TV Descalvados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TV Descalvados
TV Descalvados Ltda.
Cidade de concessão Cáceres, MT
Canais
8 analógico
TV Descalvados HDTV (Breve) digital
Slogan Na nossa Frente Só Você
Rede SBT
Fundador Pedro Henry
Proprietário Família Henry
Controlador Ricardo Luiz Henry
Fundação 12 de setembro de 1995
Cobertura Cidade de Cáceres
Potência Sudoeste de Mato Grosso
Página oficial TV Descalvados

A TV Descalvados é uma emissora de televisão brasileira com sede em Cáceres, MT. Transmite para região de cobertura a programação do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), além de gerar programas locais. Opera no canal 8 VHF.

A emissora pertence ao deputado Pedro Henry, envolvido no Escândalo do Mensalão.

A emissora integra grupo de comunicação dos irmãos Pedro e Ricardo Henry, que comandam ainda a TV Pantanal, as rádios Clube AM e FM.

Desde 2008, a emissora está ameaça de sair do ar (concessão cassada), por conta de irregularidades dos proprietários, a Família Henry.

História[editar | editar código-fonte]

Concessão[editar | editar código-fonte]

O Ministério das Comunicações aprovou a concessão do Canal 8, como Retransmissora de TV (RTV), após ganhar a concorrência em 1995.

Nesse ano, Ricardo Luiz Henry adquiriu a TV Descalvados, tendo como sócio, o radialista Sérgio Granja de Souza Vieira.[1]

Por estar dentro do território da Amazônia Legal, foi autorizada a funcionar como repetidora mista.

No dia 20 de maio de 1996, a portaria foi assinada e publicada no Diário Oficial três dias depois, para funcionar em março de 1997.[2]

Sede da emissora[editar | editar código-fonte]

Para escolha de terreno, foi construída em uma área de 300 metros quadrados, em seguida, foram adquiridos móveis simples mais modernos e ilha de edição profissional, tornando-se um luxo, comparada com outras emissoras.[2] Depois da conclusão, foram contratados 18 funcionários para cuidar da emissora.[2]

Ricardo Henry revelou ao jornal Correio Braziliense em 1997, que investiu com recursos próprios, mais de R$ 400 mil: "Dinheiro eu ganho com o Acury (nome do barco que faz transporte de passageiro na região de Cárceres)'. Na TV, não ganho nada. O que entra não dá nem para pagar as despesas", disse.[2]

Apesar do esforço, Ricardo Henry diz que não tem nada a ver com política e prevê lucro na emissora no futuro: "Espero no futuro ter algum retorno comercial".[2]

Os 18 funcionários contratados depois da conclusão da emissora declararam ao jornal Correio Braziliense, afirmando que Ricardo Henry não é verdadeiro dono da emissora e sim o irmão, o deputado federal Pedro Henry (PSDB).[2]

TV Descalvados no ar[editar | editar código-fonte]

A entrada da TV Descalvados é polêmica: foi autorizada pelo Ministério das Comunicações no dia 23 de maio de 1996, a funcionar apenas em março de 1997[2] e até negociou para retransmitir o SBT na região.

O próprio Pedro Henry (na época, era filiado ao PSDB e candidato a reeleição ao deputado federal) revelou ao Correio Braziliense em 1997, que a emissora entrou no ar antes de março de 1997.[2]

Revelou que a emissora entrou no ar antes da data estipulada pelo ministério: 12 de setembro de 1995, seis meses antes de sair a autorização, desrespeitando a Lei Federal, mas deu explicação: No interior, a gente põe para funcionar mesmo.[2]

Pedro Henry nega “até debaixo das águas do Rio Paraguai que seja o verdadeiro dono da emissora, como dizem os funcionários da TV,[2] apesar disso, no dia 4 de junho de 1997, quando chegou à cidade acompanhado pelo então governador Dante de Oliveira (PSDB), a equipe da emissora de prontidão, ignorou completamente a principal Autoridade do Estado.[2] Quando ambos entraram no ginásio onde se realizaria um encontro regional do PSDB, só Pedro Henry foi entrevistado pela emissora dele mesmo.[2]

Em 1997, Ricardo Henry passou a outro sócio, o sobrinho Mário Duílio Evaristo Henry Neto, substituindo o radialista Sérgio Granja de Souza Vieira.[1]

TV Descalvados (1998-2009)[editar | editar código-fonte]

Em 1998, o proprietário da emissora, Pedro Henry, consegue se reeleger.

Em 2003, o sobrinho de Ricardo Henry, Mário Henry, transfere as cotas para Ivanilda Santos Henry, esposa do deputado federal Pedro Henry.[1]

Em 2004 o candidato a prefeitura de Cárceres, Ricardo Henry (PP), usa as emissoras, as TVs Descalvados e a Pantanal (recém-comprada), para os ataques contra outro candidato Túlio Fontes (PT): fazendo campanha aberta fora do horário eleitoral em favor de Ricardo Henry. As emissoras foram punidas várias vezes com a suspensão da programação, mas toda vez que voltavam ao ar, repetiam ataques a Túlio Fontes e exaltações ao Ricardo Henry, que posteriormente foi eleito a prefeitura de Cárceres.[3]

Em 2008, o candidato a reeleição à prefeitura de Cárceres, Ricardo Henry (PP), usa novamente as emissoras, a TVs Descalvados e a Pantanal, para os ataques contra os candidatos Túlio Fontes (PT) e Beto da São Lucas (PSC): fazendo campanha aberta fora do horário eleitoral em favor de Ricardo Henry.[3]

Com o começo da campanha, os irmãos Henry, envolvem o nome do juiz eleitoral de Cáceres, Geraldo Fernandes Fidélis Neto como avalista de suas ações, que é amigo.[3] Geraldo Fidélis é usado por Ricardo e Pedro Henry no horário eleitoral de forma a sugerir ao eleitor, que o candidato pepista tem o apoio do magistrado.[3]

Pouco tempo depois, Ricardo Henry veiculou programa eleitoral afirmando ter o apoio do presidente Lula, até exibir um vídeo de Lula nas eleições de 2006. A veiculação do Lula foi contestado pela coligação “Cáceres, com a força do povo”, liderada por Túlio Fontes.[3] Fidélis indeferiu o pedido e sua decisão acabou servindo de base para outro programa de Ricardo Henry, no qual afirmam que até “a justiça diz: quem apoia Lula é o PP de Ricardo Henry.”[3]

O caso foi parar no Tribunal Regional Eleitoral, que proibiu Ricardo Henry de utilizar Lula em seu programa eleitoral. No entanto, nos programas da coligação de Henry, voltou a exibir mais uma vez a presença indevida de Lula.[3]

Houve forte embate jurídico entre as duas candidaturas que polarizam as eleições em Cáceres. O juiz Geraldo Fidélis ainda não julgou um pedido de cassação do registro da candidatura de Ricardo Henry num grave processo de investigação judicial que prova a contratação ilegal de funcionários, sem concurso público, no período eleitoral.[3]

Em 10 de dezembro, a TV Descalvados foi condenada a indenizar a ex-primeira-dama de Cáceres, Gisele Fontes, esposa do candidato derrotado na prefeitura da mesma cidade Túlio Fontes, devido às acusações veiculadas pela emissora, que mais tarde não se comprovaram.[4] Gisele reclamou de acusações feitas em 2001 no extinto programa Aqui Agora (versão local do Aqui Agora), que para ela são falsas, na época das denúncias o marido dela era prefeito da cidade.[4]

A emissora foi totalmente penhorada em processo de ação em execução por danos morais movido pela Gisele Fontes, que foi feita sete anos atrás, estava tramitando na 3ª Vara Cível da Comarca de Cáceres.[4]

Referências

  1. a b c MPF/MT pede suspensão da programação da TV Pantanal em Cáceres (em português). Jus Brasil (2 de Outubro de 2008). Página visitada em 25-01-2010.
  2. a b c d e f g h i j k l Dossiê das concessões de TV (em português). Correio Braziliense (1997). Página visitada em 25-01-2010.
  3. a b c d e f g h Ricardo Henry quer debate na televisão de sua família (em português) (2 de outubro de 2008). Página visitada em 25-01-2010.
  4. a b c Ação de ex-primeira-dama penhora TV de Henry (em português). Bom Dia Mato Grosso (10 de Dezembro de 2008). Página visitada em 25-01-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]