Trachurus picturatus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaTrachurus picturatus
chicharro
Trachurus picturatus.

Trachurus picturatus.
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Perciformes
Família: Carangidae
Género: Trachurus
Espécie: T. picturatus
Nome binomial
Trachurus picturatus
(S. Bowdich, 1825)

Trachurus picturatus (Bowdich, 1825), conhecido pelos nomes comuns de carapau-negrão e de chicharro (Açores), é uma espécie de peixe carangídeo[1] de corpo fusiforme, alongado e pouco comprimido, de cor preta ou azul-esverdeada. As escamas concentram-se exclusivamente sobre a linha lateral. O comprimento corporal máximo reportado é de 60 cm, mas em geral os espécimes capturados têm menos de 25 cm. A espécie ocorre nas águas costeiras, sendo encontrada em profundidades até aos 370 metros, com distribuição natural desde o Golfo da Biscaia até ao sul de Marrocos, incluindo o Mediterrâneo Ocidental e os arquipélagos da Macaronésia (com excepção de Cabo Verde).[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

T. picturatus é um pequeno peixe pelágico, de corpo fusiforme, alongada, pouco alto e um pouco comprimido lateralmente, com um comprimento corporal máximo de 60 cm, mas com os tamanhos mais comuns situados entre os 20 e os 30 cm de comprimento. Apresenta uma coloração cinzenta escura na parte posterior do corpo e nu pedúnculo caudal, mas os lados são cinzento-azulados a prateados, com intensos laivos iridescentes verdes e azuis. A face ventral é esbranquiçada. Tem uma pequena mancha preta no bordo superior do opérculo. As barbatanas são cinzentas a cinzento-avermelhadas.

A cabeça é comparativamente grande face ao tamanho corporal, com focinho obtuso e boca ligeiramente prognata, com lábios espessos, oblíqua e terminal. Os dentes são pequenos, inseridos numa única linha. Os olhos, com uma pupila adiposa, bem desenvolvida.

As escamas são ciclóides, pequenas e lisas, com de 93 a 100 escudetes na linha lateral principal. A linha lateral secundária termina entre a quarto e a quinto lepidotríquia (raio) da segunda barbatana dorsal.

O primeiro arco branquial apresenta 14-17 branquispinhas superiores e 41-44 inferiores. A espécie tem duas barbatanas dorsais formadas, a primeira formada por espinhos e a segunda com um espinho e raios moles. A barbatana anal, relativamente curta, com três espinhos, embora os dois primeiros sejam frequentemente pouco visíveis, ficando incluídos na pele. O resto é constituído por raios macios. Nos espécimes adultos, o raio final da segunda dorsal e da anal são mais longos e ligeiramente separados dos restantes. As barbatanas peitorais são falciformes e a barabatana cauda claramente bifurcada.

T. picturatus é uma espécie pelágica migradora oceânica que forma grandes cardumes entre a superfície os 250 a 350 m de profundidade.

A alimentação é essencialmente planctónica, preferindo os pequenos crustáceos integrados no zooplâncton e as larvas de peixes e outros organismos marinhos durante a sua fase planctónica.

A reprodução ocorre essencialmente durante o estio.

A espécie apresenta uma distribuição natural que inclui o Mediterrâneo Ocidental, estendendo-se para o Mediterrâneo central, mas estando ausente do norte do Adriático, do Egeu e do Mar Negro. A sua maior área de distribuição ocorre no Atlântico nordeste, desde o Golfo da Biscaia até à Mauritânia (incluindo os arquipélagos macaronésios dos Açores (onde é um dos peixes mais frequentes), Madeira e Canárias).

A espécie é objecto de pesca industrial, semi-industrial, artesanal e desportiva, sendo capturada com artes de praia, tresmalho, cerco, palangre e de arrasto.

Apresenta pequeno valor comercial para consumo em fresco, mas nos Açores constituía, em fresco e seco ao sol, constituía a base alimentar proteica do segmento mais pobre da população, sendo uma iguaria ainda muito apreciada. É utilizado como isco na pesca dos tunídeos.

Na costa ibérica e no Mediterrâneo a espécie coexiste com outras duas do mesmo género (Trachurus mediterraneus e Trachurus trachurus), com as quais é frequentemente confundida no circuito comercial.

Notas

  1. Trachurus picturatus (Bowdich, 1825) (TSN 168593) (em inglês) . Integrated Taxonomic Information System (www.itis.gov)
  2. Ed. Froese, Rainer; Pauly, Daniel (Março de 2012). "Trachurus picturatus" (em inglês) www.fishbase.org. FishBase.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Alegre, M.; J. Lleonart; J. Veny: Espècies pesqueres d'interès comercial. Nomenclatura oficial catalana. Dep. Cultura, Generalitat de Catalunya, 1992.
  • Bowdich, S. L. 1825. Fishes of Madeira. pp. 121–125 and 233-238. In: T. E. Bowdich. "Excursions in Madeira and Porto Santo during the autumn of 1823, while on his third voyage to Africa". Londres. Fish. Madeira, i-xii + 1-278, 11 pls. + 10 pls.
  • Huguet, A.: Catàleg d'espècies d'interès pesquer a Catalunya. Generalitat de Catalunya. Departament d'Agricultura, Ramaderia i Pesca. 1995.
  • Lloris, Domènec i Meseguer, Sergi: Recursos marins del Mediterrani: fauna i flora del Mar Català. Departament d'Agricultura, Ramaderia i Pesca de la Generalitat de Catalunya. Barcelona, 2000 (ISBN 84-393-5244-1).
  • Mercader, Ll.: Peixos de la Costa Brava. El Cau, Quaderns del Museu Municipal de la Costa Brava. Sèrie Medi Natural. Ajuntament de Palamós, 1993.
  • Riera, F.; J. Oliver; J. Terrassa: Peixos de les Balears. Conselleria de Medi Ambient, Ordenació del Territori i Litoral. Direcció General del Medi Ambient. 1998.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]