Howard Devoto adicionada à capa (sendo distribuído pela Virgin[1] ). O lançamento acabou nas paradas, dois anos após a sua primeira versão[3] , ficando por seis semanas e atingindo #31 no UK Singles Chart.[7]

Spiral Scratch - Reedições[editar | editar código-fonte]

Em 1991 o selo inglês Document Records Limited lançou, em vinil 12", uma edição limitada a 5.000 cópias (DV1T); disponibilizando também uma edição em CD (DC1), lançada em setembro. Em 7 de fevereiro de 2000 a The Grey Area lança novamente o EP em CD (scratch1cd) e em 7" (scratch 1 - lançado junto com a Mute).[1]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Lado A
  1. "Breakdown" - 3rd take No dubs (1:54)
  2. "Time's Up" - 1st take Guitar dub (3:02)
Lado B
  1. "Boredom" - 1st take Guitar dub (2:52)
  2. "Friends of Mine" - 1st take Guitar dub (2:13)

Todas gravadas 'ao vivo' no Indigo Sound Studio Manchester - 28.12.76 - 16 pistas - Composições Devoto/Shelley - New Hormones (ORG 1)[8]

Pessoal[editar | editar código-fonte]

Legado[editar | editar código-fonte]

Alex Ogg comenta que Spiral Scratch abriu a cena independente, tornando DIY um trampolim natural para os músicos aspirantes e dando à cena punk uma segunda base regional, Manchester; expandindo o vocabulário do punk além do niilismo total evidenciado pelas bandas de Londres. Esta foi, também, a única chance, então, de ouvir Howard Devoto nos vocais do Buzzcocks, antes de ele sair para formar o Magazine.[5] Sergey Konovalov diz que a melhor canção, universalmente reconhecida fora do álbum, é "Boredom", que contém uma paródia dos solos de guitarra que prevaleciam no rock progressivo, com apenas duas notas, repetidas mais de 60 vezes.[2]

Guy Peters afirma que Spiral Scratch fora colocado à venda antes do The Clash sequer conseguir seu contrato com a CBS e antes do lançamento do primeiro álbum, em LP, do punk britânico, Damned, Damned, Damned (do The Damned, lançado em 18 de fevereiro de 1977[9] ).[6] Dentre os lançamentos do punk inglês, apenas fora precedido pelos singles de "New Rose" (The Damned, lançado em 22 de outubro de 1976)[10] e "Anarchy in the U.K." (Sex Pistols, lançado em 26 de novembro de 1976).[11]

Referências

  1. a b c d e Buzzcocks - Spiral Scratch (em inglês) 1 pp. Discogs. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  2. a b c Konovalov, Sergey (29 de dezembro de 2010). EP review: Buzzcocks - "Spiral Scratch" (em inglês) 1 pp. Love Songs On The Radio. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  3. a b Buzzcocks - Spiral Scratch (em inglês) 1 pp. 45cat. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  4. a b c d e Hampson, Phil (2006). My Place in Music History - Recording Buzzcocks seminal EP 'Spiral Scratch'. Manchester 1976 (em inglês) 1 pp. Phil Hampson, music and production. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  5. a b Ogg, Alex. Spiral Scratch, review by Alex Ogg (em inglês) 1 pp. Allmusic. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  6. a b c Peters, Guy. Spiral Scratch (EP) (1977) (em inglês) 1 pp. Guy's Music Review Site. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  7. Buzzcocks - Spiral Scratch EP (em inglês) 1 pp. Official Charts Company. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  8. Buzzcocks - Spiral Scratch (detalhe) (em inglês) 1 pp. Discogs. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  9. Damned, The ‎– Damned Damned Damned (em inglês) 1 pp. Discogs. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  10. Punk Chronology 1970-1976 (em inglês) 1 pp. Punk Diary 1970-1979 (gimarc.com). Visitado em 18 de novembro de 2013.
  11. Anarchy in the U.K. 7" (em inglês) 1 pp. Sex Pistols (página oficial). Visitado em 18 de novembro de 2013.